quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Barrete para D. Manuel?

Holy Halloween...
A notícia já circulava, mas agora há confirmação oficial. Vai haver consistório no dia 22 de Fevereiro, com criação de novos cardeais. D. Manuel Clemente receberá o barrete já desta? Que tradição é que o Vaticano vai quebrar?

Amanhã é dia de Todos os Santos. Para quem tem dúvidas, o padre João Seabra explica.


Os americanos garantem que não espiaram o Vaticano… O Vaticano continua a não querer saber.

Há tempos falava-se da pobreza envergonhada… actualmente, ao que parece, a pobreza perdeu a vergonha.

Ontem recomendei a reportagem sobre São João de Brito, hoje publiquei no blogue a transcrição integral da entrevista feita ao reitor do santuário deste santo, na Índia. Leiam que vale a pena, o seu entusiasmo pelo santo português é entusiasmante.

The message Christ has given, John de Brito followed

Full transcript of the interview with Fr. Anthony Cyril, rector of the Shrine of St. John de Brito, in Oriyur, India. News feature, with video, here.

Transcrição integral da entrevista ao Pe. Anthony Cyril, reitor do Santuário de São João de Brito, em Oriyur, Índio. Reportagem, com vídeo, aqui.

Tell us a little about the shrine of Oriyur…
In Tamilnadu the São João de Britto Shrine is the oldest shrine, but since it is situated in a remote area, the attention is not given properly, so far. For the past three to four years we have been giving some attention, there is a lot of improvement, in terms of the pilgrimages and the restoration and renovation of the churches. Now the pilgrims come and say Father, the shrine is good now, it is clean now, there is a spiritual atmosphere. They donate what they have, these contributions are also increasing, sharing their resources.

Three hundred years ago St. John de Brito was beheaded here. People started coming and venerating him. Not only Catholics, but other religious groups, particularly Hindus and Muslims. Among the Christians there are also other sects, people come because they want to pay respects to the man who introduced Christ, they say they want to see their forefather and get blessings from him.

People have started coming, I am struggling to get the government to increase the facilities. The road is good now, a bank has come, some infrastructures have improved. The Tamilnadu government has given money for dormitories for the pilgrims, toilet facilities, water purification machine and the fourth is solar energy. Because of our tireless effort things are progressing and the spiritual atmosphere is improving.

The shrine is run by the Jesuits?
Yes, but it is under the diocese of Sivangagai, but we cooperate in the development.

How well known is Saint John in India?
It’s a pity, but many Indian Christians do not know John de Brito, but their forefathers, those who know, tell their grand-children about them. But I make an effort, I go to different parishes every week and I speak about him, and people then get to know him and come to the shrine. There are three very important saints in the Indian Catholic Church. One is St. Thomas, the other is St. Francis Xavier, and then there is St. John de Brito. Everybody knows the first two, but not so many know the third. But the consciousness is increasing.

This year, one of the purposes of my visit is that we are making a short film about John de Brito. It will start in Lisbon, his birth place, his baptism place, his house, where he studied in Coimbra, then his landing in Goa and his history in India. The CD will be distributed in Portugal as well. It will be a short film, later we might make a bigger one. We have an Indian cast, in Tamilnadu many villages already have plays about St. John de Brito, and they are ready to participate.

What would you highlight from St. John’s legacy in India?
He didn’t live a long time. He died at the age of 46. By then he had spent 20 years in India and had made a great impact on the Indian Catholic Church. In 20 years he converted 30 thousand people. At that time there were no facilities, no roads, buses, he went on foot. He went around all of Tamilnadu on foot, he crossed forests, rivers, he had a very tough time.

But he was so happy to serve the people, such an enthusiastic personality.

When you look at his life, at the beginning he was very sick, physically. His mother prayed to St. Francis Xavier, and he was saved. He travelled in the see for 11 months, many people died but he survived. Then in India he had bad facilities, but he had strong willpower, and, especially, he had a very strong faith in Christ.

During the last period of his life the king tortured him. He went to jail, then he was hung upside down in a well, then he was beaten up. All this he bore with happiness and joy. He almost reflected Christ. Even at the last moment, he blessed the man who came to behead him, telling him to do his duty with a smile on his face.

So that is a lesson we hope to learn, when we have suffering, we accept it with a joyful note. That is the message Christ has given, John de Brito followed. That is why he is alive in the shrine, with happiness, with Joy. That is why in Tamil he is called Arul Anandar, which means Grace with Joy.

People come to the shrine with problems, but they meet him and their problems are solved, because he was pouring abundant grace on the people who are suffering.

Are there many documented cases of miracles?
Yes, many, and they will be shown in the film as well.

What plans do you have for the future of the shrine?
We are establishing a missionary park, to mark the year of faith. In that park we have already finished one structure, a meditation hall, where 700 people can sit and meditate. Around it we are building a structure, where we are bringing many missionary figures. It is because of missionaries that the church has grown. For example, we have biblical missionaries. Moses, Abraham, the prophets. From the New Testament, John the Baptist, Mary Magdalene, Saint Peter, Saint Thomas, Saint Paul, all missionaries. IN the early Christian time Saint Ambrose. Then in the medieval time, Saint Francis of Assisi, Saint Ignatius, Saint Francis Xavier, Saint Anthony. Later St. Pio, Sister Theresa, St. John Paul II. They will all be in our missionary park. It is going to be faith formation for children and youth, a unique project of our shrine. I feel that when it is finished people will come to see our particular area; we are planning a 30 minute sound and light programme for the evening. People are really taken up by it.

The Cologne Archdiocese was supporting it and I think they will continue to support it.

I am going to introduce the shrine to the church in Goa, maybe after preparing more facilities for lodging. Soon it will be an international shrine, but it takes time, we have to struggle and suffer, as St. John de Brito struggled and suffered.

We have heard some troubling news from India in terms of religious freedom… what is the situation for Christians at the moment in general, and also in the area you live in?
In my place there is no problem. For example South India is safer than North India. It is a question of political gain, the politicians make use of religion to divide the people and make them fight. But among the people there is a peaceful coexistence, but they instigate. Now there are going to be elections and the Hindu fundamentalists are instigating the people. But in my place there is no violence, the number of Hindu fundamentalists is much smaller.

But the John de Brito shrine is a shrine of reconciliation; it is a shrine of interreligious atmosphere, a shrine of peace. For example during the festival all the people come and cooperate and work for the feast.

O santuário de Oriyur
Has Christianity been growing in your region?
Yes.

Some of the accusations against the Christians are that they try to convert people from lower castes…
They come on their own, they join on their own, it is growing, but they love Christ, they love the Church, they love the church activities, education, health care, social work. Christianity is growing in India, it’s not dying, its growing, stronger and stronger. The number of people participating in the church is high. In my parish in Chennai, there are 12 masses on Sunday and the church is always packed!

Were you born into a Christian family?
Yes. Maybe three or four generations. My forefathers were converted by John de Brito, then they went to Myanmar. My grandfather went there, my father was there and I was born in Myanmar and was there until the age of 10. Then I came back to India, then I joined the Jesuit order, and now I have a great chance to develop the John de Brito shrine, it’s a blessing for me. Nobody got this opportunity, but I did. It’s a blessing!

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Escutas no Vaticano e São João de Brito goes Bollywood!

Confirma-se existência de
escutas no Vaticano
O santuário de São João de Brito, em Oriyur, na Índia, vai produzir uma curta-metragem sobre a vida do santo português. Na reportagem vídeo podem ver mais sobre a vida do santo, o santuário e até a minha linda cara!

Os americanos também andaram a escutar o Vaticano? Uma revista italiana diz que sim, a Santa Sé diz que se está nas tintas

Esta manhã o Papa Francisco convidou a rezar pelo Iraque. Será que isso foi escutado em Washington?

O manuscrito da terceira parte do segredo de Fátima vai ser exposto publicamente na Basílica da Santísisma Trindade, a partir de final do mês de Novembro.

Passamos agora para o Médio Oriente onde no Líbano o chefe dos serviços secretos do Líbano afirma que está a ser negociada a libertação dos bispos sírios raptados em Abril. Leia para saber como eles se tornaram parte de um jogo muito complexo de interesses regionais.

Já no Cairo a polícia carregou sobre estudantes da universidade islâmica de Al-Azhar e, da Arábia Saudita vem uma “fatwa” a proibir as viagens para Marte.

Hoje é dia de novo artigo do The Catholic Thing. Brad Miner analisa a diferença entre humildade e miserabilismo: “Sem qualquer desrespeito pelos trabalhadores franceses que fizeram o Renault de que o Papa gosta, mas tanto quanto sei de carros, os feitos pela Mercedes, a marca admirada por Bento XVI, são melhores”, considera.

Homo Faber

Brad Miner
O William E. Carroll escreveu recentemente numa destas colunas que uma das “marcas do pontificado do Papa Francisco tem sido a chamada de atenção para a pobreza no mundo”.

Penso que o Papa o está a fazer por duas razões: Os pobres, que sempre teremos connosco, precisam da nossa ajuda – nalguns casos, de forma urgente. Esta ajuda está no âmago da nossa própria salvação, como o Papa deixa bem claro na história dos bodes e das ovelhas: em qualquer pessoa a quem damos comida, abrigo ou amor, servimos Jesus. E ao rejeitar os necessitados, rejeitamos o Senhor.

Mas, como digo, há ainda outra razão.

Quando São Francisco rezava nas ruínas da Igreja de São Damião, Cristo disse-lhe: “Francesco, va ripara la mia chiesa”. Francisco, vai reparar a minha Igreja. O Papa Francisco ouviu um apelo semelhante e está a abandonar muita da pompa tradicional dos papas: Vivendo na casa de Santa Marta e escolhendo um Renault com 30 anos para passear pelo Vaticano, levando os especialistas a brincar, dizendo: “Eis um homem que acredita no poder da oração”.

Diz-se que o Papa tem inspeccionado os parques de estacionamento do Vaticano, à procura de carros de luxo pertencentes a clérigos e apelando aos padres para que usem modelos mais básicos, de preferência em segunda mão.

Só estive uma vez no Vaticano, e foi das experiências mais fascinantes da minha vida. Mas existe muita opulência. Vêem-se cardeais a ir e a vir e a expressão “príncipes da Igreja” parece apropriada. Consigo entender porque é que algumas pessoas considerariam a beleza e o cerimonial extravagantes do Vaticano contraditórios com a “opção preferencial pelos pobres”.

Jesus não tinha posses. Nunca procurou riqueza. Na verdade, Ele viveu a vida mais simples, menos materialista que possamos imaginar, e alertou-nos para não “acumular tesouros na Terra”.

Não era esta a vida seguida por São Francisco e reconhecida pelo Papa Innocêncio III como essencial para reacender a verdadeira espiritualidade cristã?

Tudo isto deve recordar-nos, como diz o Prof. Carroll, do que “devia ser uma atitude saudável e espiritual para com as posses materiais”. Ainda assim, os esforços do Papa para chamar atenção para os pobres não devem reduzir-se a mera “acção social”, como se a busca do bem-estar dos outros possa preencher os requisitos da missão cristã sem um fundamento na fé propriamente dita.

Penso que há ainda outra questão a sublinhar.

O Prof. Carroll diz que a Igreja “sempre ensinou que o mundo material é bom” e é importante irmos ao fundo das implicações deste ensinamento que, no meu entender, é este: A criatividade, o esforço e a produção não devem ser restringidos pelas concepções materialistas ou anti-materialistas do Cristianismo. Homo faber, o homem criador, é feito à imagem de Deus, ao contrário de qualquer outra das criaturas. As pessoas devem trabalhar para viver e algumas pessoas elevarão o trabalho a um tipo de sacramento.

Há algum tempo escrevi um conto sobre arqueologistas a trabalhar na Galileia que encontravam a casa e a carpintaria de José, Maria e Jesus. Lá, encontram uma simples cadeira de oliveira, enterrada há dois mil anos e preservada miraculosamente. Submetem-na a testes sofisticados e concluem que a cadeira é proporcionalmente “perfeita”. Um analista israelita afirma: “Penso que só Deus poderia ter feito esta cadeira”.
A obra prima de Cecilia Giménez
Jesus deve ter feito muitos objectos. Por ventura imaginamos que algum desses objectos tenha sido devolvido por clientes insatisfeitos? “Esta cadeira é desconfortável”, ou “a nossa mesa abana”. Imaginamos que ele não tenha sido pago pelo trabalho?

Sem qualquer desrespeito pelos trabalhadores franceses que fizeram o Renault de que o Papa gosta, mas tanto quanto sei de carros, os feitos pela Mercedes, a marca admirada por Bento XVI, são melhores. (Actualmente existem uns quantos modelos de Mercedes nas garagens do Vaticano).

Júlio II podia ter escolhido de entre centenas de artistas, e qualquer um teria feito um trabalho aceitável no tecto da capela Sistina, mas ele insistiu em contratar o Michelangelo. O fresco “Ecce Homo” (1930) em Zaragoza, pintado pelo artista Garcia Martínez, pode não ser equivalente ao trabalho de Michelangelo, mas o trabalho de “restauro” pela “artista” octogenária Cecilia Giménez por sua própria iniciativa, não deixa de ser uma profanação.

Esta é a realidade da criatividade humana: transcendente, grande, boa, aceitável, má, péssima. Qualquer sugestão, mesmo deixando de lado os extremos, de que o grande e o mau devem ser valorizados de igual forma não faz qualquer sentido. O trabalho de um grande artista vale mais do que a de um mau, e é assim que deve ser. Ninguém quer sentar-se em cadeiras desconfortáveis ou mesas que abanam. A beleza, a funcionalidade e a durabilidade têm um preço.

É verdade que a boa arte não cessou de existir até na União Soviética – o “realismo socialista” também exigia técnica – apesar de os artistas serem restringidos quanto a matéria e estilo. Mas em todo o espaço abrangido pelo Pacto de Varsóvia a inovação industrial e comercial, que é tanto uma expressão de criatividade como as belas artes, foi basicamente depreciado. Luigi Barzini visitou uma fábrica de tractores num dos países do bloco soviético, onde um dos comissários da indústria lhe mostrou, orgulhoso, filas de produto acabado. Barzini, que tinha visitado fábricas americanas, reconheceu o que a empresa era de verdade: um museu de tractores.

Frequentemente, por detrás destes apelos à “justiça económica” existe um erro de fundo: a ilusão da igualdade, frequentemente acompanhados da supressão da criatividade. Claro que todos somos iguais à luz do amor de Deus e dos direitos que dele emanam. Mas um Renault não é um Merceds, tal como o trabalho da Cecilia Giménez não é comparável com a do Michelangelo.

Não pretendo julgar o seu pontificado, mas diria que o facto de o Papa ter escolhido um Renault tem um lado positive e outro negativo. Enquanto um mero apelo à simplicidade, traz uma lição importante, desde que não o confundamos com um incentivo a pensar que aquilo que é materialmente pior é espiritualmente superior.


(Publicado pela primeira vez na Segunda-feira, 21 de Outubro 2013 em The Catholic Thing)

Brad Miner é editor chefe de The Catholic Thing, investigador senior da Faith & Reason Institute e faz parte da administração da Ajuda à Igreja que Sofre, nos Estados Unidos. É autor de seis livros e antigo editor literário do National Review.

© 2013 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte:info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Papa atracção turística

"Aproveitem para ver a Capela Sistina, também"
A Igreja da Conceição Velha, em Lisboa, vai ser restaurada. A intervenção, a cargo da Santa Casa da Misericórdia, custará um milhão de euros. Santana Lopes defende o investimento.

Um movimento pelos direitos dos animais, na Bélgica, fez um anúncio contra a matança ritual de animais que evoca o ambiente do Holocausto… no comments.

O passado fim-de-semana foi de peregrinação das famílias a Roma. O Papa falou do casamento, que é “mais que uma linda cerimónia”, e recordou a importância da oração comunitária.

A propósito, na semana passada falei de uma entrevista ao casal Cortez Lobão, mas enganei-me no link. Fica aqui a correcção.

O turismo em Roma aumentou 7% no último ano. Mais um efeito do “fenómeno Francisco”!

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

A Graça da Vergonha

Tem graça...
O Papa Francisco ordenou ontem dois bispos. Foi a primeira ordenação episcopal de Francisco desde que foi eleito.

Esta manhã o Papa falou novamente sobre a confissão e sobre a “graça” de sentir “vergonha diante de Deus”.

Este fim-de-semana realiza-se a peregrinação das famílias a Roma. Afamília Cortez Lobão, com os seus oito filhos, fala da alegria de ter umafamília numerosa.

A propósito da pastoral da Família, a jornalista Ângela Roque falou com D. Antonino Dias. Ele diz que a cultura actual abandonou a família e critica os ataques à mesma, incluindo os que derivam de cortes de ordenados e de pensões.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Quanto vale a sua banheira?

Olá, olá...
O “bispo despesista” de Limburg, que só por acaso é cara chapada do Herr Flick, do Allô Allô, vai de “licença” durante uns tempos. Não sabemos se leva a sua banheira de 15 mil euros com ele ou não.


Os bispos estão muito preocupados com a situação em Moçambique, país onde, arrisco dizer, não existem banheiras de 15 mil euros.

O Bispo emérito de Bragança, que sofreu um AVC, vai ser internado na Prelada para fazer fisioterapia.

E o Patriarca melquita da Síria diz que os cristãos podem ser mortos ou sequestrados “a qualquer momento”. Não há banheira que os valha…

Hoje é dia de artigo do The Catholic Thing. Pense nisto: “Tem uma arma apontada à cabeça da mulher ou criança judia. Se não disparar, será executado. O que quero saber, muito concretamente, é o que é que espera que seria a sua decisão? Que tipo de pessoa quere ser?

Quem Queres Ser?

Randall Smith
Estávamos a discutir o extraordinário livro de Christopher Browning “Ordinary Men: Reserve Police Battalion 101 and the Final Solution in Poland”, no qual descreve as circunstâncias à volta do massacre de quase 2000 mulheres e crianças judaicas no dia 13 de Julho de 1942, na pequena aldeia de Józefów, na Polónia.

Em lágrimas, o comandante do batalhão, Major Wilhelm Trapp, explicou aos seus homens a “tarefa desagradável” que lhes tinha sido confiada. Cada mulher e criança da aldeia seria levada para a floresta e forçada a deitar-se de barriga para baixo na terra. Colocando as baionetas entre as omoplatas, os soldados deviam dar-lhes um tiro na nuca. Adolescentes, avós, crianças com seis meses: todos deviam ser mortos até à aldeia estar vazia.

Terminada a explicação da tarefa, Trapp fez uma oferta extraordinária: se algum dos homens de entre eles não tivesse vontade de participar, podia retirar-se. Dos cerca de 500 homens no batalhão, apenas 12 o fizeram.

Todos os semestres discuto com os meus alunos porque é que tão poucos aceitaram a proposta, recusando-se a tomar parte na matança. Há uma série de razões, cada um dos quais está detalhado no excelente livro do Prof. Browning. Alguns dos homens que participaram no massacre afirmam que não tiveram tempo para pensar devidamente no assunto; outros dizem que “os tempos e o lugar eram outros” e que “naquela altura as circunstâncias eram diferentes”. Outros ainda disseram que não queriam “parecer fracos” diante dos outros, como se matar mulheres e crianças inocentes fosse algo que os fizesse parecer fortes.

A maioria das razões dadas por estes homens para não se terem recusado a tomar parte no massacre parecem-me, basicamente, treta, excepto uma: alguns dos homens disseram que tinham medo do que lhes poderia acontecer caso recusassem as ordens: “E se alguém nos apontar uma arma à cabeça e disser que nos mata se não matarmos os prisioneiros? Com a arma encostada à cabeça, sob pena de ser executado, temos culpa se matarmos o preso? Temos o dever de preservar a nossa vida, não? Se sim, seria ‘imoral’ matar o preso para preservar a nossa própria vida?”

Com estas perguntas os meus alunos revelam ser jovens adultos intelectualmente desenvolvidos. Porém, isto revela também alguns dos perigos para as suas vidas morais que derivam de lhes ensinar a ética da forma como costuma ser ensinada. Um professor meu referiu, certa vez, que os livros que são mais frequentemente roubados de bibliotecas são de ética, o que comprova algo de que ele sempre tinha suspeitado: que os cursos de ética não costumam tornar as pessoas melhores e mais virtuosas, pelo contrário, tendem a torná-las piores. Um bocadinho de conhecimento pode ser uma coisa muito perigosa.


Não quero ser mal-entendido. Não estou a criticar todos os cursos de ética ou de teologia moral. Seria estranho, uma vez que lecciono um desses cursos todos os semestres. Não, o que me preocupa é a forma como a ética costuma ser ensinada. Há uma série de assuntos importantes envolvidos em todos os dilemas morais que os meus alunos propuseram.

Cemitério judaico de Józefów
Na teologia moral clássica há distinções muito bem definidas entre níveis de culpabilidade, dependendo no grau de voluntariedade ou involuntariedade do acto. Determinar correctamente a culpabilidade de um agente é crucial, por exemplo, num tribunal por parte de um juiz ou de um júri.

Nas gerações anteriores essa consideração desempenhava um papel importante no confessionário. Se me obrigarem a fazer algo contra a minha vontade, cometi um pecado? Talvez até um pecado mortal? Se for escravo num galeão muçulmano, por exemplo, (para citar um famoso caso histórico), devo recusar-me a remar para os meus supervisores muçulmanos se isso implicar a minha execução? Nestas circunstâncias o que é que constitui cooperação “formal” com o mal, que em certos casos é permissível? Todas estas questões são interessantes e importantes, em certos contextos e por razões particulares.

Mas neste caso eu prefiro colocar a pergunta aos meus alunos do seguinte modo: Tu és o homem ou a mulher que tem uma arma apontada à cabeça da mulher ou criança judia. Temes que, se não disparares, serás executado. O que é que esperas que seria a tua decisão? Por enquanto não me interessa saber o que pensas que seria a solução “moralmente correcta”. Nem quero avaliar a culpabilidade de outra pessoa envolvida na situação. O que quero saber, muito concretamente, é o que é que esperas que seria a tua decisão? Que tipo de pessoa queres ser? As nossas decisões formam-nos.

Invariavelmente os meus alunos respondem: Espero que seria a pessoa com a coragem para não disparar, mesmo que isso me custasse a vida. E aí têm a resposta.

Podemos falar de “moral” e de “ética” como se fossem uma série de regras abstractas que nada tivessem a ver com o nosso carácter ou com a nossa formação enquanto pessoas completas e íntegras. Quando compreendemos a ética desta forma errada damos por nós a dizer parvoíces como: “Eu sei que não é moralmente correcto, mas ainda assim acho que é a decisão certa”, ou: “Pode não ser a decisão mais moral, mas é a melhor decisão” – como se o acto “moral” estivesse numa categoria totalmente diferente do que é “bom”.

São Tomás de Aquino pedir-nos-ia para considerar que categoria de virtude é relevante nesta situação. No caso referido, a virtude relevante é a coragem. Então perguntamos o que faria uma pessoa corajosa. E ao escolher correctamente, tornamo-nos aquilo que escolhemos.


Randall Smith é professor de teologia na Universidade de St. Thomas, Houston.

(Publicado pela primeira vez na Quinta-feira, 17 de Outubro 2013 em The Catholic Thing)

© 2013 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Caneta da paz.catholic

Clicar para aumentar
O Papa recebeu esta manhã o Presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas. Francisco ofereceu uma caneta a Abbas, que disse querer assinar com ela um tratado de paz com Israel. Oxalá!

África já não é um destino de missionários, mas sim um ponto de partida. É sobre isso que se discute hoje e amanhã num colóquio no Porto. Helena Vilaça explica tudo aqui.

Esta “entrevista” que fiz à Helena Vilaça ia ser uma coisa tão curta que nem ia publicar a transcrição. Mas em apenas 10 minutos ela disse coisas tão interessantes sobre esta realidade que não resisti. Leiam, que vale bem a pena.



Hoje é dia internacional para a erradicação da pobreza. Neste dia os sem-abrigo de Lisboa vão receber mapas de serviços de apoio e na Basílica dos Mártires celebra-se missa por intenção das 94 pessoas que morreram absolutamente sozinhas ao longo deste ano.

Os paulistas fazem 70 anos amanhã. Há descontos nas livrarias e um prémio literário


Termino com um desafio. Jantar de angariação de fundos organizado pelo movimento Comunhão e Libertação, amanhã em Lisboa. Inclui noite de fados e conferência de Aura Miguel. A informação está na imagem.

“Problema do Cristianismo europeu é ter perdido a transcendência”

Transcrição integral da entrevista com Helena Vilaça sobre o colóquio “Da Evangelização de África à África Evangelizadora – Mediações Evangelizadoras em África e a Partir de África”. Notícia aqui.

Qual o objectivo do colóquio?
É reflectir sobre as diferentes modalidades da evangelização em África, desde os seus frágeis inícios até ao forte incremento verificado a partir do século XIX e deste até à actualidade pós-colonial, e globalizada, e tentar perceber a respectiva interacção com outros domínios da realidade africana.

Nós sabemos que desde os primeiros contactos que a presença europeia em África se fez acompanhar por campanhas missionárias assegurada num primeiro momento pelas ordens e congregações religiosas católicas, e essa acção missionária vai lentamente obtendo resultados que se traduzem de uma forma mais estável e institucionalizada nas dioceses que vão sendo criadas e instaladas. Isso é um indicador importante.

Este congresso tem um registo que é bastante histórico, até porque o que se tenciona é evidenciar o conjunto de produções e de pesquisas realizadas a partir dos arquivos missionários e será também um ponto de partida para ir à descoberta de arquivos que não foram ainda explorados e estabelecer, por exemplo, um protocolo entre as congregações religiosas e a academia, e a universidade. E quando digo a universidade não estou a pensar unicamente nos investigadores portugueses, o Brasil está a manifestar um grande interesse por este congresso e por toda a documentação que existe nesta área das missões.

Mas também, ao mesmo tempo, queremos perceber as transformações mais recentes que se estão a operar em África. Ao entrar no século XX apenas 10% de África era cristã, hoje podemos dizer que cerca de metade de África é cristã. Esse sucesso de expansão, curiosamente, resultou de muitos africanos convertidos se terem transformado em missionários.

O cristianismo é uma religião muito plástica, no sentido em que se adapta às culturas, o que não significa abdicar da ortodoxia do ponto de vista doutrinário, às vezes sim, mas grande parte das vezes não, mas do ponto de vista cultural e formal o Cristianismo é profundamente plástico e curiosamente um dos factores que contribuiu para isto foi a primeira guerra mundial e o retorno de muitos missionários à Europa durante esse período. Isso fez com que o Cristianismo africano crescesse e mais recentemente a forte expansão pentecostal e neopentecostal que se foi sentindo desde finais do século XX. Já desde o século XIX que a par das missões católicas, as mais antigas, houve trabalho missionário protestante.

Outro aspecto contemporâneo é que a missão europeia em África hoje encontrou novas estratégias, que reflectem o que a Europa e o Ocidente são. Estão menos centradas na evangelização do ponto de vista de anunciar a mensagem e mais em obras sociais enquadrando isso em ONGs. Muitos dos leigos que vão para África fazem um trabalho social, menos preocupados com a missionação. O que é interessante é que o que está a vir de África para cá é um espírito profundamente evangelizador. Muitos cristãos que vêm para a Europa, sejam católicos ou evangélicos, sentem que têm a obrigação de actuar num meio que está descristianizado.

Isto pode sentir-se no mundo católico, por exemplo nos movimentos carismáticos, mas também na presença de padres que têm vindo para cá e o seu trabalho em paróquias normais. Ao mesmo tempo temos as igrejas africanas, de língua portuguesa ou de língua inglesa, a Nigéria tem uma grande igreja evangélica, pentecostal, em Londres. Eles sentem a necessidade de contribuir para esta Europa que está secularizada.
Arcebispo John Sentamu, à esquerda,
número 2 da Igreja Anglicana

O Papa Francisco falou no perigo de se confundir a Igreja com uma ONG, precisamente. Essa nova dimensão da missão cristã ocidental enfraquece a mensagem?
Sem dúvida. No fundo esse tipo de estratégia reflecte aquilo que as próprias igrejas fizeram na Europa. Grande parte das igrejas na Europa, incluindo a católica, abdicaram de uma certa intervenção na esfera pública, no sentido de anunciar a mensagem claramente, cingindo-se ao trabalho social, que é fundamental, sem dúvida, mas em muitos sítios o discurso foi muito imanente. Um dos problemas do Cristianismo europeu é ter perdido a transcendência, ou ter abdicado de anunciar uma mensagem que tem a ver com a transcendência.

Sabe-se que na Igreja Católica há muitos padres e missionários que estão agora a vir para a Europa, invertendo a lógica missionária. Aplica-se o mesmo noutras confissões cristãs?
Sim, isso começa a notar-se. Entra-se em igrejas protestantes, e falo de protestantes históricos, ligados à reforma, ou a Igreja anglicana, e nota-se que se estão a tornar pluriétnicas e isso tem contribuído em muito para a vitalidade de algumas igrejas que até estavam bastante amorfas, e por outro lado até temos as igrejas evangélicas, dentro do protestantismo evangélico, as chamadas igrejas livres, que crescem por todos os lados, e que têm uma componente étnica, mas também de missionação dos portugueses, que é um trabalho que não é feito pelos portugueses, porque os europeus cristãos conformaram-se com a ideia de que a religião tinha de ficar apenas na esfera privada, e esse discurso continua, mesmo que Bento XVI tenha chamado a atenção para a nova evangelização.

Qual é a estratégia da nova evangelização? Vê-se pouco, em termos práticos. A Igreja em Portugal tem feito um trabalho com algum sucesso junto das elites culturais, por exemplo a questão do Pátio dos Gentios, mas ainda não percebi, tanto quanto tenho pesquisado, qual é a agenda de uma evangelização para as pessoas comuns.

Enterros violentos e Chesterton

Pensei meter foto do Priebke, mas não...
Uma Igreja fechada no passado trai a sua identidade apostólica, disse hoje o Papa Francisco, na audiência geral das quartas-feiras, em que explicou o que significa a palavra “apostólica”, para definir a Igreja.

De resto, numa mensagem ao líder da FAO, o Papa lamentou novamente o “escândalo” da fome.

Faz hoje 35 anos que foi eleito outro Papa, João Paulo II. O Cardeal Saraiva Martins comenta o que foi viver conviver de perto com um santo.

Em Itália o enterro de um oficial nazi acabou em pancadaria. A diocese de Roma tinha-se recusado a celebrar um enterro público com missa, por isso o advogado de Erich Priebke aceitou a oferta dos tradicionalistas da FSSPX.

Como já tínhamos visto antes, foi aberto o processo de beatificação de G.K. Chesterton. Na altura comentei que algumas das suas palavras sobre os judeus poderiam ser um obstáculo. A polémica já começou e no artigo desta semana do The Catholic Thing o jornalista inglês Michael Coren, ele próprio judeu, defende a reputação do homem que o ajudou a descobrir o Catolicismo. Não deixem de ler!

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Chesterton: Santo? Talvez; Anti-Semita? Não

Michael Coren
Estou habituado a que me discutam, até que me ofendam, no Twitter e no Facebook. É o preço a pagar por ser jornalista. Se os comentários negativos no final dos meus artigos de opinião me influenciassem, há muito que tinha abandonado a profissão. Claro que os comentários positivos são todos inteiramente certeiros! O mês passado a discussão não foi sobre qualquer artigo recente ou sobre uma participação televisiva, mas sim sobre umas linhas de um livro escrito em 1988: “Gilbert: The Man Who Was G.K. Chesterton”.

Porquê o renovado interesse? Na altura eu defendi Chesterton de acusações de anti-semitismo e citei a biblioteca Wiener, de Londres, uma instituição dedicada ao estudo do Holocausto e do anti-semitismo, que explica que Chesterton, “não era um inimigo. Quando chegou a altura da verdadeira prova, ele mostrou de que lado estava”.

Claro que o timing é tudo; recentemente foi anunciado que o autor dos contos do Father Brown, “Ortodoxia”, “O Homem que era Quinta-feira”, as biografias de Aquino, Dickens e um sem número de outros livros e artigos de opinião está a ser considerado para beatificação.

Logo que isto se tornou público eu escrevi que a antiga acusação de anti-semitismo iria ser ressuscitada. Antes me tivesse enganado. Passado muito pouco tempo o influente e respeitado Jewish Chronicle, um semanário do Reino Unido, publicou um artigo intitulado: “Pode o inimigo dos judeus G.K. Chesterton ser um santo?

Penso que a formulação da pergunta revela a resposta. Segundo o autor Geoffrey Alderman: “Nunca deixa de me espantar o ponto a que algumas pessoas irão para desculpar ou minimizar expressões claras de anti-semitismo veiculadas por figuras públicas, no presente ou no passado... Chesterton era um romancista, jornalista e crítico literário de grande sucesso que se converteu ao Catolicismo. Roma gosta de retribuir os convertidos, talvez na esperança de seduzir outros a segui-los... Mas há um problema: Chesterton tinha uma aversão bem pública aos judeus e ao Judaísmo.”

Depois saca das citações e referências do costume, retiradas do seu enorme acervo literário, para provar que o homem odiava judeus.

Eu e o Alderman temos pelo menos duas coisas em comum. Ambos escrevemos sobre Chesterton, e ambos somos judeus. Eu tornei-me católico em 1985 mas, para um verdadeiro anti-semita, continuo a ser judeu. Se têm dúvidas deviam ler algumas das ofensas de que falei acima.

Todavia, enquanto judeu, tenho uma enorme dívida de gratidão para com Chesterton que, de tantas formas, me conduziu à Igreja. Isto não será grande consolo para o Sr. Alderman, mas é assim. Para uma pessoa que lutou contra o anti-semitismo toda a sua vida – como jovem reguila nas ruas de Londres e como adulto igualmente indisciplinado através da escrita – sinto-me bem qualificado a este respeito.

G.K. Chesterton
Sim, Chesterton fez alguns comentários feios, e tolos, em especial depois da morte do seu irmão Cecil, que provavelmente era um verdadeiro anti-semita. Cecil tinha lançado uma campanha contra um grupo de políticos, alguns dos quais judeus, mas morreu prematuramente em 1918. Gilbert, que tinha um fascínio pelo seu irmão, que era muito menos talentoso que ele, permitiu que a sua tristeza se transformasse em revolta contra os inimigos de Cecil.

Legou ao mundo uns versos fátuos sobre os judeus no seu romance “The Flying Inn”; mostrou-se pouco sensível nas suas palavras sobre os judeus em Inglaterra medieval; enganou-se e mostrou-se incaracteristicamente banal a respeito do julgamento Dreyfus e, nos seus piores momentos, deixou-se levar pelo mesmo caminho sujo com o seu irmão Cecil e o barulhento, mas não genuinamente anti-semita, Hillaire Belloc.

Mas devemos perguntar se um verdadeiro inimigo dos judeus poderia escrever: “O mundo deve Deus aos judeus”, ou que: “Darei a vida em defesa do último judeu na Europa”? Devemos questionar como é que ele conseguiu formar amizades tão próximas e íntimas com judeus durante toda a sua vida, pessoas que não teriam tolerado a proximidade de um anti-semita por um momento e que o disseram mesmo na altura e depois da morte de Chesterton.

Condenou o anti-semitismo, defendeu o sionismo, foi elogiado por líderes judaicos e, tão cedo como 1934, quando muitos intelectuais e políticos se mostravam ambivalentes, apelou à salvação em massa dos judeus da Alemanha Nazi. Criticou repetidamente, e publicamente, o Nacional-socialismo anti-semita. Era um homem cristão, bom e querido, que devia ter tido mais cuidado com algumas das suas afirmações mas que passou a prova quando outros falharam.

“Do vale conseguimos ver coisas grandes”, escreveu, “mas das alturas apenas coisas pequenas”. Seria tragicamente míope julgar o homem olhando apenas do ponto mais baixo do vale. O melhor é deixar a última palavra ao rabino Stephen S. Wise, um dos mais influentes líderes do Judaísmo americano da primeira metade do século XX. “Quando Hitler chegou, ele foi dos primeiros a falar com toda a franqueza e frontalidade de um grande e ousado espírito”.

Santo? Quem sabe. Anti-semita? De todo.


Michael Coren é pivot de rádio e televisão, sedeado em Toronto, no Canadá. A sua coluna de opinião é publicada em vários jornais. É autor de treze livros, incluindo “Heresy” e “Why Catholics Are Right”.

(Publicado pela primeira vez na Quinta-feira, 10 de Outubro 2013 em The Catholic Thing)

© 2013 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Gazeta no dia de estreia...

Parolin? Parolin? Parolin?*
O Vaticano tem, a partir de hoje, um novo “Primeiro-ministro”. Pietro Parolin começou com o pé esquerdo, uma vez que uma “doença súbita” o impediu de assistir à sua própria tomada de posse.


Uma bomba numa mesquita sunita, no Iraque, fez pelo menos oito mortos, isto num dia que é de festa para os muçulmanos de todo o mundo, que celebram a “Festa do Sacrifício”, que recorda o dia em que Abraão se disponibilizou para matar o seu filho Isaac. Nota para os autores do atentado… Deus depois pediu a Abraão para NÃO matar o seu filho. Perceberam? NÃO MATAR.

Hoje publico no blog a terceira entrevista feita para a reportagem sobre a situação na Síria, quando estive no Michigan. Osama Siblani nasceu no Líbano e é dono do Arab American News. Ele considera que nem a maioria dos sunitas estão com a oposição e faz uma análise muito interessante do conflito.

*A imagem é só para malta dos anos 80...

“Not even the majority of the Sunnis are with the opposition”

Full transcript of interview with Osama Siblani, publisher of the Arab American News, on the situation in Syria. Story, in Portuguese, here.

Transcrição completa da entrevista a Osama Siblani, editor da Arab American News, sobre a situação na Síria. Reportagem aqui.

What is your view of what is going on in Syria?
The Syrian crisis has many layers. The thinnest layer, at the moment, is between the Syrians themselves. When the so-called revolution, or uprising started, in a city called Deraa (?) it was for reforms, democracy, but they were not asking for the overthrow of the Government.

Unfortunately mistakes from the Government’s side, and interference from outside powers which have their own regional agenda, have put their input into the uprising and immediately after that it started becoming militarized. Once it had been militarized the dynamic changed on the ground and it slowly became a conflict within Syria but with outside forces intervening all the time, more and more. This is the second layer, of the regional forces, with Iran, Hezbollah and Iraq on the side of the Regime and on the other side Turkey, Qatar and Saudi Arabia. Israel had a silent role.

This layer also became important in the game and the whole dynamic had changed.

The biggest and probably the most important one, which has been always present but has become more and more prominent, having become the thickest layer, is the international involvement, with Europe, USA, Saudia Arabia, Turkey, Qatar and Jordan on the side of the rebels and on the other side Russia and China.

So there are the three layers, the Syrians, the regional players and the international layer.

So at this time it is no longer about freedom, reforms, overthrowing the regime and installing another one. It is a struggle to determine the future of the World Order. The Russians want to change how to do business in the world order and to flex their muscles in the Eastern Mediterranean. So this is where we are right now.

I don’t think Arabs, Arab Americans or even Syrians at this time are able to reconcile their differences and stop this war.

What do you think of the possibility of USA intervening?
I am against intervention, for many reasons.

The USA is not the policeman of the World. I don’t think it should be.

The USA is in financial difficulties, Detroit filed bankruptcy and is the first of many cities to do the same, because the country is going through a financial crises. We have 16 trillion dollars in debts and 1.5 trillion in budget deficit. We are cutting right and left and we cannot afford to lose more money, more troops, more men and women, and kill other people and have a bad reputation, considering what we did in Iraq in 2003, when we went in under false premises. We fought an immoral and unjustified war. We destroyed Iraq, we left 10 years later with the country still in shambles, and disintegrated, with more killings every day.

We killed millions and drove our economy into the ground. It is not in America’s best interest to intervene in Syria. It is not in Syria’s interest for America to intervene. If America intervenes militarily, on which side should they fight? If they fight Assad’s regime they will find themselves in the company of Al Qaeda and Jabhat al-Nusra, which we claim to have been fighting over the last 13 years.

So we are in a peculiar position, America is no longer the only power in the world. The world is changing, and it is changing in Syria, by the conflict in Syria. The USA can no longer dictate policies around the world. It is still the most powerful country, but others are rising, including Russia and China.

You don’t believe the Syrians can reconcile their differences. So how can this war end?
Probably it won’t end in the near future, because as I said it consists of three layers. The weakest layer is at the national level. I don’t think that the Syrians and the Arab countries are willing or able at this time to come together to resolve the situation, because it is far more spread and the regional interests of non-Arab countries, such as Israel, Turkey and Iran are heavily involved.

So I believe that we have to start at the top. We need to start by having an American – Russian agreement, and this will be an umbrella for a regional agreement. They cannot force it on the regional players, because they also have an agenda, so they need to bring Saudi Arabia, Turkey, Iran and Israel into the mix and try to find a solution at the regional level, that the international umbrella will cover.

Once this is done I believe the local layer can be resolved as quickly as anybody can imagine. Because all the players are financed and supported by regional and international powers, so once the international and regional players come to the table with an agreement, then the Syrians themselves, even if it is not acceptable to them will have to accept it.

Of course it remains to be seen who will have the upper hand on the ground at the time. That local player will perhaps be the local winner of the war. So there are too many components, it is very complicated, it cannot be resolved immediately and there is a lot at stake economically with the gas supplies, the pipelines, supply to Europe, how this will affect the Russian’s gas supply to Europe, which is the lifeline of Russia. How this will affect the industrial revolution in China, which depends heavily, up to 70% on Middle Eastern oil, how is this going to affect Europe in the long run, and Israel and the United States? All this is shaping up at this time, and unfortunately the ones who are paying the bill here are the Syrian people.

Do you imagine a future for Assad in a post-war Syria?
It depends on who will have the upper hand on the ground. I believe that Assad has proven, so far, that he has a formidable machine on the ground. There were some defections but they were insignificant for his army, his diplomatic and governmental branches are still robust and functioning. In this last crisis he has shown that a leader can make a decision quickly and abide by it, whereas the opposition are disintegrated, they have no central command, they are not able to make decisions, their loyalties are divided among their sponsors and supporters.

At the end of the day, in politics there are no feelings, it depends on who can deliver on the ground. Bashar Assad has proven that he is the strongest player in Syria, and when you are the strongest player. And when you are the strongest player you are not eliminated. It does not make sense to win and have them say “now you have to leave, you won, you fought, you paid all these sacrifices and now you have to pack and leave”. It doesn’t make any sense.

Do you believe that Assad was responsible for the chemical attack?
No I don’t.

First of all, I don’t know. I am the publisher of a newspaper, I have connections, I have met with several congressional leaders, to find out what they have. I did not get any indication from the congressional leaders I met with in the past few weeks. Nobody gave me any evidence. They have no evidence that Bashar al-Assad’s troops did that. In fact, we are hearing more facts coming out, like not all the people gathering in the hospitals were the casualties of that particular attack.

So I believe it has not been proven. We do not know what happened, we don’t know what kind of chemical weapons were used [interview recorded before UN’S final findings], I wanted to wait for the UN to come out with their findings, and again there is a major problem with United States intelligence and British intelligence, because they have fooled and lied to people in 2003 and they lost credibility and even their own people don’t believe them anymore and the world does not believe them either. They went to war on false pretence, where are the weapons of mass destruction? We have no answers to all these lies. Colin Powell holding the chemical agents, and such things.

I don’t believe the regime would use chemical weapons, for a simple reason, just logic. I don’t have proof, but I know they were making progress on the ground, scoring victories and taking over villages. So why would someone who is making gains on the ground use chemical weapons in order to aggravate the situation and get the west to intervene?

Also, the Syrian regime had accepted a UN commission to enter Syria and investigate previous acts of chemical attacks and allegations. They had just arrived in Damascus, so who would strike with Chemical weapons while a UN committee is sitting in a hotel in Damascus? It doesn’t make sense.

Plus, the third reason, is because the regime has a very organised structure that prevents something like this from happening. On the other side there is a chaotic situation and the loyalties are divided all over the place, and there is a major player who was introduced recently, Bandar bin Sultan [member of Royal Hhouse of Saud], who holds the whole issue of the opposition from the Saudi side, and some reporters have indications that he has given the opposition some chemical weapons or agents.

These are all assumptions, I have no proof. I am only using  my own analysis to look at the situation, to see who would benefit from this, the one who is losing on the ground, the one who has been asking for an American intervention, knowing that Obama had drawn a red line [in the case of use of chemical weapons]. They were trying to provoke the USA and bring them into the battle field, and they almost won, we were on the brink of war.

But fortunately we had cool heads in Moscow, Putin proved himself to be more worthy of the Noble Peace Prize than Barack Obama, unfortunately. Now the military solution is taking a back seat, the diplomatic solution is now what everybody is talking about, and that makes me happy.

Siblani fala a um grupo de manifestantes pró-Assad
Within the community in America is there also a sectarian divide?
I do not believe that most of the Sunni in Syria supports the opposition, it just doesn’t make sense.

Maybe not all the Sunnis support the opposition, but most of the opposition are Sunni…
First of all lets look at who is fighting the regime. There is Al Qaeda, the Wahhabis and the Muslim Brotherhood, which are Sunni. And who is supporting them? Turkey, run by the Muslim Brotherhood and Saudi Arabia, which is Wahhabi. So if you look at it this way, then yes, the majority of the opposition are Sunni, but the majority of those fighting for the regime are also Sunni.

Now maybe the forces that are actually making progress on the ground are not Sunni. I don’t know, I don’t know if the Alawites have special divisions or not. But I know that there is the Baathist party, and that there are socialist movements in Syria that cross the sectarian line. I know that they have forces and militias on the ground and that they don’t have religious affiliation. The Baathist party crosses all lines.

Christians in Syria, in Egypt, they want the government, they want stability. Look at what happened in Egypt. Immediately after the instability 72 churches were burned in two days. This is what is happening in Syria too. So under the Assad regime or the Mubarak regime, before, and under the Sisi regime know, the situation is under control and the Christians are more comfortable with the situation. I am not saying they are against democracy, but nobody is really respecting the democratic process anyway.

Aleppo and Damascus are majority Sunni, and the rebels were not able to get into Aleppo in the beginning. When they did get in to Aleppo and started the process of destruction, most of the people wanted the regime to come back. I am not saying that the Sunnis in Syria are in love with the regime, but they are definitely not in favour the chaotic situation in the country. They want change, but they want evolution, not revolution, not destroy and then build, and kill, but to change slowly but surely towards a democratic regime.

It has been proven that democracy is not a pill you can take. It is a process and a culture that you have to grow. Nobody can send a missile with a warhead of democracy. So we have to be careful when we start to talk about Sunnis and Shias. Is this a perception? Yes it is. Are there Sunnis opposed to the rebels? Inside Syria and outside Syria, yes. Here in this community, yes. But are there Sunnis also with the opposition, yes.

The minorities always stand with the Government because they want protection and they do not want the majorities to take over and they have seen what they have done in other areas, especially in Egypt and Tunisia. They want to be protected by the regime. Bashar Al-Assad is Alawite, but his wife is Sunni. I really don’t think that the struggle there is Sunni – Shia. I think that it has many shapes. One of them is that the World Order has to be changed. There are other powers… They may not be as powerful as the US, but they are willing to challenge.

But the countries supporting the regime and the opposition, here there seems to be a clear sectarian line…
At the regional level the countries that are supporting the regime… for example, the Government in Egypt is now supporting the regime…

Because of the Muslim Brotherhood?
Because of the Muslim Brotherhood, but at the same time the blood between Qatar and Saudi Arabia is deeper than between them and Iran. Also what is happening between Turkey and the United Arab Emirates, there is a real struggle there. What is happening in Egypt has nothing to do with Sunni and Shia. Algeria, for example, is Sunni and is supporting the regime. They have interests that they have to take into consideration with the Saudis, but they voted against the strike against Syria, they voted against kicking Syria out of the Arab League.

So I do not want to draw these lines with a knife, but at the same time I do not want to blur them to the extent that I look silly. They exist, some people are trying to play this card and it is very obvious that the sectarian line and tension has been played for a long time. Some forces in the region wanted this to happen. I hope that what we have seen in Lebanon, that the majority of the Sunnis may be standing with the Saudis, with the March 14th, but also there are 30 to 40% of the sunnis who are not with the March 14th and the Saudis. So there is a blurred line. We have to see that this is a struggle, it is a war, and in a war you use all your weapons, including the sectarian and there is a ground that is fertile for the sectarian struggle, and it is being used.

I don’t think that there are many things in common between the shias of Lebanon, Iraq and Iran. You’ll find, if you look back in history, that it is not true. The Shia in the Arab world are more nationalist, they looked at Nasser, and at Khadafi at a younger age, and Arafat, they never were in the fold of the Shah of Iran, even though he was Shia.

The historical differences between Sunnis and Shias are 1400 years old, they are not something new. Why have they surfaced now? Because there are people who are playing with this, really feeling it and trying to use it for a different goal. So far they have failed and I hope they do fail, because this is a very dangerous thing to play with.

Nasser
You were born in Lebanon?
I was born in Lebanon and came to the USA in 1976.

And you are from a Shia family?
I don’t like to identify myself, because I don’t feel this way. I don’t even feel Lebanese. I have always been a pan-arabist. Look at this picture behind me? It is Nasser. He is more important to me than my father. I don’t have a picture of Hassan Nasrallah, for example [leader of Hezbollah], and I could if I wanted to. I have grown up with Nasser’s ideas that there is one Arab nation and that we have common causes, grounds and denominators. I don’t believe in sectarianism. I am a Muslim and I happen to be from the Shia family, but I don’t believe in any of this.

I don’t even believe in differences between Muslims and Christians. I believe what Imam Ali, son in law of the Prophet said, “A man is either your brother in religion or an equal to you in humanity”. So if you are not my brother in religion you are my equal as a human. I truly believe this. I truly believe that as humans we have more in common among us than differences. And religion and politics sometimes gets in the way.

Partilhar