terça-feira, 3 de dezembro de 2013

A Alegria do Evangelho - O Papa

Esta é uma das áreas mais importantes, a meu ver. O que é que Bergoglio vai fazer do Papado?

A mim, isto interessa-me sobretudo do ponto de vista ecuménico, na perspectiva em que uma reforma do papel do Papa na Igreja pode, ou não, contribuir para a unidade dos cristãos, sobretudo com as Igrejas Ortodoxas.

Mas este é um tema muito sensível. Tradicionalmente, qualquer pessoa que questione o poder e a autoridade do Papa é imediatamente classificado como perigoso fanático progressista. De facto, a única pessoa que o pode fazer sem ser acusado de odiar o Papa e a Igreja é o próprio Papa. Veremos no que isto dá.

João Paulo II já tinha levantado esta lebre, precisamente com esta intenção ecuménica, mas pouco ou nada mudou, como aliás recorda Francisco:

Dado que sou chamado a viver aquilo que peço aos outros, devo pensar também numa conversão do papado. Compete-me, como Bispo de Roma, permanecer aberto às sugestões tendentes a um exercício do meu ministério que o torne mais fiel ao significado que Jesus Cristo pretendeu dar-lhe e às necessidades actuais da evangelização. O Papa João Paulo II pediu que o ajudassem a encontrar «uma forma de exercício do primado que, sem renunciar de modo algum ao que é essencial da sua missão, se abra a uma situação nova». Pouco temos avançado neste sentido. (#32)
Esta mudança teria de passar por algo que assegure os líderes ortodoxos de que a sua autonomia não será posta em perigo com uma união com Roma. Um primeiro gesto neste sentido, mais até do que proceder a grandes reformas das funções do Papa, seria dar total autonomia às Igrejas Católicas de Rito Oriental.

Actualmente estas igrejas estão limitadas de uma maneira ridícula e anacrónica. Houve oportunidade para mudar isso depois do sínodo para os bispos do Médio Oriente, em 2010, mas foi desperdiçada. Por exemplo, os católicos orientais continuam oficialmente proibidos de ordenar homens casados nas diásporas “tradicionalmente” latinas e os seus patriarcas não têm autoridade directa sobre os seus fiéis a viver fora dos seus territórios tradicionais.

É evidente que os ortodoxos olham para os seus irmãos católicos orientais e vêem-nos limitados na sua acção pastoral e até evangélica. É isso que dá a união com Roma? Então bem podem esperar sentados, pensam.

Antes, precisamente sobre a questão da descentralização, o Papa já tinha escrito:

Penso, aliás, que não se deve esperar do magistério papal uma palavra definitiva ou completa sobre todas as questões que dizem respeito à Igreja e ao mundo. Não convém que o Papa substitua os episcopados locais no discernimento de todas as problemáticas que sobressaem nos seus territórios. Neste sentido, sinto a necessidade de proceder a uma salutar «descentralização». (#16)
Esta é uma velha discussão na Igreja. O Concílio pediu esta descentralização, mas desde então o Vaticano resistiu. Olhando para a qualidade de alguns dos bispos no mundo latino, não se pode se não compreender esta posição, mas por outro lado, o responsável essas nomeações é precisamente o Papa, por isso é uma pescadinha de rabo na boca.

Não vejo com maus olhos esta descentralização, mas ela deve ser acompanhada de uma reforma na nomeação de bispos. Precisamos de bispos mais evangélicos, mais pastorais, mais intelectuais. Bispos à imagem dos apóstolos no Pentecostes. Se os tivermos, então venha toda a descentralização que quiserem, que nada haverá a temer.

No meio disto teria de ficar assegurado, claro, o papel do Papa enquanto sucessor de Pedro com a responsabilidade de confirmar os seus irmãos na fé. Mas como digo sempre quando discuto esta questão, o Papa nem sempre teve o papel que tem agora. Este papel foi-se consolidando num contexto de separação com a esmagadora maioria das outras igrejas tradicionais e por isso não podemos esperar que eles aceitem algo com o qual nunca tiveram de conviver durante os mil anos em que a Igreja esteve unida.

Que o Espírito Santo inspire o Papa Francisco neste seu esforço de reforma do seu próprio cargo, que seja para o bem da própria Igreja.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Partilhar