quarta-feira, 28 de maio de 2014

A Beleza Salvará o Mundo, com ou sem consentimento

Mas seria?
A Beleza Salvará o Mundo? Solzhenitsyn acreditava que sim, e o pastor Pentecostal Brian Zahnd, autor de um livro com o mesmo nome. Em entrevista à Renascença, Zahnd fala das suas ideias e confessa que a tradição protestante foi longe de mais ao “despir” as igrejas e o culto de elementos de beleza. Podem ler a transcrição completa desta entrevista, no inglês original, no blogue. Aconselho vivamente!

O Papa Francisco reconheceu esta quarta-feira que a Igreja Católica também tem algumas culpas nas divisões que existem entre os cristãos, e pediu perdão por isso a Deus.

Ainda sobre a viagem do Papa à Terra Santa, não percam esta noite na antena da Renascença o debate semanal sobre religião, com Aura Miguel, D. Nuno Brás e Pedro Vaz Patto. É às 23h30 e estarão em análise, sobretudo, as declarações do Papa a bordo do avião.


A escravatura é errada? Penso que todos concordamos que sim. Mas porquê? Porque atenta contra a dignidade inerente aos homens escravizados? Ou porque os escraviza contra a sua vontade? A questão é importante. No artigo desta semana do The Catholic Thing Francis Beckwith explica as perigosas consequências de uma ética baseada apenas no conceito do consentimento.

Salvo em caso de notícias urgentes, não deverão receber mails meus até meados de Junho. Podem ir acompanhando novidades no Facebook e no Twitter.

“Protestants went too far in ridding themselves of beauty”

Full transcript of an interview with Pentecostal pastor Brian Zahnd, about his recent book “Beauty Will Save the World”. The article, in Portuguese, can beread here.

Transcrição integral da entrevista ao pastor Pentecostal Brian Zahnd, sobre o seu mais recente livro “A Beleza Salvará o Mundo”. Areportagem pode ser lida aqui.

What is this new book about?
It is called “Beauty will save the world”, the phrase comes from a Dostoyevsky novel, The Idiot. He has this phrase in there a couple of times, and it was Alexander Solzhenitsyn who said, well that's not just an enigma, it’s a kind of prophecy.
                                                                                                           
What I am doing is looking at the Christian faith through the lens of beauty. The ancient Greek philosophers talked about the true, the good and the beautiful. And Christianity has a long history of trying to defend itself by claiming that it is true or by claiming that it is good. So we talk about Christian apologetics or ethics. But I am saying let’s look at it a different way, because we live in a secular age that is very suspicious of any claim to absolute truth or a superior morality. What if we approach Christianity aesthetically? Looking at it through the lens of beauty? So that is what the book is about, and that is how I approach that. I do it in a lot of different ways, but that is the basic thesis and the idea.

There are many different forms of beauty: Poetic beauty, physical beauty… Are you speaking about a specific form of beauty?
Beauty is a strange word. We all use it, we kind of know it when we see it, or hear it, or we think so anyway. But it’s hard to define. If you look it up in the dictionary you go yeah, ok, but beauty has to be a lot more than that.

I think beauty is related to form. You mentioned poetry, that's the form of words, or a painting, the form of colour, sculpture the form of shape. There is something about the form that is intrinsic to the nature of beauty and so people say: "If you are going to talk about Christianity, what is the form of beauty?" And I think that is what we call the Cruciform, the Christ crucified form.

This is a very odd claim to make, because in its original intent, Crucifixion is a form of psychological terror used by the Romans to control an oppressed people, and it was intentionally designed to be hideous, repulsive, ugly, and yet, somehow, the Cross has been re-appropriated in the Christian faith to be something beautiful.

Can people who follow Jesus Christ posture themselves in the world in such a way that it replicates the Cruciform and is beautiful? In other words, Christianity has a long history of really trying to present itself with a clenched fist, or a furrowed brow, or a wagging finger, none of which is beautiful, it’s all ugly. And I'm suggesting that possibly our posture in the world, as those who would follow Jesus, should be one of arms outstretched, in offered embrace, and simply responding to whatever we perceive as a wrong against us with those beautiful words, "Father forgive them".

In one of the stories you relate we hear about the conversion of the Rus people by Prince Vladimir. Now, the Prince's emissaries were struck by the visual beauty of a celebration in Constantinople, which brings us to the idea of liturgy and its beauty. As a reformed Christian, a Pentecostal, what does this say to you about the Protestant tradition of having stripped away most of the visual beauty of churches and liturgy? Did it go too far?
That's very perceptive, and yes I think it has gone too far. I would be regarded as one of the voices in a new movement in America, among... I hesitate to call myself Protestant, but that's probably the only thing left to me. The reason I hesitate is because I don't feel like I'm protesting, but certainly I belong to that tradition. But there is a movement to reclaim liturgy and, specifically, beauty.

I have a lot of Catholic friends, and I have become close enough to our Catholic friends to know what they say behind our backs. And what they say is "my, their churches are so ugly!", and I have to say "Yeah, you're right".

We are trying to reclaim beauty in all sorts of ways, in liturgy, in our worship space, in how we sing, what we do... I think the Protestant church has gone too far, and in an effort to reform, also ridded itself of all manner of beauty, and that's why, when I'm in Europe I always make a point of visiting as many Cathedrals as I can, because I love the beauty.

You say when you're in Europe, so I presume you've been here before...
Many times. I've been to Portugal once before, and to Europe many times.

So being familiar with European Christianity, at least from these visits and you're friends and contacts here, do you feel that your ideas also make sense on this side of the Atlantic?
I think so, that's what I'm told. When I sit down to write I think it's inevitable that I am going to write primarily to an American audience, because that's probably who I'm talking to, but I'm told it resonates with Europeans as well.

I read very widely, many of my influences are European theologians, especially European Catholic Theologians, like Hans Urs Von Balthazar, Gerhard Lohfink, people like that.

Going back to your book on Forgiveness, how important is forgiveness in the life of a Christian?
I think it’s at the very centre, it’s not at the periphery, it’s absolutely at the centre, and that book would be another example of really writing for an American audience, but I may possibly gain a European hearing. I think most people are aware of the culture wars, in America, where different groups fighting for their rights within this democratic system that we have. I am thinking that that is not how we want to present the Gospel, it is not a fight for our rights, but a continual offer of forgiveness.

I'm saying that if Christianity isn't about Forgiveness, it’s about nothing at all, and yet I fear that at times it looks like it’s about moralism, about finger wagging, about keeping the rules, about how to behave yourself, and so those two books, "Unconditional" or "Radical Forgiveness", and "Beauty will save the world", they're both really saying the same thing. One looking at Christianity through the lens of forgiveness, the other looking at it through the lens of beauty, but it's the same thing. I'm using different metaphors, but it’s the same message.

Speaking of the culture wars, the way you put it, it almost seems like Christians have been on the offensive, wagging their fingers and being moralistic. Now, however we are seeing the opposite, Christians losing their jobs for expressing their opinion about things like traditional marriage... So when you say that Christians have to engage their adversaries with open arms, isn't there a risk that they will open their arms and get crushed? Because it seems like the secular culture has really gone on the offensive and is trying to push Christianity out of the public square.
I think the risk of, as you say, getting crushed, is always present. Jesus says take up your cross and follow me. And what is He doing with that cross? He's not going on a crusade, He's going to His own death, and we have to be willing to do the same thing.

A beleza do Cristianismo
In other words, Christianity is intelligible only if God raises Jesus from the dead. There are times when we simply must trust our fate to the God who raises the dead. And if resurrection is not possible, then Christianity is unwarranted and the only defence I can offer is that I believe in the God that raised Jesus from the dead, and that if we follow Him, the Father of Jesus will act on behalf of truth, beauty and goodness.

You mentioned the Cruciform, and you obviously don't only mean the Crucifix as an adornment. But speaking of the Crucifix, we have 2000 years, specifically in Orthodox and Catholic traditions, of embellishing the Crucifix and turning it into a beautiful object, some would say that the embellishment has whitewashed all the gore and hideousness of the crucifixion out. Is there also a place for that hideousness, as you called it?
I think so. I am coming from a Protestant background, where Crucifixes were absent. So I want to embrace the Crucifix more and more, as the posture of Christianity in the world. On the other hand, a Crucifix that is constantly adorned with gold, and gems and jewels, may also be missing the point: That Jesus died an ugly death, but what he did was a beautiful thing, and that it becomes beautiful in Resurrection. But it is possible for the Crucifix to then become the service of Empire, of interests of wealth, and begin to be symbolized that way, where everything is overlaid with gold and we begin to miss the point.

So it’s always this tension we are living in. On the one had the Cross is originally an ugly thing, it’s the torturous death of a Human Being, on the other hand it's where God is revealed in Christ as forgiving, so how do we express that artistically?

I think a lot of the medieval artists, in the Renaissance, did a good job, where they are depicting a violent death, on the other hand it is undeniably beautiful. And I think they are rendering a good service to us, in that in the midst of what truly was ugly, a violent death by torture, God was being revealed as beauty. As Hans Urs Von Balthazar, one of my favourite theologians says, being disguised under an ugly crucifixion and death, Christ upon the Cross is paradoxically the clearest revelation of who God is. So we are living in that tension of the paradox, its ugly but it’s beautiful.

Are you married?
Yes, and I have three children and three grandchildren.

What have you thought of Portugal?

I love it! We came a year ago, spent two weeks, went back home, had saudades and had to come back. We love Portugal!


Mero Consentimento e o Fim da Dignidade Humana

Francis J. Beckwith
O que é que torna a escravatura moralmente errada? Há duas décadas que coloco esta questão aos meus alunos de ética.

A questão não é saber se a escravatura é moralmente errada, concordamos quanto a isso. O que pergunto é qual é a característica da escravatura que justifica o nosso juízo de que é moralmente errada. É como a diferença entre perguntar se a Pietà de Miguel Ângelo é bela, e perguntar porque é que é bela. A segunda questão presume que a resposta à primeira é “sim”, pelo que a segunda pretende justificar o porquê desse “sim”.

A resposta que recebo de quase todos os meus alunos é de que “os escravos não consentiram”. Mas, como rapidamente se apercebem, essa resposta não é capaz de satisfazer as suas mais profundas intuições sobre o mal da escravatura. Normalmente pergunto: E se os historiadores descobrissem um grupo de ex-escravos, nos anos seguintes à Guerra Civil, saudosos da vida que levavam na plantação? Como é que reagiríamos perante uma revelação dessas?

Aceitaríamos que uma situação destas pudesse desembocar num caso de escravatura moralmente aceitável, em que os ex-escravos consentiam em regressar ao seu estado anterior, para se tornarem novamente, à luz da lei, nada mais que a propriedade de outro?

Se a sua resposta for afirmativa, então acredita que a escravatura é só condicionalmente errada, que não há nada de intrinsecamente errado na prática. Por isso, mesmo que continue a condenar a prática, o fundamento sobre o qual essa condenação assenta – a noção de consentimento – implica que não há nada na essência da natureza do Ser Humano que nos impeça de sermos propriedade de alguém.  

Por isso, Segundo esta análise, o mal da escravatura depende não de quem são as vítimas, mas antes, do que as vítimas querem. Sugere que a ausência de vontade, e não a presença de dignidade, é que está por detrás da nossa condenação da escravatura.

Porém, hoje muitos sugerem que no que toca a algumas das grandes questões morais do nosso tempo, a autonomia individual (ou “consentimento”) é o único princípio de que precisamos para assegurar todos os bens que até agora têm sido vistos sob o prisma de conceitos mais antigos, como a dignidade humana.

Por exemplo, o psicólogo de Harvard, Steven Pinker, escreve num ensaio recente no New Yorker, sob o título provocador de “A Estupidez da Dignidade”:

O problema é que “dignidade” é uma noção mole e subjectiva, incapaz de suportar as exigências morais que lhe são atribuídas. Ruth Macklin argumenta que a bioética tem-se aguentado lindamente só com o princípio da autonomia pessoal – a ideia de que, uma vez que todos os humanos têm a mesma capacidade mínima de sofrer, prosperar, raciocinar e escolher, nenhum humano tem o direito de impingir sobre a vida, corpo ou liberdade de outro. É por isso que o consentimento serve de base sólida para a investigação ética e impede claramente o tipo de abuso que levou ao nascimento da bioética, tal como as pseudo-experiências sádicas de Mengele na Alemanha Nazi (...). Quando se reconhece o princípio da autonomia, argumentou Macklin, a “dignidade” não acrescenta nada.

Embora haja muito a responder a Pinker, tal como fiz num artigo de 2010, publicado na revista “Ethics & Medicine”, bastará aqui utilizar o mesmo tipo de raciocínio que emprego com os meus alunos quando lhes pergunto sobre a escravatura.

Errado? Claro. Mas porquê?

E se, por exemplo, descobríssemos os diários de cidadãos alemães que se submeteram voluntariamente às experiências nazis a troco de somas avultadas de dinheiro para os seus familiares? O consentimento destas vítimas voluntárias tornaria aceitáveis as pseudo-experiências de Mengele?

Se a resposta for não, então só pode ser porque estas actividades são intrinsecamente más, e que a sua natureza não depende, por princípio, no consentimento de quem nelas participa, seja como vítima ou agressor. Logo, ao contrário do que afirma Pinker, a noção de dignidade não só acrescenta algo, como o mero consentimento subtrai tudo.

Claro que não estou a sugerir que o consentimento é irrelevante para a ética. É essencial, por exemplo, para averiguar a licitude de um casamento e o conceito de coacção injusta é uma realidade. Antes, o que eu argumento é que a vida moral não pode ser reduzida ao mero consentimento, como muitos dos nossos contemporâneos, como Pinker, defendem.

Como já vimos, quando aplicamos esta redução a atrocidades reais, a nossa atenção desvia-se daquilo que parecia verdade à primeira vista – a dignidade intrínseca da pessoa humana – para a alternativa que a mente moderna pensa que pode impor sem mais nem menos: a vontade condicional do indivíduo.

A implicação desta posição é clara: não existe qualquer bem para o qual o homem está ordenado e ao qual a nossa vontade deve conformar-se. O bem é meramente aquilo que preferimos e para o qual direccionamos a nossa vontade. Mas, nesse caso, não possuímos dignidade intrínseca, uma vez que essa seria sempre um bem, independentemente da nossa vontade, à qual as nossas preferências se deviam sujeitar.

De facto, a noção de mero consentimento implica o fim da dignidade humana.


(Publicado pela primeira vez na Sexta-feira, 23 de Maio de 2014 em The Catholic Thing)

Francis J. Beckwith é professor de Filosofia e Estudos Estado-Igreja na Universidade de Baylor. É autor de Politics for Christians: Statecraft as Soulcraft, e (juntamente com Robert P. George e Susan McWilliams), A Second Look at First Things: A Case for Conservative Politics, a festschrift in honor of Hadley Arkes.

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

terça-feira, 27 de maio de 2014

Apanhados papais e aldeias rebaptizadas

Como tinha avisado, o Papa falou ontem a bordo do avião, a caminho de Roma. Ficamos a saber que vai haver um encontro com vítimas de abusos sexuais, que o Papa tem pena que o debate sobre o sínodo da família se esteja a resumir à questão da comunhão de recasados. Também disse mais do mesmo sobre a questão da ordenação de homens casados.

Ainda em relação à peregrinação de Francisco à Terra Santa, aqui podem encontrar a minha leitura da viagem e os 10 pontos mais importantes a reter. Um bom ponto de partida para quem não conseguiu acompanhar de perto.

A sudanesa que foi condenada à morte por alegada apostasia e adultério já deu à luz e tem agora dois anos para amamentar o bebé antes de ser executada

Menos sorte ainda teve uma paquistanesa que foi morta pela família à frente do edifício do supremo tribunal, tudo por ter casado com o homem por quem estava apaixonada.

Os bispos da União Europeia manifestaram-se preocupados com os votos em partidos nacionalistas nas eleições para o Parlamento Europeu.

E os habitantes da aldeia espanhola de “Castrillo Matajudíos” decidiram por maioria… mudar o nome da localidade.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Beijinhos e abraços na Terra Santa

(Clicar para aumentar)
O Papa Francisco está neste momento a despedir-se da Terra Santa, onde passou os últimos três dias. Está por publicar um artigo com 10 dos pontos altos desta viagem, que divulgarei amanhã, mas desta peregrinação destaco os seguintes:


O discurso do Rei Abdullah, da Jordânia, que chamou ao Papa “Consciência do mundo”.

O encontro ecuménico entre Francisco e o Patriarca de Constantinopla.

E por fim o momento esta manhã em que o Papa beijou as mãos a seis sobreviventes do Holocausto.

Leiam também a crónica de Aura Miguel sobre a viagem para a Jordânia, em que o Papa falou de Fátima.

A viagem termina, mas o Papa vai falar com os jornalistas a bordo do avião, de regresso a Roma, pelo que haverá certamente novidades ainda, já sabem que as poderão encontrar na Renascença.

Na próxima quinta-feira realiza-se um colóquio em Lisboa que não vai querer perder. Trata-se do primeiro evento do género dedicado a Chesterton (pelo menos de que eu tenha conhecimento…). Supostamente eu vou moderar uma das conferências, mas acabei de ser informado pelo obstetra da minha mulher que na quinta-feira os planos poderão ser outros, por isso não posso garantir a minha presença. Mas a não ser que estejam a ter filhos também, espero que consigam ir ao Auditório 2 da Universidade Católica a partir das 16h para ouvir João César das Neves, Tiago Cavaco, Pedro Picoito, Miguel Morgado e Zita Seabra, entre outros, a falar desta figura ímpar.

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Adeus ao "Advogado do Homem"

Clicar para aumentar
O país despediu-se esta quarta-feira de D. Eurico Dias Nogueira. D. Jorge Ortiga recorda-o como o “advogado do homem” e em Angola também se sentem saudades deste prelado.


O Vaticano está preocupado com o aumento do tráfico de pessoas no Brasil por ocasião do Mundial 2014.

O Boko Haram voltou a fazer das suas… e o Papa, a dias de viajar para a Terra Santa, pediu ao mundo para ajudar as vítimas das cheias na Sérvia e Balcãs.

Hoje é dia de artigo do The Catholic Thing. Brad Miner analisa o livro de Robert R. Reilly “Making Gay Okay”, que documenta a aceitação social da homossexualidade nos Estados Unidos. Aqui têm um pequeno “teaser”.


Por fim, um convite para o lançamento do livro “1/3 Oração Jovem”. É já amanhã (ver imagem) e a apresentação está a cargo do meu amigo Manuel Fúria, por isso deve valer bem a pena!

Amanhã e sexta estou de folga, para poder acompanhar a visita do Papa à Terra Santa, no fim-de-semana (da redacção, não ao vivo…). Por isso já sabem, todas as novidades poderão encontra-las em www.rr.pt.

O Direito ao Erro

Brad Miner
O novo livro de Robert R. Reilly, “Making Gay Okay: How Rationalizing Homosexual Behavior is Changing Everything”, fala da natureza, compreendida como o telos no sentido do qual todas as coisas criadas procuram a sua perfeição.

Fala também de sodomia, um comportamento claramente antinatural e que, como Reilly comprova meticulosamente, sempre foi visto como tal. Veja-se Sócrates, Platão e Aristóteles – todos gregos, claro, cuja cultura é frequentemente (e erradamente) descrita como homofílica – todos eles criticaram a sodomia como desordenada.

A prova do homossexualismo emergente na América tem estado diante dos nossos olhos há décadas, mas a maioria, tendo visto os sinais, simplesmente partiu do princípio que o objectivo final não seria muito mais do que a tolerância. Quem diria, há vinte anos sequer, que o movimento pelos direitos homossexuais procurava uma autêntica transformação cultural?

Aliás, há apenas dois anos podia-se dizer – com o que hoje parece um optimismo absurdo – que afinal de contas, sempre que os cidadãos tinham sido chamados a decidir sobre a questão do “casamento” entre pessoas do mesmo sexo, a iniciativa tinha sido chumbada. Mas depois vieram os tribunais, na sua sabedoria, para corrigir a vontade torta do povo. Como é que chegámos a isto?

A filosofia política ocidental dividiu-se em dois ramos distintos no século XVIII: Um radica em Edmund Burke e William Blackstone e atravessa a fundação dos Estados Unidos, desembocando no conservadorismo moderno; outro, com origem em Jean-Jacques Rousseau e a Revolução Francesa, levou ao liberalismo contemporâneo. Este segundo ramo, o liberal, continua sob a influência da visão antiteleológica de Rousseau e  foi reforçada pelo existencialismo, multiculturalismo e outros entusiasmos de esquerda. O primeiro ramo, o conservador, que manteve a teleologia, tem passado grande parte dos últimos dois séculos a tentar encontrar uma forma, que não o totalitarismo, de subjugar as paixões pagãs soltas pelo segundo.

Porque se o Homem é a última fonte do sentido, se a humanidade não discerne os fins morais inerentes à Natureza, fixados pelo Deus da Natureza, então, como escreve Reilly, encontramo-nos diante de um paradoxo, sobretudo para os que defendem os “direitos homossexuais”, isto porque...

… os proponentes da homossexualidade estão a defender uma causa que apenas pode vingar se obliterar a própria compreensão de Natureza da qual depende a nossa existência enquanto povo livre... A sua reivindicação de direitos subverte os direitos que reivindicam. Porquê? “Se a Natureza for negada, então a justiça reduzir-se-á necessariamente a aquilo que é desejado o que, por sua vez, se transforma na lei do mais forte”.

Dizer que as uniões homossexuais são normais, após milhares de anos a acreditar no contrário, implica “pôr de lado Sócrates, Platão, Aristóteles, o Antigo Testamento e o Novo, Agostinho e Aquino”. Reilly cita exemplos de mudança de normas culturais e de decisões judiciais recentes, através dos quais este “pôr de lado” já começou.

Claro que não é só a sodomia que tem sido libertada por este determinismo anti-teleológico, mas a contracepção e o aborto também, bem como o divórcio, sexo pré-matrimonial e em breve, quiçá, a pedofilia e o bestialismo.

Escrevendo sobre Lawrence v. Texas, a decisão do Supremo Tribunal de 2003 que considerou inconstitucional uma lei que bania o sexo “gay”, Reilly pergunta: “Porque é que levou mais de dois séculos para que o tribunal descobrisse um direito à sodomia?” Responde que foi porque o Tribunal considerou que os fundadores simplesmente não tinham compreendido a liberdade e “as suas múltiplas possibilidades”.

Pelos vistos o próprio tribunal também não o tinha compreendido no caso de Bowers v. Hardwick, 17 anos antes, quando declarou que não existia qualquer direito constitucional à sodomia.

Os juízes e os seus apoiantes nos media decidiram que a tradição é, frequentemente, um sinónimo de opressão. Quanto aos que se mantêm agarrados “aos nossos deuses e às nossas armas”, as elites vêem-nos como perdidos naquilo a que Engels chamou “falsa consciência”.


O Governo tem sido movido a agir não tanto por compaixão, mas mais por pressão dos media e dos lobbies. O mesmo tem acontecido através da cultura.

Foram essas pressões que levaram a uma campanha bem-sucedida, em 1973, para retirar a homossexualidade do Manual de Diagnóstico e Estatística, a bíblia de desordens mentais da Associação Psiquiátrica Americana, onde constava desde 1952.

A indústria do entretenimento tem feito todos os esforços para povoar os filmes, comédias e séries de personagens homossexuais, com o objectivo de nos dessensibilizar para o “amor que não ousa manifestar-se”, agora conhecido como o “amor que não nos dá um minuto de descanso”.

“Making Gay Okay” inclui capítulos curtos sobre o impacto e as consequências de parentalidade homossexual, “estudos” homossexuais e a influência do homossexualismo nas Forças Armadas, política externa e o movimento dos escuteiros.

Nos anos 80 estava num jantar em que um activista homossexual disse a umas feministas que os homens gay apoiavam absolutamente o aborto. Questionei-me na altura sobre a coincidência de interesses. Era demasiado bronco, ou ingénuo, para compreender a forma como partilham esta inversão da realidade.

Talvez porque, em mais novo, abracei brevemente (mas com vigor) a moda da “liberdade sexual”, quem sabe, a primeira das inversões da verdade. Há muitos na minha geração que sentem relutância em criticar as escolhas sexuais dos outros, tendo tomado decisões tão erradas quando eram mais novos.

Chegou a hora de crescer.

“Making Gay Okay” é uma lição em filosofia, psicologia, história, direito, política e ciência. Para dizer a verdade, até vai aprender coisas que preferia não saber, como o significado de “bug chasing”, por exemplo. Mas para isso vai ter de comprar o livro.


(Publicado pela primeira vez na Segunda-feira, 19 de Maio 2014 em The Catholic Thing)

Brad Miner é editor chefe de The Catholic Thing, investigador sénior da Faith & Reason Institute e faz parte da administração da Ajuda à Igreja que Sofre, nos Estados Unidos. É autor de seis livros e antigo editor literário do National Review.

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte:info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

terça-feira, 20 de maio de 2014

"Papa Negro" de saída

Pe. Adolfo Nicolás

O arcebispo primaz de Braga era um homem que não deixava ninguém indiferente e é recordado com saudades e respeito por muitas figuras, incluindo o Presidente Cavaco Silva, o seu sucessor D. Jorge Ortiga, Manuel Braga da Cruz e o padre João Aguiar, presidente do Conselho de Gerência da Renascença. Em Braga há dois dias de luto municipal.

Entretanto hoje surgiu a notícia de que o padre Adolfo Nicolás, superior geral dos jesuítas (conhecido também como o “Papa Negro”), vai resignar ao cargo em finais de 2016.

Ainda ontem o Patriarca D. Manuel Clemente declarou-se contra “formas de conjugalidade que contrariam a tradição da humanidade”.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Inveja e ciúmes na ordem do dia

A dias da visita do Papa Francisco à Terra Santa, o Patriarca Latino de Jerusalém diz à Renascença que espera mais desta peregrinação do que o “show”. Foud Twal fala também do desespero dos cristãos árabes e faz um convite aos portugueses.

O Banco do Vaticano detectou mais de 200 transacções suspeitas durante o ano de 2013, mais 196 do que no ano anterior. Ao contrário do que possa parecer, a notícia é boa uma vez não parece revelar um aumento de transacções suspeitas, mas sim de eficácia na sua detecção.

Morreu o padre José Lapa, fundador em Portugal do Renovamento Carismático. Há vigília esta noite na Igreja de Santa Isabel, em Lisboa.


segunda-feira, 12 de maio de 2014

O Sentido Correcto de “Sensus Fidelium”

Randall Smith
Em breve os bispos do mundo viajam para Roma para o “Sínodo para a Família”. Alguns levam com eles os resultados de inquéritos feitos aos fiéis, sobre as suas atitudes relativamente aos ensinamentos da Igreja, e alguns, como o bispo Robert Lynch, de St. Petersburg, Flórida, poderão ter decidido, com base nesses inquéritos, (o que no caso do Bispo Lynch corresponde a 6800 respostas), que: “Em relação à contracepção, a resposta pode ser caracterizada como, ‘Esse comboio já partiu há muito’. Os católicos já se decidiram e o sensus fidelium sugere uma rejeição dos ensinamentos católicos nesta matéria”.

Se o sensus fidelium fosse assim tão simples: Um pequeno inquérito, resultados e uma conclusão rápida. Mas não é assim. O bispo não está a falar do sensus fidelium. Está a usar a expressão, mas está a falar de outra coisa.

O sensus fidelium, como o Papa João Paulo II explica e bem, “não consiste, porém, somente ou necessariamente no consenso dos fiéis. A Igreja, seguindo a Cristo, procura a verdade, que nem sempre coincide com a opinião da maioria.” “A Igreja pode apreciar também a investigação sociológica e estatística”, prossegue o Papa, “quando se revelar útil para a compreensão do contexto histórico no qual a acção pastoral deve desenrolar-se e para conhecer melhor a verdade.”

“Tal investigação, porém”, insiste, “não pode ser julgada por si só como expressão do sentido da fé.” Antes, alerta: “Vivendo em tal mundo, sob pressões derivadas sobretudo dos mass-media, nem sempre os fiéis souberam e sabem manter-se imunes diante do obscurecimento dos valores fundamentais e pôr-se como consciência crítica desta cultura familiar e como sujeitos activos da construção de um humanismo familiar autêntico.” Note-se o aviso específico sobre os perigos para as noções de família em particular.

O Papa Bento XVI também avisou para o perigo deste tipo de confusão. “É particularmente importante especificar os critérios que permitem distinguir entre o sensus fidelium autêntico e as suas imitações. Na realidade, ele não é uma espécie de opinião pública eclesial, e não é pensável que possa mencioná-lo para contestar os ensinamentos do Magistério, uma vez que o sensus fìdei não pode desenvolver-se autenticamente no crente, a não ser na medida em que ele participa plenamente na vida da Igreja, e isto exige a adesão responsável ao seu Magistério”.

Nessa ocasião, o Papa Bento XVI estava a discursar perante a Comissão Teológica Internacional, louvando-os precisamente por clarificar algumas ideias erradas sobre o sensus fidelium. Eis o que a Comissão tinha dito:

“A natureza e a localização do sensus fidei ou sensus fidelium deve ser devidamente compreendidas. O sensus fidelium não significa simplesmente a opinião da maioria em um determinado tempo ou cultura (...). O sensus fidelium é o sensus fidei do povo de Deus na sua totalidade, obediente à Palavra de Deus e guiado nos caminhos da fé por seus pastores. Assim, o sensus fidelium é o sentido da fé que está profundamente enraizada no povo de Deus, que recebe, compreende e vive a Palavra de Deus na Igreja.”

“A teologia”, insiste a Comissão, deve “deve falar a verdade no amor, para que os fiéis possam amadurecer na fé, e não serem ‘joguetes das ondas e agitados por todo vento de doutrina’”.

Por isso, por favor, não se pode procurar fazer passar os resultados de uma sondagem a 6800 católicos na Flórida por sensus fidelium. Uma forma melhor de pensar no conceito é em termos daquilo em que os católicos acreditaram sempre e em todo o lado, mesmo antes dessa crença ter sido definida por um concílio ou um Papa.
 
Sensus Fidelium?
Muitas doutrinas da Igreja encaixam nessa categoria: ensinamentos que nunca foram formalmente definidos, mas que sempre fizeram parte do património da Igreja. João Paulo II, por exemplo, afirmou no Ordinatio Sacerdotalis que o sacerdócio exclusivamente masculino era um desses ensinamentos, afirmado por aquilo a que por vezes se chama o “magistério universal da Igreja”. Nunca tinha sido formalmente definido, mas tinha sido ensinado e aceite sempre e em todo o lado como de fide (uma questão de fé).

Agora pensem no que teria acontecido com esta questão se um bispo tivesse feito uma “sondagem” das atitudes dos americanos em St. Petersburg, Flórida, ou Cape Cod, Massachusetts.

O sensus fidelium não pode ser apenas uma fatia da opinião pública da Igreja no aqui e agora, porque a Igreja não é apenas a Igreja do aqui e do agora. A Igreja estende-se por toda a terra, atravessa culturas e milénios. Ela olha sempre para a vinda futura de Cristo, fazendo as suas escolhas com base nos conhecimentos que recebeu das Escrituras e da Tradição, em fidelidade ao Espírito que continuamente a guia.

E se tivessemos feito uma sondagem da opinião dos católicos alemães sobre o estatuto dos judeus em 1938? Ou um inquérito na Flórida sobre a moralidade da segregação racial em 1954? Essa fatia do bolo deve ser usada para determinar os ensinamentos da Igreja sobre o povo judaico e a segregação? Tudo bem que não somos nazis, mas não sofremos também de preconceitos e miopia?

A retrospectiva é sempre perfeita, porque é fácil detectar os preconceitos das pessoas no passado. O que é mais difícil é detectar os nossos próprios preconceitos, uma vez que vivemos com eles todos os dias.

Não faz mais sentido reconhecer o sensus fidelium como a nossa dívida para com o passado, bem como as nossas obrigações para com o futuro, e proceder com humildade, guiados pelo Senhor da História em vez de um “espírito da época” que esteja na moda?

Talvez agora seja uma boa altura para escutar a sabedoria intemporal do nosso novo São João Paulo o Grande e evitar um sensus fidelium sem sentido.


Randall Smith é professor na Universidade de St. Thomas, Houston, onde recentemente foi nomeado para a Cátedra Scanlon em Teologia.

(Publicado pela primeira vez na Quinta-feira, 1 de Maio de 2014 em The Catholic Thing)

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

Papa baptizava marcianos

Olhem quem se esqueceu da vela de baptismo...
E se os extraterrestres chegassem amanhã? O Papa Francisco baptizava-os…

E se mandássemos os terroristas do Boko Haram para Marte? Wishful thinking… mas agora os islamitas sugerem trocar as raparigas que raptaram pelos seus irmãos em armas detidos.

Na Amadora, durante o fim-de-semana, um grupo de desalojados ocupou a Igreja matriz. A Igreja está a mediar o conflito com a câmara e encontrou uma solução provisória. Não são marcianos, mas imagino que o Papa ficaria contente com a notícia à mesma!


As celebrações são este ano presididas pelo Patriarca Latino de Jerusalém, que na próxima quarta-feira, às 9h, dá uma conferência na Católica de Lisboa sobre a situação dos cristãos no Médio Oriente.

E uma boa notícia para todos os padres! O iBreviary já existe em versão portuguesa, por isso agora já pode celebrar celebrar missas, mesmo quando se esquece do missal.

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Distribuam a riqueza e deixem os bebés em paz

Pe. Angelo Favero
Morreu o padre Angelo Favero, conhecido por muitos lisboetas como o padre das confissões, na Igreja do Loreto, no Chiado. O sacerdote italiano estava em Portugal há mais de 60 anos, e morreu aos 98.

O Papa esteve hoje com Ban Ki Moon, em Roma, a quem pediu um maior esforço da ONU na redistribuição da riqueza e respeito pela vida desde a concepção até à morte natural. Isto na semana em que a ONU criticou a Igreja mais uma vez por ser contra o aborto.


Por falar em aborto, o líder do Partido Liberal no Canadá disse que não aceitará quaisquer candidatos às eleições de 2015 que sejam pró-vida. Ele considera o aborto, um “direito fundamental”.

O rapto das mais de 200 raparigas na Nigéria pelos islamitas do Boko Haram está a obter cada vez mais repercussões internacionais. O Parlamento português condenou o rapto e em Lisboa e no Porto, no sábado, realizam-se marchas pela libertação das jovens.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Terrorismo odioso e sangue da unidade

Um acto de “terrorismo odioso”, é como a Santa Sé descreve o rapto de mais de 200 raparigas na Nigéria pela Boko Haram. Assino por baixo!

O Papa recebeu esta quinta-feira em audiência o líder dos arménios ortodoxos, Karekin II, a quem disse que o “sangue dos mártires é semente de unidade”. Foram palavras muito bonitas sobre o ecumenismo. Vale a pena ler!

A diocese de Setúbal entra agora na Semana da Vida e da Família, que este ano vai incluir 40 horas de adoração.

Já há muitos peregrinos a caminho de Fátima, como todos os anos, isto numa altura em que chega ao mercado o documentário “Fátima no Mundo”.

Na China denunciar uma “barba suspeita” pode render mais de cinco mil euros! É verdade, saiba aqui porquê.


Por fim, uma sugestão. Amanhã e sábado exibe-se o documentário Blood Money, sobre a realidade da indústria do aborto. As sessões são livres e encontram mais informação aqui.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

A Igreja e a ONU, de Novo

Austin Ruse
A Santa Sé volta ao banco dos réus da ONU esta semana. Desta vez é a Comissão de Tortura, e não vai ser bonito. [Desde que o artigo foi publicado no site do TCT a audição já se realizou]

Lembram-se da última vez? Há meses a Comissão da ONU para os Direitos da Criança disse à Santa Sé que a Igreja devia mudar os seus ensinamentos sobre assuntos de moral fundamentais como o aborto, contracepção, sexualidade na adolescência e casamento. O facto de apenas os suspeitos do costume se terem mostrado horrorizados significa que a Comissão de Tortura deve seguir o mesmo caminho.

A Convenção das Nações Unidas contra a Tortura, outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes, foi aceite pela Assembleia Geral da ONU em Dezembro de 1984 e entrou em vigor passados três anos. Actualmente 155 governos ratificaram o tratado, incluindo o Irão e a Arábia Saudita. A Santa Sé assinou o tratado em 2002.

A Convenção em si é uma coisa boa. Define a tortura da seguinte maneira:

Qualquer acto por meio do qual uma dor ou sofrimentos agudos, físicos ou mentais, são intencionalmente causados a uma pessoa com os fins de, nomeadamente, obter dela ou de uma terceira pessoa informações ou confissões, a punir por um acto que ela ou uma terceira pessoa cometeu ou se suspeita que tenha cometido, intimidar ou pressionar essa ou uma terceira pessoa, ou por qualquer outro motivo baseado numa forma de discriminação, desde que essa dor ou esses sofrimentos sejam infligidos por um agente público ou qualquer outra pessoa agindo a título oficial, a sua instigação ou com o seu consentimento expresso ou tácito. Este termo não compreende a dor ou os sofrimentos resultantes unicamente de sanções legítimas, inerentes a essas sanções ou por elas ocasionados.

A convenção declara que não existem excepções à proibição da tortura, incluindo guerra, emergência pública, actos terroristas ou qualquer tipo de conflito armado. Os signatários aceitam incluir estas proibições na sua lei nacional, para aplicar o tratado em todos os territórios sob sua jurisdição, extraditar transgressores e, quando isto não for possível, a jurisdição universal.

É fácil ver como a Igreja veria tudo isto com bons olhos, até entusiasticamente. E é fácil também ver como a Igreja, pelo menos na era pós-inquisição, dificilmente violaria o tratado. Mas não.

Os governos que ratificam o tratado têm de comparecer diante do organismo de supervisão para explicar de que forma ele está a ser implementado. Estes organismos são compostos por peritos, nomeados pelos seus próprios países. Mas quando estão na comissão, representam-se apenas a si mesmos e não os países de origem. São agentes livres. E nota-se.

Eis o que vai acontecer à Santa Sé às mãos da comissão. A Igreja vai ser instruída a alterar os seus ensinamentos sobre o aborto. A Igreja será acusada de violar o tratado por permitir o abuso sexual de menores, mesmo fora dos 100 hectares da Cidade do Vaticano, em qualquer parte do mundo onde uma criança tenha sido abusada por um padre católico. Provavelmente a comissão opinará também sobre a orientação sexual e identidade de género. Mas alguma destas coisas consta do tratado contra a tortura? Não.

Há anos alguns actores influentes da ONU, incluindo os chefes de todos os organismos de monitorização da altura e das grandes agências como a UNICEF, encontraram-se em Glen Cove, Nova Iorque, e chegaram a um acordo para um plano para espalhar o evangelho da esquerda sexual através de todos os tratados de direitos humanos das Nações Unidas, mesmo naquelas que não mencionam questões como o aborto. Aliás, o aborto não é mencionado em nenhum destes tratados. Nem um. Contudo, praticamente todos os organismos de supervisão dos tratados dizem aos Estados que têm de legalizar o aborto – e muito mais.

A Comissão sobre Tortura já disse à Irlanda, Polónia, Nicarágua e Bolívia que a criminalização do aborto em caso de malformação, violação, incesto e perigo de vida da mãe é considerada tortura, ao abrigo do tratado. A comissão também já questionou os Estados Unidos sobre a tortura de homossexuais.

A Santa Sé no banco dos Réus na ONU
Interessa? As declarações das comissões têm algum efeito? Significam muito para professores de direito de esquerda, certamente, bem como para juízes e deputados do mesmo pendor. Aliás, muitos consideram que as declarações destes organismos criam normas vinculativas. E alguns tribunais e parlamentos já começaram a concordar. O Supremo Tribunal da Bolívia mudou as leis nacionais sobre aborto com base nas observações finais da Comissão sobre Tortura.

O que é que vai acontecer a seguir? A comissão vai pressionar o Vaticano. Provavelmente mostrará pouco respeito pelos representantes da Santa Sé. Referir-se-á a Arcebispos como “Senhor” e à Igreja como “a vossa organização”. Não escutará – verdadeiramente – os representantes da Santa Sé, mas as perguntas durarão horas. O relatório final será publicado daí a umas semanas, embora o mais provável seja que já esteja escrito, provavelmente por uma ONG de esquerda com um particular ódio pela Igreja.

A imprensa rejubilará por poder dizer que a Igreja está em violação de mais um tratado de direitos humanos e poucas pessoas compreenderão verdadeiramente o que aconteceu.

O que é que a Igreja deve fazer? A Igreja deve aguentar a sova neste novo processo. Deve ter uma estratégia bem montada de relações públicas para responder ao relatório e deve utilizar todas as oportunidades para explicar como estes organismos ditos de defesa dos direitos humanos de facto prejudicam os verdadeiros direitos humanos.

Depois devia esperar uns anos e, sem grande alarido, retirar-se de todos os tratados da ONU. E devia explicar porquê: porque estas comissões estão a ir muito mais longe do que o seu próprio mandato e, ao fazê-lo, estão a prejudicar os direitos humanos verdadeiros. A Igreja não quer ter nada a ver com isso.

Afinal de contas, foi a Igreja que inventou os direitos humanos e devia dar uma lição a estes meias-lecas.


Austin Ruse é presidente do Catholic Family & Human Rights Institute (C-FAM), sedeado em Nova Iorque e em Washington D.C., uma instituição de pesquisa que se concentra unicamente nas políticas sociais internacionais. As opiniões aqui expressas são apenas as dele e não reflectem necessariamente as políticas ou as posições da C-FAM.

(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing na Sexta-feira, 2 de Maio de 2014)

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

terça-feira, 6 de maio de 2014

Um Papa, um imã e um rabino entram num avião...

Como é? Vamos à Terra Santa?
Decorreu durante os últimos dias o congresso ibérico da pastoral penitenciária. Em Fátima estiveram dezenas de pessoas a discutir as melhores formas de acolher e ajudar os reclusos.

Um Papa, um imã e um rabino entram num avião e… vão para a Terra Santa. Não, não é o começo de uma anedota…

Parabéns a todos os amigos do movimento de Schoenstatt, que fez 100 anos no passado fim-de-semana!

Na China os muçulmanos atacam estações de comboio, na Índia, porém, são os muçulmanos a serem atacados, o que é duplamente preocupante tendo em conta que é época de eleições.

Está em Portugal o Cardeal ganês Peter Turkson, que veio encontrar-se com empresários para promover a doutrina social da Igreja.

E por fim, chamo a vossa atenção para a transcrição integral da minha entrevista a Maria Hildingsson, da Federação Europeia de Associações de Famílias Católicas, um trabalho particularmente útil em mês de eleições europeias!

“The mindset in Europe is changing in favour of the family”

Full transcript of the interview with Maria Hildingsson, secretary-general of the Federation of Catholic Family Associations in Europe. Article (in Portuguese) here.

Transcrição integral, no inglês original, da entrevista a Maria Hildingsson, secretária-geral da Federação Europeia das Associações de Famílias Católicas. Ver aqui o artigo.


What brings you to Lisbon?
I have been invited to give a couple of conferences on the challenges to the Family, in Europe today. As is the situation in Portugal, it is in all member states of the European Union: Poverty, family breakdown situation we can see across Europe, and also the demographic deficit. All these things are challenges for the European decision makers, in Brussels, where I am based.

My visit here is an occasion to exchange with Portuguese organizations, associations and other actors working to promote more family friendly policies. Of course this is very important at the point where we are speaking. European elections take place in less than one month, and it is an excellent occasion and opportunity to make a change in European institutions.

Many citizens of EU countries tend to think that the EU Parliament does not affect our lives. That the things discussed there are not binding... So how important is it to avoid decisions that are against the family in the EU Parliament?
Well I would say it’s very important. What you just described is the situation we would find in any member state. There are 28 member states in the EU, and when you go to any of them, families and citizens in general feel that Brussels is something very far away, that decisions will not have a direct impact on their daily lives. But in fact, today, about 70% of national laws actually come from the European level. Since the entry into force of the Lisbon treaty, the European Parliament [EP] has more power than it used to have. The EP is in fact the only European institution that has a direct link to the European people. It is directly elected by the European citizens.

There are two other institutions: the EU Commission, which is influenced by the elections. The political denominations and composition of the EUP will have an impact on the commission of the European commission. And of course there is the European Council, which is a council of ministers, which directly reflects the national-political composition. But I do think it is important to underline how much power the EU actually has, although it can seem as if it is very far away, and very abstract.

To use a concrete example, we have heard of the Estrela Report. What would its approval have meant for families?
As you underlined, there are certain reports or resolutions which are adopted by the EP which are binding, and others which are non-binding. Mrs. Estrela's report was a non-binding report. But nevertheless it was important because it is a symbolic act. The EP did vote on a text, an alternative resolution, which states that all these subjects which she wanted to address are not to be dealt with at the EU level, but are the competence of member states. But if the text had been adopted, it would have given a clear position of the EP and even if not binding it is symbolically very important for the battle of ideas which we find at any political level.

Could your group be described as a lobbying group?
Yes. It’s a federation of family associations at the European level.

So you work directly with the European MP's. Is the European Parliament hostile to traditional families, or not?
I would say that there is a great variety. Among the 28 member states there are very different cultural, historical, social heritages that impact on the way we look at the family. In some countries politics will be based on an individualistic perspective, that is the case in my country, Sweden. In others we will see that there is family policy which is actually based on the family as a unit, which is the case in France.

But when we see all these different elected members at the EP, there are, in general, three different groups, which do not always reflect these national contexts. There is a group of members which does want to support the family, based on a marriage between a man and a woman. Another group is hostile to this idea and wants to promote another agenda, where any situation of family life, or any form of relationships are considered equal, not respecting the fact that any child has a mother and a father, and that marriage is an institution intended to protect children and the spouses.

But in between these groups there is a huge group, a majority, which is a group of members who never, perhaps, paid much attention to these issues. Of course no Member can cover all issues, therefore it is important to be in contact with this big group, which is quite willing to listen to arguments, and I do think that when arguments are put forward with common sense, but also using facts and figures, and looking at reality, there are many things we can promote and make present in the European debate.

Manifestação pró-família, em França
You spoke of marriage between a man and a woman. The gay marriage debate is going on all over Europe at the moment. Is that one of the main issues you are addressing? And what are the main threats you are trying to avoid coming out of Europe at the moment?
I would say that one of the main threats is family breakdown. That is a huge problem across Europe. It is a huge problem that does not reflect the desires of the hearts of young people in Europe. Young people want to have family, relationships that last a life time, and they respect adults who have been good parents and kept their families together.

So this is a huge challenge. The EU does not have any direct competence in the area of family policy as such, but it does have competence in the areas of employment policy, maternity leave, for example, and the balance between family life and work is very important. The current strategy of the EU, called the Europe 2020 strategy, wants to create jobs and of course that is very important, but there is no respect paid to the needs of families. Our belief is that you need to put family first. You need to design working conditions in such a way that each family can live decently from its income. It’s a matter of dignity as well.

Then there is this debate which is of a more anthropological character, which is the debate about same sex marriage, and adoption, and surrogacy motherhood, and on this issue I think it is very important to have a look at the map of Europe. If you look at it you will see there is a rift which is growing bigger and bigger, stronger and stronger. There are no member states from the former Warsaw Pact which have legislated in this way. All of the ones which have legislated to open marriage for people of the same sex, to open adoption rights to them as well, these countries have a different cultural mind-set.

Whether we are in Portugal or in Sweden we can see that all these countries are Western. In fact there have been some very big popular protests in countries such as Hungary, which changed its constitution a few years ago, where marriage and family are defined. Croatia, which managed to have a referendum, and we can see that these reactions do not come from the political level, every time, in some cases they do, but in fact it is a popular expression. And I think it is about time that the decision makers at the European level pay respect to those voices and that the richer countries, those of the Western part of the EU, stop putting pressure on those countries which need the financial support. Because this is what is happening. Sometimes there is true bullying.

You spoke of the protests in Hungary, we also saw demonstrations in France, which we don't usually think of as a traditionalist country... Are we seeing a change in the mind-set of a new generation in Western Europe?
I think so, yes. What happened in France is very interesting. I lived in France for 13 years and I can see that there is a change in the minds of people. This would not have happened five years ago, I think. It is a reaction that comes from the grassroots level. There is certainly a change in Europe in general, when it comes to these sensitive issues which concern human dignity, respect for life, respect for family. We can see in 2013 a magnificent example, with the collection of almost two million signatures in favour of the European Citizen's initiative "One of Us", which aims at asking the EU to stop any funding of activities which involve the destruction of the human embryo. The reactions at the political level can be rather strong on these issues, that is for certain, but the main actors here are not necessarily the politicians, it is normal people in the street who are actually starting to realize that they can make a change, they can have an impact.

In France we have seen mayors being fined or threatened with jail for refusing to conduct Gay Marriage. Cases in Britain of clashes between gay rights and freedom of conscience. What can we do to guarantee freedom of conscience for people for whom this is a serious issue? Can it be protected in any way?
Freedom of conscience, freedom of conviction, freedom of opinion, freedom of religion, all these are fundamental freedoms, they are enshrined in the European Convention of Human Rights, in the Charter of Fundamental Rights of the European Union. I think it is important to make people aware of these rights and to strengthen those rights.

Of course there is, in this case, a clash of rights. If the legislator has given the right for people to marry with others of the same sex, and on the other hand the civil servant who is to carry out the ceremony has another opinion, we do see that there is a clash of rights. We do need to reflect on this, we do need to see how we can reach out to each person so that no one feels that they are not respected. Everyone is worthy of respect. But those individual wishes, which lead to a situation where a single person could have an insemination, where a couple could have a surrogate mother to give birth to a child, these situations do not fully respect the needs of every person. We cannot act from an individualistic perspective; we need to search for the common good.

But you put your finger on one of the main challenges we have ahead, and this also relates to the concept of non-discrimination, which is creating quite some difficulties.

We see many of the people on the other side comparing opposition to gay rights to racism. Is this a solid argument?
I don't think it is. What we need is to understand what marriage is really about. Until now the law has never been based on feelings and emotions. The law that has instituted marriage is there to protect the spouses and the children. Marriage is an institution. Of course there is love, there are emotions, but the state and society, when they create rules, they are there to protect and institution intended to protect the spouses and the children. This is what marriage is about, it is not about the romantic ceremony, the church, or whatever.

We do need to come back to what marriage is really about. We need to value that, but also to understand the needs of young people who want to have stable relationships. One of the main challenges here is education. We should not replace parents in their educational role, they are the first and primary educators of their children. But we should support them. And we also need to develop alternatives, propose and offer ways to support parents in this mission. One of the most sensitive areas relates to sexuality and relationships, but what is commonly proposed in many schools is a more biological, sometimes scientific, or health oriented education, but what youth is really looking for is how to make a relationship last. We need to widen the perspective and make sure we offer education that prepares to love, respect, cherish, forgive, and that takes into account relationships, emotions and sexuality. This is one of the major challenges in Europe, but also in the world today.

You were saying before the interview that the Lutheran Church in Sweden is currently led by a female lesbian bishop who lives with another woman and has adopted children... So I imagine that for many of these established churches in Scandinavia and Northern Europe, you don't necessarily get much support. But I would ask if you count on Muslim and Jewish communities as allies in some of these matters?
There are many Christian churches with which we have common ideas, values and virtues. We cannot put all the Protestants into one bag, and I think we can also get a lot of support from the Orthodox. When it comes to the Jewish community I think we have many things in common, related to family and marriage. To a certain extent that can also be the case with the Muslim community, but of course we do have a different view on women, and also on marriage as such. So on certain things we can work on the political level together, there are perhaps other anthropological aspects where we would have different views.

But in those where there is common ground, do you work together?
We do, but I would say that what I see in Brussels, at least, is that the most active NGO's working on these issues are Christian.

Mainly Catholic and Evangelical?
Yes.

Partilhar