quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Coincidências e cintos de segurança

Hoje é dia de Santo André, irmão de São Pedro e patrono do Patriarcado de Constantinopla. Uma calorosa saudação a todos os ortodoxos que lêem estes textos!

Bento XVI vai ser processado. Não, não tem nada a ver com abusos sexuais nem ordenação de mulheres. O grande “crime” do Papa é não ter usado cinto de segurança no seu papamóvel quando esteve na Alemanha.

Apesar da preocupação o Papa ainda teve tempo de se pronunciar contra a pena de morte, hoje em Roma.

No Brasil é o canal católico Canção Nova que está em apuros. Dois dias depois de terem acabado com o programa de um político do Partido Trabalhista a procuradoria federal iniciou um processo para suspender a licença de emissão.

Ele há com cada coincidência!

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Muçulmanos influentes e cantares ribatejanos

Há um português entre os 500 muçulmanos mais influentes do mundo. Karim Vakil (na foto, com a sua mulher), presidente da Comunidade Islâmica de Lisboa é um dos destinatários desta mailing list e dedica-se afincadamente ao diálogo inter-religioso.


Os padres de Viseu foram desafiados a doar parte do seu subsídio de Natal. Ao Fundo de Diocesano de Solidariedade, entenda-se. A “doação” ao fisco toca a todos e tem menos de voluntário…


Os cristãos na Terra Santa estão preocupados com a candidatura de Belém a Património Mundial da Humanidade. Em causa está o controlo da Igreja da Natividade.

Um bocadinho ao lado da Terra Santa, o Papa poderá estar a caminho do Líbano na Primavera. O convite está feito.

Em Durban decorre a convenção das Nações Unidas sobre ecologia. 16 grupos católicos pedem maior justiça mundial neste campo.

Sugestão para amanhã ou dia 1, sobretudo para quem vive no Ribatejo. Musical com orações e músicas tradicionais de Almeirim, cuidadosamente salvadas do esquecimento pelo Padre Ricardo Mónica. Um exemplo aqui, não deixem de ouvir.

Orações cantadas de Almeirim

Deixo-vos aqui uma mostra das músicas do padre Ricardo Mónica, que podem ouvir ao vivo no Cartaxo amanhã e depois.


O padre Ricardo é natural de Almeirim e tem-se dedicado a recuperar e preservar as orações e músicas tradicionais da zona. Como diz ele, e bem, fazia falta um padre Ricardo Mónica em cada diocese!

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Advento e Coptas

Espero que o fim-de-semana tenha sido bom e aproveito para desejar a todos os cristãos uma boa entrada no Advento, que ontem começou.

O destaque de hoje vai para a reportagem que publicámos sobre a situação preocupante dos cristãos no Egipto, onde hoje se realizam eleições. Falámos com um dos poucos coptas que vive em Portugal e com um bispo da comunidade copta no Reino Unido. Podem ler a entrevista e ver a reportagem em vídeo aqui.

Como de costume, publiquei a transcrição completa da entrevista com o bispo Angaelos aqui, para poderem ler com mais calma tudo aquilo que ele disse. Vale a pena.

Para quem continua sem saber quem são os coptas, relembro este texto.

De resto o Advento marcou o fim-de-semana. O Patriarca de Lisboa considera que é um “tempo de esperança”, palavras ditas durante a ordenação de vários diáconos em Lisboa. Pelo menos um deles recebe estes mails. Parabéns Duarte!

Com o advento começa novamente a venda de estandartes do Natal. Nos últimos anos venderam-se mais de 60 mil!

O Papa falou duas vezes no fim-de-semana. Uma sobre ecologia, outra sobre os casos de abusos sexuais na Igreja, mais especificamente nos Estados Unidos.

Interview with his grace bishop Angaelos, Coptic Orthodox Church UK

This is a full transcript of an interview that was conducted in late October, in St. Georges Coptic Centre, UK.


What were your first thoughts when you heard about what happened on October 9th?
When we heard what happened at Mespiro it was tragic and very confusing. I was on the telephone with one of our young people who was at the demonstration. He said it was fine and peaceful and they were waiting for people to arrive from one of our predominantly Christian neighborhoods. Then ten minutes later I received another phone call from a reporter I know in Cairo who said they had been driving by and had just heard some gunshots in the square. And so I phoned this young person I know and lo and behold, in just ten minutes things had turned around.
Then I was here in London, I travelled to Cairo the following morning. We were watching the news and it was horrific to see an obviously peaceful demonstration, it was a family demonstration, there were women, children, elderly people, and to see gunfire, and military vehicles being driven into and over demonstrators, it was horrific.

The generals said that the soldiers had panicked, at the size of the crowd and also the fact that they had been attacked. What do you make of that?
I generally think that soldiers who panic and cause death are worthy of court martial, or at least a trial in a military court. Because I think that soldiers are trained for military situations, and military situations are not calm situations. They are meant hopefully to be able to deal with situations of much pressure, tense situations, and if they are going to panic because men, women and children start to run, because they are being chased down by military vehicles, I hate to think what they would do at war.

The same soldiers were very restrained at Tahrir square during the uprising in February…
In Tahrir square, even on that awful night when people were killed, the army sat back and did nothing at all. They were pleaded with to do something and they did nothing. What we have also seen is that in the past several months, since the revolution, there have been hundreds of protests, sit-ins, marches and this level of force has never been used by the army. Justifiably, because I think the army is not there to use this level of aggression against their own people. What is astounding is that even during the attack on the Israeli embassy, which by all international treaties is an act of trespassing on sovereign territory, and potentially an act of war, nothing was done, the army didn’t use this level of aggression. So it’s just strange that the policy and the reaction would change so much.

Some claim the generals provoked the incident to keep a hold on power, others say the military council has been infiltrated by the Muslim Brotherhood…
I think people much wiser than I do not really know what happened that night. I don’t know. All I know is that it went against every semblance of appropriate action by an army against civilian demonstrators. Whether people had infiltrated the military council, people infiltrated the demonstration, people infiltrated the military itself, there was no justification for that sort of reaction.
And I don’t understand what went through the officers’ minds, even if it was the soldiers doing it. Did they not think they would be under scrutiny, did they not think people would be watching? Did they not think they would be accountable?

Then there are accounts of the state television calling upon people to go and protect the soldiers from the Christians… what happened there?
Again, it was apparently a change of regime, but only by name. Because the state media has always had this problem of integrity in Egypt, unfortunately. And we thought that after the revolution things would be different, but again that wasn’t the case. For a reporter to come out and call upon the general public to support the army because the Christians were attacking them, and then to actually try to justify what she had done the next day and not be called to account, that’s just implausible. The broadcasting organization for whom she works must have rules and regulations about what reporters can and cannot do. And even if that is not the case, there is a standing law in Egypt against incitement to religious conflict. Why wouldn’t that be called into place at the moment? So again, it seems that lots of rules are either being misapplied or not applied at all, or tailored to the situation.
To add insult to injury, after these occurrences we had that quite bizarre press conference held by the military council in which they tried to completely exonerate themselves, and make those absurd remarks. How could that possibly have seemed to be a plausible and wise reaction, when there is footage of people being driven into by the armed personnel carriers. How can we be told that they were running away, when there is footage of them actually running into people? How can we be told that the army didn’t even fire, and then be told that the protesters actually stole weapons from the army and shot at the army. Well if the army was armed how can you say they weren’t, and if they weren’t armed how can you say that protesters stole their weapons?

What are 10 to 12 million Christians doing in a Muslim country anyway?
Well very briefly Christians have been in Egypt since the first century. When you talk about Coptic orthodox it just means Egyptian orthodox. So the copts are the indigenous people of Egypt and they have been there for two thousand years. They are the direct descendants of the pharaohs whereas Islam only entered into Egypt in the seventh century.
So I think Christianity is seen to be there far before Egypt started to take on the appearance of an Islamic state, or an Arab state, for that matter. The Arab state status only came in during the days of Nasser, in the 50s who really wanted to bond more with the Arab identity.
The Christian presence in Egypt is the largest Christian denomination in the Middle East. The numbers in Egypt are between 10 and 12 million. Obviously the state would have it appear as much less, but whatever it is it is the largest presence in the Middle East, and therefore it is the last significant presence of Christianity in the region, after a huge drain of Christians from most other Middle Eastern countries.


Discrimination, what are the main complaints?
Although the Christians in Egypt are a minority in terms of demographics, we do not want to seek minority status, because as I said we are an indigenous people, and we don’t want to be marginalized in our own country.
The injustices and inequalities are numerable; I’ll give you just a few examples.
There are no senior ranking Christians in the intelligence services. In the army Christians will get to a certain level and then be retired. In public life, whether it is lecturers at universities, deans, professors, to my knowledge there is not a single one. Governors, there is one, in all of Egypt. So this is just one area, high ranking and high profile positions.

Judges?
Very few judges.

Police?
Again, very few high ranking.
But then we look at other aspects of life, like attacks on churches and attacks on Christians that have gone completely unprosecuted and therefore without convictions over the past decades… It really makes Christians become soft and legitimate targets, because when you have attack after attack where people get away and are not prosecuted, then others see this and realize that they are not at any risk. They can, as has happened in the past few months, take bulldozers to a church and demolish it, nobody is going to do anything, burn a church down, nobody is going to do anything, raid the church with swords and weapons and kill people and nobody is going to do anything, and so on and so forth.

I have read accounts of young Coptic girls being kidnapped, forcibly converted and married off to Muslims. Does this really happen?
Absolutely. What is debatable is the number of cases, many will say there are more or less. But if there is only one of those cases that is a complete travesty, that somebody who is a minor can be taken and be forced into a conversion, so even if there is only one case, and there are very, very many, but even if there is only one it is a travesty, it shouldn’t happen.

What do the police do in these situations?
Well, again, the reactions have been varied but generally quite lax and negative, and not wanting to be involved to the extent that sometimes we feel that the security forces in certain areas are party to what is going on, just by their mere neglect  and tunring a blind eye to it and not investigating properly and just dismissing everything as conspiracy theories, or saying that it isn’t really happening, or that they made choices, even though there is a rule that says that if somebody wants to convert they must be given an opportunity to sit with advisors of their own faith first, to be advised before they take the step, in many cases this doesn’t happen.

You have made a list of significant complaints, have things changed since the fall of Mubarak’s regime?
Yes they have changed, they have actually gotten worse. Because in the last ten months we have had somewhere in the region of 40 incidents in nine months as opposed to the same number of incidents in the preceding two years. We have had significantly more, and they have been more intense. Because we really hadn’t had a case of a church being burnt down, in contemporary history, we hadn’t had a case of a church being bulldozed to the ground. We haven’t had a case of people in a village deciding to turn up and just say we don’t want this church here, the villagers must leave, that’s ethnic cleansing.
If one faction of society goes into a village and says they don’t want the other faction there, and the government does nothing to rectify that, that is ethnic cleansing.

During the revolution Christians and Muslims were side by side in Tahrir square. It gave an idea of national cohesion. In your experience have the two communities actually been driven further apart?
They definitely have grown apart, because of the mismanagement of the previous regime. I have always been calling for a very active and positive programme of social cohesion and nation building. When you marginalize a certain part of the community for long enough then they take a step back, and then the other part of the community push them back even further.
At the time of the revolution I think people were much more positive and looking forward to a much more positive future. And that could have ideally been the case. Unfortunately only a few weeks into it we had cases of radical factions turning up and burning down churches and demolishing churches. Now in any society, in any nation you are going to have a rogue element, but it is how the state deals with that. And like I said earlier, if you have situation after situation and nothing is done about it, people see this as a green light to continue. And so what could have been a very good start, what was a very good start, actually turned into something very negative. Now there is still hope, if there is a change of attitude, if there is a change of direction, a change of leadership, there is still hope. Because Egypt now is in a formative stage, and it can be very different. But if it is not dealt with things will just continue to get worse.

It would seem to an outsider that life must be much easier if you are a Muslim. Is there a problem with conversions to Islam, is that a threat to the Christian community?
Oh, absolutely. If somebody converts from Christianity to Islam they are paraded in the streets and rejoiced with, and a huge deal is made out of it. If somebody converts from Islam to Christianity, and in theory, according to the Koran, there is no conversion in religion, we find these people are persecuted, marginalized, threatened, their lives are at risk. They must relocate, sometimes outside the country or, if they stay, they stay hidden, as closet Christians who cannot openly practice their faith, so it is very imbalanced in that way.

But is it even legal to convert from Islam to Christianity?
What people will say to you, and this is the technicality, is that of course, you can do what you want. But the state will not change your religion on your state ID. Recently there has been talk about changing that law, but what is ridiculous is that at one stage they said «OK fine, we will change your state ID but we won’t say  that you are Christian, but that you were once Muslim». And that really is like signing a death warrant. Because every time you show your ID people will look at you as an infidel. But that fortunately didn’t happen, but not because of any common sense, it didn’t happen because the system couldn’t fit that amount of characters into the space they had assigned.


What was your feeling at the time of the revolution?
Unfortunately I was one of the skeptics. I could see what would happen today, back then. I knew that the state apparatus, and the mindset and the heart of the community wasn’t yet ready to embrace that. And I knew that it would be euphoric for a while, and I was there right after the revolution, I was there in February, and people were still very euphoric, and very positive, but unfortunately it was not sustainable. And what made it even less sustainable was the military council and government’s inability to maintain a firm level of law and order, which made people accountable. So it became, in its essence, a time when people became vigilantes, taking law into their own hands, and doing things for which they were never held accountable.

The Coptic hierarchy was cautiously silent. Why was that?
I think the manifestation of what we have now explains why we were cautiously silent. Because while many people jumped on a very fast moving band wagon, few people were focused on where we were going, and it became very fashionable to jump on the bandwagon, but through experience and knowledge of the setting, I think we were very cautious and we knew where it was potentially going to go.

What has the attitude of the hierarchy been now? Has His Holiness pope Shenouda spoken out?
Well he is very disappointed obviously, as we all are. His Holiness has expressed that disappointment, and has expressed the utter horror at what has happened to his children, and has also asked for justice. We are not vindictive, we don’t want people brought to account because we want to prove a point, or settle those accounts, but because people died, and those lives have value, and when there is a rule of law in the state those rules must be applied, to at least investigate and then prosecute.


Things seem to have changed. There are still problems, but it seems as if the Christians have had enough, and now they rise up. Peacefully, but they rise up. Is this the case?
Absolutely, I was in a press conference and I was asked about fear. And I don’t think anyone fears. I think if there was another demonstration today you would still have tens of thousands of people going out. I think these sorts of things build up resilience. Not a violent resilience, not of civil disobedience, because even this protest march was applied for and run very legally. I think this just makes people defiant in wanting justice and in wanting equality, in every aspect of their lives.

Looking at Syria, being a Christian leader yourself, and taking into account what has been happening in Egypt, what would you say to the Christians in Syria?
I don’t think I am in a position to say anything to the Christians in Syria, because I think everyone makes their own assessment within their own environment and knowledge. But I don’t know if many people would blame the Christians in Syria for continuing to support the regime, after seeing what is going on, particularly in Egypt, it is a very similar situation, and if they see that the fall of even what people may see is a corrupt regime, if all it brings is more disorder, more persecution and more attacks, what purpose could that serve in their minds?

There is a significant Coptic diaspora in Western countries. Is assimilation seen as a threat?
First of all as a church we don’t use the word diaspora, because diaspora would infer a mass exodus whereas in fact the vast majority of Coptic Christians still live in Egypt. The number of Christians outside of Egypt is maximum 10%. And we don’t see assimilation as a threat, assimilation is what we should be doing, but not losing our identity. So we don’t become rigid and alienated from our surrounding community, we become part of that community and become part of the life of that community, keeping our own Christian integrity but also being good citizens and interacting with the people around us.

Has that worked?
I think so, our own experience in Australia and here, the people here become British Copts, with everything that means. They input into the community positively, they are faithful with their work, they are law abiding productive members, they care about their communities, but they also hold onto their Christian faith, their Coptic heritage, their life as life in the world, and salt in the world, and they fulfill that function of being the image of God in the world around them.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Igrejas feias e sugestões musicais

O Vaticano está a criar uma comissão para tentar impedir a construção de Igrejas feias. Não conhecem nenhum caso? Ora bem, é só espreitar aqui…

Hoje foi dia de greve geral, caso não tenham reparado… a Liga de Operários Católicos achou muito bem.

Mais um católico assassinado no Paquistão. É trágico quando começamos a pensar que isto já nem é notícia.


Ontem disse por engano que em Dezembro Bento XVI vai fazer a sua primeira visita a uma prisão desde que é Papa. É engano, afinal é a segunda. Peço desculpa pelo lapso.

Por fim uma sugestão cultural, a propósito do dia de Santa Cecília, que calhou nesta semana. 

No Sábado a Academia de Santa Cecília promove uma missa às 10 horas na Igreja da Graça, presidida por D. Joaquim Mendes, e com todos os coros da Escola e Orquestra a cantar (cerca de 400 a 500 jovens).

E no mesmo Sábado, os Coros Católicos de Lisboa fazem uma tarde de Convívio cultural, com uma conferência pelo Maestro Victor Roque Amaro, uma Missa às 17.30, cantada por todos os coros inscritos, presidida por D. Joaquim Mendes, uma ceia e um concerto por todos os coros – tudo na Paróquia de Santa Beatriz da Silva.

Feio que dói!

Parece que o Vaticano está farto de que se construam igrejas feias… pessoalmente, eu também.

Vamos a ver se exemplos como os que se seguem ficam mesmo consignados à história.

Discordam? Conhecem outros? Partilhem nos comentários...
Do famoso período arquitectónico de igrejas-farol

É impressão minha ou as janelas
formam uma espécie de cara triste?

Directamente dos cenários apocalípticos do Mad Max

Hoje três repartições de finanças foram atacadas com spray
Antes, os "indignados" passaram por aqui

Lembram-se quando construíam com blocos e quando
estava quase pronto, de repente caía tudo? Pois...

Projecto para a nova igreja de Algés
3... 2... 1... we have lift off!

É o que dá ignorar as instruções quando se compra
uma igreja pré-fabricada.

A nova Igreja do Restelo, ainda em construção

Quando ficarem sem fiéis podem aproveitar a estrutura
para plantar alfaces, flores exóticas etc...

Uma Igreja francesa ou...
a cabeça do maior hipopótamo do mundo!

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

O que fazer com 300 milhões de euros? Lobbying, claro!

Bento XVI vai para a cadeia no dia 18 de Dezembro. O Papa estará só de visita e vai responder a perguntas de cerca de 300 reclusos.

Bento XVI não será o primeiro Papa a estar “atrás das grades”, a tradição é antiga!

Hoje renunciou mais um bispo irlandês. Não se sabe se por doença ou por estar implicado no escândalo de abusos que varreu o país.

Em Washington gastam-se cerca de 300 milhões de euros por ano a fazer lobbying de natureza religiosa. Ao todo mais de 200 organizações trabalham nesta área!

Já em tempos falámos aqui do fenómeno de judeus ultra-ortodoxos a cuspirem em cristãos em Jerusalém. Um grupo de judeus tomou a iniciativa de pedir perdão por essa atitude aos cristãos.

Por cá, o seminário dos Olivais vai ter um novo reitor. O padre José Miguel Pereira sobe ao lugar para substituir o agora D. Nuno Brás.

Papas atrás das grades

São Pedro na Prisão, de Rembrandt
No dia 18 de Dezembro Bento XVI irá à maior cadeia de Roma para estar com os reclusos.

É a primeira vez que o faz desde que é Papa, mas João Paulo II e outros papas já o tinham feito noutras ocasiões, recordando que a visita aos presos é uma das sete obras de misericórdia corporais.

A diferença desta vez é que o Papa vai estar em diálogo com os cerca de 300 presos, que lhe poderão fazer perguntas. O encontro terá lugar na capela da prisão.

Escusado será dizer que a relação entre o Papado e a prisão remonta às origens do Cristianismo. São Pedro esteve preso durante muito tempo antes de ser martirizado e nos tempos das perseguições muitos papas acabaram por ser detidos.

Talvez o exemplo mais recente de um “Papa prisioneiro” seja Pio IX, embora a sua situação tenha sido diferente. Pio IX era Papa aquando da unificação do Reino de Itália, quando os territórios pontifícios foram invadidos. Sem poder sair de Roma o Papa referiu-se a si mesmo como estando “prisioneiro no Vaticano”.

Na história recente a visita mais significativa de um Papa a uma prisão foi de João Paulo II que fez questão de ir ver e conversar com Ali Agca depois de este o ter tentado assassinar no dia 13 de Maio de 1981.

Filipe d’Avillez

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Jesus Cristo, Cântico dos Cânticos e outras obscenidades

O termo “Jesus Cristo” é uma obscenidade? Segundo o Governo paquistanês, parece que sim.

Não é todos os dias que um português é condecorado pela República Francesa. O sortudo foi José António Falcão, do Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja.


Uma ideia interessante de Évora. A associação de comerciantes arranjou maneira de ajudar os carenciados e estimular o comércio, tudo ao mesmo tempo, agora é ver se pega.

Hoje é o aniversário do assassinato de JFK, o primeiro, e até hoje único, católico a ser eleito para a presidência dos EUA. Saiba mais curiosidades religiosas sobre os presidentes e candidatos ao cargo mais importante da política mundial.

Por fim, duas notas culturais: Para quem vive no Norte, amanhã sobe ao palco no Porto uma encenação do Cântico dos Cânticos.

E António Marujo, dos mais respeitados jornalistas de religião no nosso país, publicou um livro com entrevistas a várias figuras do universo religioso, a não perder. A editora é a Pedra Angular, e o título é: “Deus Vem a Público”.

Recordando o assassinato do primeiro presidente católico dos EUA

No dia 22 de Novembro de 1963, num episódio que veio alimentar as mais diversas teorias da conspiração, John Fitzgerald Kennedy foi assassinado.

Kennedy tinha feito história ao ser o primeiro católico eleito para a presidência da República nos Estados Unidos, um gesto inovador e não sem polémica. Várias vezes foi levantada a dúvida sobre a sua lealdade caso conseguisse o posto e o candidato teve de esclarecer publicamente que não iria receber instruções de Roma.

Até Kennedy todos os presidentes dos EUA tinham sido da tradição protestante, embora alguns possam ser descritos com não tendo grandes convicções religiosas.

Numa mostra da importância da elite de ascendência inglesa no país, um total de 12 presidentes foram episcopalianos, nome dado ao ramo americano da Igreja Anglicana. O número é tanto mais significativo quanto isso representa mais do que um quarto de todos os presidentes, mas menos de 1% da população dos EUA pertence à Igreja.

Curiosamente nunca um judeu foi candidato à presidência na América, embora Lieberman tenha sido o candidato a vice-presidente na campanha de Al Gore. Isto apesar de tanto se falar da influência do “lobby” judaico em Washington.

A polémica sobre a identificação religiosa de Barack Obama está ainda fresca na memória. Filho de um muçulmano, Obama nunca abraçou oficialmente essa religião e converteu-se formalmente ao Cristianismo na sua juventude.

Em 2012, porém, a surpresa religiosa poderá vir dos Republicanos. Se Mitt Romney conseguir a nomeação haverá fortes possibilidades de um membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, conhecidos como mórmones, ocupar o cargo mais importante da política mundial.

Embora se classifiquem como cristãos, os mórmones não são reconhecidos como tal por mais nenhuma das principais igrejas cristãs. A Igreja, famosa pela associação à poligamia, embora esta tenha sido oficialmente abandonada em 1890, afirma entre outras coisas que os índios americanos são descendentes de uma tribo perdida de Israel e que Jesus Cristo esteve na América antes de ser elevado ao céu.

Mas ao contrário do que tem sido afirmado, mesmo que seja candidato, Romney não será o primeiro Mórmon a procurar a presidência. Essa distinção pertence a Joseph Smith, fundador da religião, que foi morto em plena campanha tornando-se assim o primeiro candidato presidencial a ser assassinado.


Filipe d'Avillez
(Texto publicado na edição de hoje do jornal on-line Página 1)

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Papa no Benim, bispos novos em Portugal

As grandes notícias deste fim-de-semana foram sobre o Papa em Benim.


O Papa aproveitou a sua visita ao Benim para visitar a campa do Cardeal Gantin, que muito elogiou. Saiba quem era essa figura…

Por fim, o Papa falou da importância da esperança para o continente africano. Há muito mais, bastará seguir os links entre as notícias.

Por cá foi um fim-de-semana muito episcopal. Uma ordenação, de D. Nuno Brás, e uma nomeação, de D. António Couto para Lamego.

A crise faz com que haja dioceses onde a Cáritas já tenha ficado sem dinheiro. Por isso a organização lançou uma campanha por ocasião do Natal e convida-o a ser uma de dez milhões de estrelas.

E por falar em crise deixo-vos com esta reportagem video que nada tem a ver com religião, mas que é imperdível. A crise vista pelos olhos de crianças de 9 anos…

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

United Colours of Polémicas

Em breve teremos um “retrato da identidade católica”, baseada em sondagens e estudos científicos.

Em notícia de última hora, sete cristãos coptas ficaram feridos durante uma marcha no Egipto. Para quem não leu na altura e não tem ideia de quem são os coptas, remeto para este texto, escrito o mês passado.

Por esta altura já estarão a par da polémica do anúncio da Benetton que envolve Bento XVI. Claro que o Vaticano reclamou e essa imagem foi retirada da campanha. Eis como se põe todo o mundo a falar de uma marca.

Escusado será dizer que a Benetton tem larga experiência a fazer campanhas polémicas. A primeira de que me lembro é dos anos 90, da imagem que ilustra este post. Mas há mais...

Depois da Áustria, o ramo irlandês do movimento Nós Somos Igreja anunciou um “apelo à desobediência”. A única diferença é que os irlandeses classificam-na de santa desobediência, de resto as reivindicações são as do costume.

Os bispos americanos querem um novo Plano Marshall para o Iraque e hoje há mais notícias de perseguição aos cristãos do Paquistão.

Foram encontradas bíblias e textos sagrados escritos em tibetano, um achado muito raro. Não sabia que havia cristãos no Tibete? Então não perca isto.

Católicos na terra dos lamas

Hoje foi notícia a descoberta de documentos católicos escritos em tibetano, encontrados naquela que é a única paróquia funcional do Tibete.

O Tibete é uma região que associamos automaticamente ao Budismo, mas a verdade é que existe lá uma comunidade de mais de 10 mil católicos que resiste, apesar do quase total isolamento do mundo.


Aqui também podem ler uma descrição da origem das fotografias bem como de um documentário feito sobre estes católicos persistentes.

Filipe

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Missionários convidam políticos a conhecer os sem-abrigo

Recentemente falámos do Ordinariato Pessoal que existe no Reino Unido para ex-anglicanos que aderiram ao Catolicismo. Pois foi anunciado esta semana que nos EUA vai ser criado um segundo ordinariato, que arranca dia 1 de Janeiro de 2012.

O Estado de Kerala, na Índia está a estudar uma lei que pune as famílias que têm mais de dois filhos. A Igreja Católica está na linha da frente da oposição a essa lei.

Os Missionários Claretianos querem que os políticos tomem um conhecimento mais próximo do problema dos sem-abrigo na área de Lisboa.

Notícia importante para quem gosta de fotografia! Abre hoje um concurso de fotografia que envolve a religião. O primeiro prémio é de 500 euros, o que nos dias que correm não é nada mau! Saibam mais detalhes aqui.

E por fim, no plano interno, o cónego João Aguiar, presidente do Conselho de Gerência da Renascença (e por isso meu chefe), foi nomeado director das comunicações sociais da Igreja, pelo que passa a ser chefe de outros também.

Concurso de fotografias sobre religião

ATENÇÃO: PRAZO ADIADO PARA 2 DE MARÇO!!!


A CICDR – Comissão pela Igualdade e Contra a Discriminação Racial, lançou hoje um concurso de fotografia com o título “Portugal: Múltiplas Vivências de Fé”, que tem por objectivo promover o diálogo inter-religioso.

A CICDR faz parte do Alto Comissariado para o Diálogo Intercultural (ACIDI), que tem feito uma grande aposta nesta área do diálogo inter-religioso nos últimos anos.

O concurso é aberto a quem quiser participar, as fotografias devem ser enviadas até ao dia 10 de Janeiro e a entrega de prémios far-se-á no dia 23 do mesmo mês.

É uma iniciativa muito interessante, que saúdo, e espero que muitos procurem participar, aproveitando para descobrir um pouco mais da realidade e variedade religiosa em Portugal.

Neste site têm toda a informação de que precisam, incluindo links para o regulamento completo e fichas de inscrição. Boas fotos!

Filipe

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Bispos na política e um iPad no Vaticano


Os bispos devem ter estas intervenções no jogo político? A verdade é que o episcopado português tende a ser mais discreto que nuestros hermanos. É um terreno complicado…


Entretanto já sabemos quais serão, em princípio, os feriados civis a desaparecer: 5 de Outubro e 1 de Dezembro. A proposta parece feita para agradar a gregos e a troianos ou, mais precisamente, para desagradar a monárquicos e republicanos.

O Papa, que certamente se preocupa com todos estes assuntos, também tem direito a distracções, como por exemplo acender a maior árvore de Natal do mundo com um iPad. É verdade.

Mitras na política

Em Espanha os bispos deram a conhecer em Outubro uma nota para ajudar os católicos a decidir em quem votar nas próximas eleições.

Sem falar em partidos, na prática os bispos excluem o PSOE de Zapatero, actualmente no Governo, quando colocam no topo da lista de prioridades o combate a leis que atentam contra a vida e contra a noção tradicional de casamento como sendo entre um homem e uma mulher.

Por outro lado, enfatizam também os cuidados a ter com os mais frágeis, incluindo os pobres, os idosos e os imigrantes, bandeiras sociais mais comummente associados à esquerda, quer se concorde ou não.

Esta semana os bispos americanos deram um murro na mesa aofalar abertamente sobre um conflito crescente com a administração democrata queactualmente manda no país. Os bispos queixam-se de que há quem os queira empurrar de volta para a sacristia e recordam que a liberdade religiosa não se limita à liberdade de culto, mas engloba também a liberdade de viver a fé na sociedade e reflecti-la nas posições e nas instituições.

Tanto em Espanha como nos EUA há uma cultura maior de intervenção política das figuras religiosas que não existe em Portugal. Seja por que razão for, os bispos portugueses preferem manter um perfil mais discreto no que diz respeito à ingerência no jogo político. Não é só uma questão de feitio, trata-se de uma escolha. Perante a posição do episcopado espanhol, que durante os anos de governação de Zapatero chegou a patrocinar gigantescas manifestações em Madrid, os bispos portugueses decidiram conscientemente seguir outro rumo.

Neste campo a Igreja será sempre presa por ter cão e presa por não ter. Há críticos de ambos os lados e o consenso não me parece possível. A evidência também não nos permite tirar muitas conclusões. Nem em Espanha nem em Portugal foi possível travar as leis que se queriam travar. Dirão uns que pelo menos em Espanha a Igreja tomou uma posição firme, dirão outros que lá se queimaram pontes de diálogo que cá continuam de pé.

A verdade é que a tendência de remeter a religião para a esfera do privado é crescente e não se resume à Europa. Pessoalmente não me faz a menor confusão ouvir a voz dos bispos na praça pública, a gritar se for preciso. Temo mesmo é o dia em que por mais que gritam ninguém dá por isso.


Filipe d'Avillez

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

São Martinho, D. Carlos e o Duque de Oldemburgo

Antes de mais, bom dia de São Martinho, infelizmente sem o Verão correspondente.

Foi hoje anunciado oficialmente que D. Carlos Azevedo, actualmente bispo-auxiliar de Lisboa, irá para o Vaticano trabalhar com a Comissão Pontifícia da Cultura. É mais um português com um cargo importante na cúria Romana e desejamos ao Sr. D. Carlos as melhores felicitações.

Esta notícia, há algum tempo esperada, parece confirmar isto, que escrevi aquando da nomeação de D. Nuno Brás para bispo-auxiliar de Lisboa no início de Outubro.

Ainda no Vaticano terminou hoje o congresso de três dias sobre células estaminais adultas. Segundo uma especialista, tratou-se de um evento revolucionário.

Esteve recentemente em Portugal o Duque Paul de Oldemburgo, que é director de um lobby católico junto das instituições europeias em Bruxelas. Fiz-lhe uma entrevista que me pareceu muito interessante. Podem ler areportagem aqui e, se quiserem, a transcrição completa da entrevista (em inglês), está aqui.

Finalmente, a Igreja Copta Ortodoxa do Egipto está a apelar aos cristãos para que votem em massa nas eleições do dia 28 de Novembro, nem que seja em candidatos islâmicos moderados.

O Duque que defende a cristandade em Bruxelas

Interview with His Highness Duke Paul-Wladimir of Oldenburg, president of the Pro-Europa Christiana Federation – Full Transcript

Could you tell us a little bit about the organization you are in charge of, and what work you do?
The Pro-Europa Christiana Federation was set up in 2002 and it consists of 10 different European Associations, we work in 10 different countries, and with the Lisbon Treaty we decided to go to Brussels to have a bureau there and to close to the institutions, close to the parliament, work with those in the parliament who share our Christian Catholic values, and see the necessity of working in the society so that the Christian roots and culture of Europe will be preserved.
We see today that there are a huge amount of laws and directives coming out of the institutions which are against this, which is why we are there. In fact we are a Catholic lobby.

Specifically Catholic? Not ecumenical?
We are based on the teachings of the church but we are open to any other group who joins us, for example in the anti-abortion campaigns we work well with the Evangelicals, they are very combative and we like that, we have no problems working with them.
What we try to do is work in coalitions in Brussels. In Washington this is absolutely normal, to have coalitions of different kinds of groups which identify one enemy to fight. In America it is very clear, its socialism. Our enemy is a current in the institutions which wants to influence policy in an anti-Christian way, that is what we are trying to combat.

What measures in particular are you referring to?
When you look at family policy, for example. When you look at the treaties, Maastricht and now Lisbon treaty, family policy is still a national issue. So countries can decide on these questions independently of Brussels.
But through the back door, by directives that at first sight have nothing to do with family policy they try to influence this. For example homosexual marriage is recognized in Spain but not in Poland. They try to, through the back door, set up directives in the field of labour, for example, and say that one has to recognize the statute of that family, which is not a family, because it is recognized in Spain and so it has to be recognized in Poland. That is the way the go around the independence of the states in these issues.

Is there an organization behind these efforts, or is it a social trend?
You can see that the European institutions are biased on this point. They make development aid to African countries dependant on social policies. If they have a policy against homosexual marriage they want to cut the aid. This is the commission and 80% of the parliament think like that, so that’s one thing.
On the other hand you have the societies and the societies don’t get it any more that they have to defend these principles that Pope Benedict called the non-negotiable values. The right to life from conception to natural end, marriage is between one man and one woman and the right of parents to educate their children according to their faith. Constantly these basic principles are affected and hurt by these policies. The problem is that our societies forget about these principles, which means that the policies can go on without any resistance.

Are there any Portuguese associations involved?
Yes. Our Portuguese association is called Acção Família.
We set up a network of information so that then we can report back to the countries so that they can make campaigns to mobilize people to wake up and see that there is a danger coming from Europe that is atheistic, laicist and that wants to get rid of all Christian policies. Its shocking to hear it like this, but if you see Brussels its exactly like that.

Two recent victories recently from the European Court of Human Rights. Forbidding patents for techniques that destroy embryos and the case of crucifixes in classrooms in Italy. Is this a reversal of the trend?
We’ve been discussing this for a while now. For me it is even miraculous that these decisions came around. The decision on the embryos was fought by Greenpeace, which in most cases is not on our side. But the reaction of the Commission was helplessness. The commissioner was asked about this by the parliament and just answered that he didn’t know what to say.
But I don’t trust these developments. We have to be very vigilant and continue to unveil these currents in the parliament which take us in the wrong direction. It’s true that these were victories, but I’m not that optimistic.

Do you think that Christianity in Europe could become a small creative group, like Pope Benedict has said might be the case, or might Christianity flourish like before?
The trend looks very pessimistic, in the masses, what we see is a revival, especially amongst the youth, so there is hope. I see a generation growing, around 20, 25, and they start to see that something is very deeply wrong. It’s a very small group, we have them in pro-life movement in Brussels, they organized the right to life march for the second time this year.
There is a counter current coming up. But on the other hand you get the impression that society polarizes and that the majority goes in the wrong direction. Just yesterday we had a conference on Christianophobia in Brussels and Alexander del Valle, a prominent speaker from France pointed out that we have a serious problem. Christianofobia is coming from different currents, one is certainly Islam but the other is from our politicians, and they are not defeated yet, and Islam is rising.
We need an entire removal of these modern ideas of hedonism, modernism. We need a deep change of soul within the society and I don’t know how that could happen in a few years. Our Lady of Fatima said that there would be a great chastisement if the World does not convert, and the world has not converted until now. I fear that something like that might have to happen for people to wake up.

Could this financial crisis be that situation?
I’m not a prophet, but there are signs that this crisis is so substantial that there might be something… it’s a start, people are seeing that this affects them entirely. Especially in Portugal you see how you are sinking, there are signs that something might be coming up. What it is, I don’t know, that is for Our Lady to decide.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Os bispos e os obscuros jogos de Capital*

Parece que serão mesmo os feriados do Corpo de Deus e o 15 de Agosto que vão acabar. Os bispos fizeram a sua proposta, agora o Estado tem de negociar com o Vaticano.

Parabéns aos que acertaram, incluindo eu! Prometo que não tive qualquer informação privilegiada!

Na mensagem final da sua assembleia plenária, os bispos portugueses avisam ainda que a actual crise mostra como os “obscuros jogos de capital” podem colocar em perigo a democracia.

A Igreja dá importantes passos nas terapias com células estaminais adultas. Uma boa notícia numa altura em que se insiste em passar a ideia que a Fé e a Ciência são incompatíveis.

A ONU está preocupada com as minorias religiosas no Irão e na Índia 31 homens foram condenados a prisão perpétua por terem participado nos massacres de Gujarat, que vitimaram mais de 1000 pessoas, na maioria muçulmanos.

A título de curiosidade, grande parte da comunidade islâmica em Portugal é originalmente de Gujarat…

No Reino Unido um tribunal decidiu que as dioceses podem ser responsabilizadas por abusos sexuais cometidos pelos padres. Teme-se agora uma onda de processos…

Finalmente, para aqueles que gostam de seguir o Papa a todo o lado onde vai, comecem a procurar viagens baratas para Cuba e México

*Não, não é um novo romance de José Rodrigues dos Santos

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Feriados, inundações e tunisinos

Parece que vamos mesmo ficar sem dois feriados religiosos a partir de 2012. Quais serão? Nada está decidido mas eu aposto no Corpo de Deus e no 15 de Agosto… Deixe a sua opinião e as razões aqui.


Que feriados vão à vida?

A Igreja parece aceitar a proposta do Governo de ceder dois feriados religiosos a partir de 2012. A decisão final cabe ao Vaticano, por causa da Concordata, mas tudo está encaminhado nesse sentido. Em troca perderemos também dois feriados civis.

Quais é que serão os religiosos?
Eu aposto no Corpo de Deus e no 15 de Agosto.

É complicado, nesta matéria, medir a importância dos dias. Todos são importantes. Mas o Corpo de Deus é aquele feriado que nunca ninguém sabe quando é e, sendo móvel, parece ter mais potencial para atrapalhar planificações.

Em compensação o 15 de Agosto, Assunção de Nossa Senhora, é um feriado que a pouca gente afectará se deixar de ser assinalado, uma vez que a grande maioria das pessoas já está de férias nessa altura.

Só peço que não toquem no 8 de Dezembro. Isto de ser feriado sempre no aniversário do casamento tem grandes vantagens!

E a sua opinião, qual é? Deixe um comentário e veremos quais são as tendências.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

CEP renova estruturas, Dalai Lama ataca a China

A Conferência Episcopal renovou a estrutura das Comissões Episcopais e nomeou novos presidentes. Saiba tudo aqui.

No Vaticano começa amanhã uma conferência importante sobre Células Estaminais.

Nos últimos meses 11 monges ou freiras tibetanos auto-imolaram-se em protesto contra a repressão chinesa. O Dalai Lama culpa o “genocídio cultural” que a China pratica na região.


Tragédia na Índia, onde 16 peregrinos hindus morreram esmagados durante uma cerimónia religiosa e, para finalizar, a Igreja Colombiana agradece às Forças Armadas terem “cumprido a sua missão” de matar o líder das FARC.

Auto-imolação

Há muitas formas de uma pessoa se matar por uma causa. Desde colocar-se no lugar de um condenado, como fez S. Maximiliano Kolbe a fazer-se explodir para causar o máximo de danos ao inimigo, como faziam os Kamikazes japoneses e fazem ainda militantes sobretudo islamistas ainda hoje.

Mas curiosamente a forma que parece criar maior efeito mediático é a auto-imolação. Vimo-lo recentemente no Médio Oriente. No final do ano passado um jovem tunisino incendiou-se em protesto contra a falta de oportunidades no seu país e passados três meses caiu o ditador do Egipto, o mais populoso estado da região.

Não há qualquer indício de que Mohamed Bouazizi fosse motivado por factores religiosos quando se incendiou a 18 de Dezembro de 2010. Mas o próprio acto está carregado de simbologia religiosa.

A imolação é a principal forma de sacrifício nas tradições abrâamicas e por isso ressoa na mente de cristãos, judeus e muçulmanos. Os sacrifícios queimados chegavam mais rapidamente a Deus, para além disso deixavam totalmente destruído o holocausto e por isso garantiam que este se reservava ao Senhor e que não seria aproveitado por mais ninguém.

É também por isso, estou convencido, que o gesto de Bouazizi cativou tanto os seus concidadãos e, por fim, todo o mundo árabe, muito mais do que se ele se tivesse feito explodir, ou se suicidasse de uma forma mais convencional.

Agora a tendência das auto-imolações chegou ao Tibete. Nos últimos meses já 11 monges ou freiras se mutilaram ou mataram desta forma, sempre invocando o nome do Dalai Lama e a liberdade do Tibete como motivação.

Entre os budistas a tradição até é antiga, há imagens famosas de auto-imolações em protesto contra a guerra do Vietname, mas penso que será inédito um surto desta dimensão, que não dá mostras de abrandar.

Resta saber se os efeitos finais na China e no Tibete serão os mesmos que foram no Médio Oriente. Durante quanto tempo poderá o regime chinês demonizar o Dalai Lama por estes gestos que se vão repetindo?

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Igreja não se calará, diz Patriarca

D. José Policarpo discursou hoje na abertura do encontro da Conferência Episcopal Portuguesa. Uma parte do discurso é voltada para o interior da Igreja, mas o mais forte foi sobre a sociedade e inclui uma importante mensagem: A Igreja reserva-se ao direito falar sobre a situação do país…

Cerca de dois milhões e meio de muçulmanos são esperados em Meca durante esta época da peregrinação. É a primeira peregrinação desde a “primavera árabe”.

Já agora, se é muçulmano e pensa cumprir esta obrigação, saiba, there’s an App for that!

Ir a Meca? There’s an App for that!

Os muçulmanos que usam BlackBerry e querem cumprir a sua obrigação de peregrinar a Meca, já têm um auxílio em forma de aplicação.

Desenvolvido pela empresa Asgatech, a aplicação está disponível em seis línguas, incluindo o inglês, que facilita a experiência dos peregrinos.

Desde vídeos narrados, que servem de guia aos rituais do Hajj, como é conhecida a peregrinação, a informação detalhada sobre cada um dos pontos de passagem na cidade santa dos muçulmanos.

Há ainda um serviço de GPS para ajudar os menos familiarizados a encontrar os locais que pretendem visitar.

A aplicação é gratuita e o download pode ser feito daqui.

Partilhar