quinta-feira, 26 de abril de 2018

Diálogo transparente na Coreia, privacidade para Alfie e pais

O Papa Francisco pede um “diálogo transparente” entre as duas coreias, em véspera de uma importante cimeira que se realiza amanhã.

A actualidade internacional continua muito marcada pelo caso do Alfie Evans. Terminei a minha última mensagem dizendo que era muito possível que quando a lessem Alfie estivesse morto, mas contra as expectativas, ele continua a lutar.

O caso ganhou dimensões de incidente diplomático, com a Itália a envolver-se, mas na terça-feira o juiz negou aos pais o direito de levar o menino para Roma, pedindo antes que o hospital dialogasse com os mesmos para tentar que Alfie pudesse ao menos ir para casa.

Hoje Tom Evans e Kate James, os pais de Alfie, divulgaram um comunicado agradecendo o apoio recebido mas a pedir que a partir de agora lhes seja concedida privacidade para poderem melhorar as relações com o hospital, com vista a encontrar a melhor solução para o bebé.

Aqui podem ler aquilo que são as minhas principais ideias sobre o caso de Alfie Evans. Desta vez escrevi em inglês. Recomendo ainda que quem tenha verdadeiramente interesse neste caso perca alguns minutos para ler a sentença original do juiz, que ajuda a compreender melhor toda a situação.

Aproveito ainda esta questão para divulgar uma formação sobre cuidados paliativos que vai decorrer em Carnide, na noite de 4 de Maio. Mais informação aqui e na imagem.

E porque hoje é quarta-feira, convido-vos a ler o artigo desta semana do The Catholic Thing. É um artigo diferente do costume, divertido, em que podem conhecer Felix Culpa, um tipo interessante cuja vida mudou a partir do momento em que foi tocado pela graça de Deus.

Thoughts on the Alfie Evans case

A few thoughts on this case which many of us have been following closely.

#1 – Aflie is not Charlie
Despite many comparisons, Alfie’s case is not the same as Charlie Gard’s, the similarities notwithstanding.

The main difference is that Charlie was, according to his doctors, suffering and in pain. The cause of his pain was not so much his disease, as the invasive medical equipment which was keeping him alive. In short, the cost of keeping Charlie alive was to keep him in pain and in suffering.

Charlie’s parents had their hopes set on treatment in America. But when the actual facts came out, it turned out that the treatment they had been offered was a farce. There was no indication it would help him in any way, it had never even been tested on mice and there was not even any guarantee that it wouldn’t make him worse.

Alfie, on the other hand, does not seem to be in pain, at least that is not what the hospital and courts have been saying, so far as I can make out. The problem does not seem to be that he will suffer if kept alive, the problem – again, as far as I can make out based on the press – is that doctors and judge consider that to keep him alive is futile. This is a not so subtle way of saying that his life is not worth living.

Alfie’s parents do not have their hopes set on some maverick doctor providing a miracle treatment, they just want him to live as long as he can, cared for and as comfortable as possible. They understand that he will not live as long as a healthy little boy, but they refuse to accept that this means he is not worth being cared for. The way his life has moved countless people would seem to prove beyond doubt that even a life that is materially unproductive is not futile.

#2 – The doctors are not psychopaths
A lot of the rhetoric from people defending Alfie and his parents is disturbing. I don’t believe the doctors have anything but Alfie’s best interest at heart. Of course, that does not mean that their idea of his best interest coincides with mine or is even correct.

This happened with Charlie Gard as well. Some of the things said about the health professionals was absolutely disgraceful. In that case I had a personal stake in the issue, since at the age of 10 I was admitted to Great Ormond Street and was treated with spectacular care and attention. I have nothing but the warmest memories. I have no personal connection to Alder Hey, but find it unlikely that its staff is composed of zombies and cold blooded killers. The hateful rhetoric helps no one.

However, that being said, there are some disturbing indications coming out from Alder Hey. In my experience doctors already have a natural tendency towards arrogance, especially when dealing with people who have little or no medical knowledge. 

One paragraph struck me in the Guardian’s coverage of the hearing on Tuesday. “The clinician, who cannot be named but who was one of the team treating Alfie on Monday night, said the hostile atmosphere had created a ‘genuine fear’ among fellow doctors and that there would have to be ‘a sea change’ in their relationship with the family before they could consider letting him go home.”

What?! This sounds a lot like “hey, change your attitude and then maybe we will think of lending you this little boy you say is your son, but who is actually our property”. Are they mad?

This arrogance seems to confirm what we, outside Britain, hear about State and health worker’s attitudes towards families. I know of several non-British residents in London who will avoid taking their children to hospital at all costs, for fear of raising suspicions of abuse. Even if this is an exaggeration, the fact that people feel that way is in itself cause for alarm.

#3 – Whose children are they?
The crucial question here is, does the State have the right to override parents decisions regarding their own children? In short, yes, it does. If it did not, then there would be no safeguards against child abuse. You can’t get your five year old drunk on Vodka every two days and say you’re his dad so that’s ok.

However, if there is any situation in which the state should exercise its power in the most conservative way possible, it’s this one. A parent’s connection to his child is a sacred bond, it should not be severed lightly.

So yes, it is possible for a judge to rule against the parents in a case like this, but that doesn’t mean that the state is always right in doing so. When the state is wrong in these cases, it is oh so very, very, very wrong, and the injustices caused should make all involved shudder.

#4 – The people are rebelling…
Regardless of who is in the right in this or that particular case, there can be no doubt that we are heading down a path where life is seen, more and more, through the lens of utility rather than inherent value.

Euthanasia, which is gaining ground in so many countries despite the alarming signs coming out of Belgium and Holland, is another way of saying that our life loses value when we cease to be productive and that dignity is something we define ourselves, rather than being inherent.

So it is not surprising that doctors, judges and others will increasingly begin to look at cases like Alfie’s and just think “why bother?” It may not be about money, although that can be a worrying factor, it’s just about not seeing the point.

And this is not exclusive to Britain. Friends of mine who have a child with a rare cognitive and physical condition which essentially renders him completely dependent, have spoken about their despair at going to the hospital and feeling, even if it wasn’t said out loud, that the doctors didn’t understand why they didn’t just let their child die.

So it is interesting to see – and probably shocking for many – that in cases like Alfie’s, where the parents fight back, people are backing them up. They are taking to the streets, they are organizing prayer vigils, they are protesting on social media. Maybe not always in the best way, maybe not in the best terms, but they are rebelling.

The de-dignification of human life runs counter to what we are. We know, deep down, that we are more than what we produce, than what we feel, than the pleasure we enjoy or the suffering we endure. When we see an old and ill person saying they just want it all to end, then maybe we keep silent out of supposed respect for their autonomy, but when we see a man climbing on to a ledge our instinct is still to talk him back down and when we see doctors saying, or seemingly saying, that a baby’s life is not worth the effort, we lash out.

Let this be a warning. Let those who make our laws and policies take heed. Let their arrogance not be their undoing.

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Felix Culpa, um Tipo Interessante

Pangur Bán
Chamemos-lhe Felix. Há pouco mais de um ano que vive com uma devota comunidade religiosa católica. Ao longo desse tempo a sua vida mudou.

Há alguns anos ele e a sua namorada tiveram um filho. Depois de um grave acidente chegou a estar a tomar três analgésicos diferentes. Um caso típico de uso, e depois abuso, de opiáceos. A sua namorada também começou a abusar de drogas.

Outros detalhes da sua vida prévia não surgiram em conversa. Aparenta ter quarenta e poucos, mas provavelmente é mais novo do que parece. Dá ares de ser de um meio rural, de classe operária. Também transmite a ideia, que se viria a confirmar em conversas, de ser muito pensativo.

Quando o abuso de substâncias estava já em fase avançada, de repente apercebeu-se do grande mal que estava a ser feito. Sem perceber muito mais do que isso, tentou endireitar o seu próprio percurso e o da namorada. Ela não estava interessada e ele concluiu que ao ficar com ela estava a piorar a situação para ela e para o filho.

Partiu abruptamente. Sem nada e sem sítio para onde ir. Mas sentiu, de forma inesperada e forte, a presença de Deus a acompanhá-lo enquanto saía para o mundo sem planos, apenas com uma oração a pedir que Deus lhe mostrasse onde ir, o que fazer. Vagueou durante dois anos.

A sua natureza e a sua experiência tinham-no tornado desconfiado de organizações grandes, incluindo igrejas e, sobretudo, a Igreja Católica. Tinha passado algum tempo com comunidades “new age”, mas estas não lhe satisfaziam.

A dada altura soube que uma amiga de longa data estava a morrer. Viajou uma grande distância para a visitar e ficou a cuidar dela. À medida que a doença piorava, mais elementos da sua família vieram para ajudar e ele acabou por perceber que já não havia nem necessidade nem espaço para ele, por isso seguiu o seu caminho.

Quando pensava para onde ir de seguida, alguém da família falou-lhe da tal comunidade católica, ali perto. Nunca tinha sentido qualquer interesse por esse tipo de comunidade. Mas foi, e ficou uns tempos.

Fez biscates para pagar o alojamento. Fez perguntas sobre a fé da comunidade e as respostas faziam sentido. Viu as orações, como eram genuínas, os resultados que obtinham. Fé verdadeira e eficaz. O seu cepticismo quanto a organizações grandes mantinha-se, mas a sua confiança nesta pequena comunidade foi-se aprofundando. Ocasionalmente tinha-se interessado por religião, e nunca tinha alinhado na conversa do “espiritual mas não religioso”, mas também nunca tinha visto uma religião assim.

Fez perguntas sobre a fé e recebeu respostas sólidas. Chegou-se a um ponto em que conversar com ele sobre assuntos católicos era conversar com alguém que tinha recebido uma formação soberba e ortodoxa, tendo-se esforçado, de forma bem-sucedida, para a compreender.

A sua vida não o tinha levado às universidades de topo, mas era um homem inteligente, que questionava as coisas com um cepticismo saudável – mas não com cinismo niilista – disposto a aceitar as coisas razoáveis desde que razoavelmente demonstradas, mas sem paciência para grandes entusiasmos ou balelas pseudointelectuais. Queria a verdade e, estranhamente, tinha-a encontrado. E sabia-o.

Agora espera para ser recebido na Igreja Católica. Ainda falta algum tempo.


E a namorada e o filho? “Penso neles. Ainda ontem falei-lhes. Financeiramente estão bem, mas as coisas não mudaram muito para melhor. Sei que tomei decisões que agora não consigo controlar. É difícil. O que posso fazer agora é continuar a focar-me em Deus para que quando o meu filho estiver pronto, quando as coisas estiverem prontas, eu estar pronto.” Isto não foi dito de forma evasiva ou irresponsável, mas com resignação e esperança.

Será que se vai juntar à comunidade quando for recebido na Igreja? “Estou-lhes muito agradecido, mas não me parece que o meu lugar seja aqui para sempre. Seja onde for, Deus me mostrará”.

De vez em quando Felix fala de política. Está a par da actualidade e procura separar as notícias verdadeiras das falsas, interessa-se pelo mundo para lá da sua situação imediata e demonstra bastante prudência ao analisar a realidade contemporânea.

Também sabe que a Igreja em que vai entrar se encontra dividida, que o que hoje emana de Roma nem sempre parece bater certo com o que aprendeu ao longo do último ano. Sabe como distinguir as coisas, sabe o que passará e o que permanecerá.

A história de Felix poderá acabar bem, ou não. Mas não é certamente a história tipicamente burguesa do católico americano assimilado. O seu caminho para a fé não foi nem intelectual nem anti-intelectual. Mais uma balada séria de música country católica, ainda por concluir. Talvez os Hillbilly Thomists gravem um tema “bluegrass” sobre ela, incertezas e tudo.

Mas não deixa de ser fantástico ver que quando o dedo de Deus toca um homem com a graça, o sofrimento não cessa, apenas começa a fazer sentido. “Amazing”, como diz a velha canção.


Pangur Bán é um pseudónimo, de um poema do Século IX escrito por um monge irlandês que vivia na antiga Suábia. Pode ler o poema aqui, ou aqui e ouvi-lo em inglês ou em gaélico aqui.

(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing no domingo, 22 de Abril de 2018)

© 2018 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte:info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing

terça-feira, 24 de abril de 2018

Pray for Alfie, pray for Toronto

Nove mortos e 16 feridos em Toronto
Quando ler este email é muito possível que Alfie Evans esteja morto. Isto apesar de o Governo italiano lhe ter concedido cidadania e de o Papa ter feito mais um apelo para que o Reino Unido permitisse que ele fosse transferido para Roma. Um caso muito difícil. Continuo a achar que falta informação, mas com base na que tenho, sou da opinião de que neste caso, ao contrário do que se passou com Charlie Gard, os pais da criança têm razão e o hospital não. O Henrique Raposo pensa o contrário. Posso estar enganado.

Entretanto a tragédia abateu-se sobre Toronto, com um homem a atropelar várias pessoas, matando pelo menos nove delas. Não se sabe a motivação do ataque, ainda. O arcebispo local pede orações pelas vítimas.

Decorreu esta segunda-feira na Universidade Católica uma interessante conferência sobre a eutanásia. Um médico holandês alertou para o perigo de seguir o exemplo do seu país, o Patriarca espera que estas e outras ações sirvam para alertar e informar as consciências de políticos e sociedade e o ex-bastonário dos médicos, Germano de Sousa, diz que mesmo que a lei mude, a Ordem deve punir os médicos que praticarem a eutanásia.

O Papa nomeou três mulheres para a Congregação para a Doutrina da Fé e pediu o fim da violência na Nicarágua, no domingo.


quinta-feira, 19 de abril de 2018

Alfie Evans, o disputado e Inês Gil, a escolhida

Um "toffee" agridoce
Depois do triste caso do bebé inglês Charlie Gard, temos agora uma nova situação parecida com Alfie Evans. Eutanásia? Distanásia? Direitos parentais? Autoridade do Estado? Qual é a posição da Igreja? Há muito por compreender e tentei esclarecer o mais possível neste artigo, tendo em conta que nem toda a informação é pública ainda.

No Paquistão os problemas são outros. Mais dois cristãos foram assassinados e uma igreja incendiada nos últimos dias.

Falando de coisas bem mais agradáveis, a cineasta portuguesa Inês Gil foi escolhida para presidir a um júri ecuménico no próximo festival de Cannes.

Realiza-se a partir de hoje um congresso sobre saúde mental, organizado pelas irmãs hospitaleiras do Sagrado Coração. Reportagem aqui.

E saiba ainda como é que a Misericórdia de Évora consegue cumprir a sua missão de defender a vida, à imagem das obras de misericórdia.


quarta-feira, 18 de abril de 2018

Actualizar a Teoria da Guerra Justa

Nota: Este texto foi escrito e enviado para publicação antes de os EUA, França e Reino Unido terem lançado ataques coordenados à Síria. Contudo, todo o teor do texto mantém-se actual. 

Ao longo de séculos a “teoria da Guerra Justa” foi proposta e desenvolvida por uma série de grandes pensadores – Cícero, Agostinho, Aquino, Francisco de Vitória, Francisco Suárez, Hugo Grócio e outros.

No passado o que estes pensadores tinham em comum, para além da intenção de combater a praga incessante de guerras, era a visão do que era a guerra. Nomeadamente, alguma nação com uma capacidade militar formidável ameaçava outra nação, ou nações. Estas teriam então de deliberar se os seus recursos militares eram adequados, se os meios não-militares poderiam ainda anular a ameaça, ou se, como último recurso, a acção militar os poderia proteger ou se tornaria a situação pior.

Os princípios sublinhados pelos teóricos da Guerra Justa incluem: a urgência da ameaça, a viabilidade da negociação, identificação da autoridade certa, consoante os diferentes sistemas políticos, para declarar ou iniciar guerra, discernir se as consequências da guerra poderiam ser piores que a rendição e ainda as considerações éticas sobre armas letais, tratamento de prisioneiros de guerra e o sofrimento de não-combatentes, etc.

Uma imagem de exércitos perfilados, por vezes com aliados, a enfrentar e a conquistar outros exércitos no campo de batalha, era partilhada por todos estes teóricos, até durante a Primeira e Segunda Guerra Mundial, a que se juntavam infantarias poderosas, explosivos, poder aéreo, submarinos e outros produtos da engenharia moderna.

Mas o cenário começou a alterar-se seriamente durante e depois da Segunda Guerra Mundial – arsenais nucleares, guerra de guerrilha, agentes químicos ou biológicos tremendamente letais – em suma, a possibilidade de mortandade em quantidades e intensidades jamais concebíveis. Se Júlio César ou Genghis Khan tivessem uma bomba atómica provavelmente hesitariam em usá-la para conquistar os territórios que planeavam ocupar.

Ainda a semana passada, depois de ter dito que estava “prestes” a abandonar a Síria, o Presidente Trump ameaçou lançar mísseis contra a Síria, por causa do ataque mortífero com armas químicas contra civis em Douma, ocupada por rebeldes. O ministro dos Negócios Estrangeiros diz que “uma agência de informação estrangeira” levou a cabo este ataque e um membro da Comissão de Inquérito da ONU aponta para indícios de que os rebeldes anti-Assad possam ser responsáveis.

De facto é estranho que Assad, que tem estado a ganhar a guerra contra os rebeldes, tivesse provocado esta retaliação internacional nesta altura. Mas os Estados Unidos e os seus aliados russos e britânicos estão perfeitamente convencidos de que ele ordenou o ataque e que tem de haver uma resposta tanto para punir a Síria e dissuadir novos ataques da mesma natureza.

É precisamente neste campo que se tornaram bastante complicados os “juízos prudenciais” que, outrora, eram bastante simples. Uma primeira pergunta a colocar por um teorista da Guerra Justa seria: Existe alguma ameaça clara ao nosso país? Obviamente, a Síria não ameaça directamente, de forma alguma, os Estados Unidos. Mas de facto, um ataque à Síria, que tem a Rússia como aliada, poderia levar a uma nova Guerra Fria, ou pior.

O Presidente Trump lançou um ataque com mísseis à Síria em Abril de 2017 e parece confiante que seria possível repetir a façanha sem enfurecer o urso russo. Mas este tipo de diplomacia arriscada não se limita a desafiar os poderes constitucionais para fazer guerra que o Presidente detém, resultam num improviso no que toca a justificar as guerras. Para além disso, a deposição de Assad, em vez de melhorar a situação, poderia levar os extremistas islâmicos ao poder, o que não é melhoria alguma.

E estas complexidades não se limitam ao Médio Oriente. A Teoria da Guerra Justa tradicional não parece capaz de lidar com muitas outras realidades contemporâneas e precisa desesperadamente de se ser aprofundada e desenvolvida se queremos continuar a contar com a sua orientação para as nossas nações e os nossos líderes. Eis alguns exemplos de assuntos que precisam de ser analisados cuidadosamente:

·         A doutrina da Destruição Mútua Assegurada (DMA), em que duas potências nucleares em guerra poderiam facilmente aniquilar-se uma à outra – ou até conduzir a um estado de apocalipse caso outras potências nucleares entrassem no combate – prevalece ainda. Haverá alguma crise contemporânea tão grave que justificaria o recurso a armas nucleares para atacar de forma preventiva um rival? Milhares de “células” terroristas surgem à volta do mundo. Algum exército, marinha ou força aérea pode ser usada efectivamente contra elas?

·         O uso alargado de “escudos humanos” – lança-mísseis em hospitais, explosivos armazenados em escolas, terroristas a estabelecer-se em cidades, rodeados de não-combatentes inocentes e impedindo os civis de sair da cidade. Haverá justificação para destruir um hospital ocupado por terroristas a operar artilharia?

·         A possibilidade de acidentes devido a erros, levando a guerras por nada. O recente incidente no Havai recorda-nos que já houve incidentes parecidos, que poderiam mesmo ter selado o destino do mundo, no passado.

·         Líderes de potências nucleares loucos e/ou suicidas que se estão nas tintas para a aniquilação mútua. O DMA baseia-se no pressuposto de que os líderes mundiais são agentes racionais e não misantropos com tendências suicidas.

·         Jihadistas sob influência de crenças religiosas, apostados em converter o mundo, se necessário pela força.

Apocalipse, quando?
Num mundo ideal, talvez procurássemos:

·         O desarmamento nuclear e a proibição absoluta da proliferação – embora seja difícil imaginar isto a acontecer depois de que se passou com Khadaffi, que desarmou em 2003.

·         Sistemas de inteligência à prova de erro, capazes de impedir planos de ataque transmitidos eletronicamente.

·         A rejeição da construção de mais mesquitas sem garantia de reciprocidade e construção de igrejas no Médio Oriente. A falta de reciprocidade tem facilitado a importação de agentes religiosos violentos, operando sob o disfarce unidirecional de “liberdade religiosa”.

Mas há outras sugestões mais práticas e menos idealistas, como:

·         Bombardeamentos “cirúrgicos” de reactores nucleares em “estados pária”, como Israel fez no Iraque em 1981 e na Síria em 2007, o que requer recursos de informação muito detalhados.

·         Identificação e destruição de todos os arsenais químicos e biológicos, bem como o desmantelamento de arsenais capazes de produzir explosões nucleares a alta atitude, causando uma “pulsão electro-magnética” capaz de incapacitar os recursos electrónicos em várias nações.

·         Um “Plano Marshall” nuclear, oferecendo auxílio em troca da transformação de instalações nucleares perigosas em centrais nucleares pacíficas – avançando assim a profecia bíblica que prevê a transformação de espadas em arados (Isaías 2, 4).

·         Pegando no exemplo do assassinato de Osama bin Laden e outros terroristas, o assassinato dos líderes mais demoníacos, que escravizam as suas populações e ameaçam destruir os Estados Unidos.

Segundo o famoso “relógio do juízo final”, mantido pelos Cientistas Atómicos, a humanidade está actualmente a “dois minutos da meia-noite”. Por isso aqueles de entre nós que sonhamos com a paz mundial sentem uma certa urgência. Não se trata de uma urgência exagerada, talvez tenha chegado o momento de “pensar fora da caixa”.

Os desenvolvimentos diplomáticos recentes indicam que possa estar prestes a realizar-se um encontro inédito entre o Presidente Trump e Kim Jong-un, da Coreia do Norte em Maio. O Presidente insiste na desnuclearização como pré-condição para um encontro e Kim parece pronto a aceitar isso, dizendo que “o assunto da desnuclearização da Península Coreana pode ser resolvido” se os EUA e a Coreia do Sul responderem “com boa vontade”.

Depois de fracassados tantos esforços diplomáticos para remover uma das maiores ameaças à paz mundial, podemos de facto depositar alguma esperança neste tipo de encontro?

Kim não se encontra na posição vulnerável de Khadaffi no que diz respeito ao desarmamento. Ele continua a ter a China a apoiá-lo, e tem a Coreia do Sul pronta para a reunificação. Transformar “espadas em arados” naquela região não é totalmente inimaginável – embora seja certamente “fora da caixa”.

Mas para dizer a verdade a estratégia menos prática para a paz mundial seria provavelmente a mais eficaz. Estou a pensar na batalha de Lepanto, em 1571, em que uma pequena frota cristã derrotou uma armada turca, bem como na cruzada do Rosário na Áustria, em 1955, que conduziu à retirada dos exércitos soviéticos. Por outras palavras, estou a falar numa cruzada do Rosário mundial. Mas sim, eu sei, isto é demasiado “fora da caixa”.


Howard Kainz é professor emérito de Filosofia na Universidade de Marquette University. Os seus livros mais recentes incluem Natural Law: an Introduction and Reexamination (2004), The Philosophy of Human Nature (2008), e The Existence of God and the Faith-Instinct (2010)

(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing no sábado, 14 de Abril de 2018)

© 2018 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte:info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing

Sem filhos não há padres e outras chinesices

O bispo de Viseu, D. Ilídio Leandro, liga a crise de vocações à crise das famílias. Sem filhos não há novos padres, deduz, dizendo ainda que num futuro breve poderá haver ordenação de homens casados para fazer face à escassez.

D. Manuel Monteiro de Castro faz 80 anos e a autora da sua biografia falou com Ângela Roque sobre “O Núncio Português”.

Temos acompanhado na medida do possível os desenvolvimentos em torno de um suposto acordo entre a China e a Santa Sé. Quem sabe ainda menos que nós, aparentemente, são os próprios católicos chineses
                                       
Queria agradecer a todos os que rezaram pela intenção que partilhei ontem. Não querendo lançar foguetes antes da festa, as notícias, por enquanto, são boas. Continuemos a rezar! Obrigado.

terça-feira, 17 de abril de 2018

Pedido de oração, pode ser já ao Formigão!

O Papa consolou no domingo uma criança cujo pai – um não crente – morreu. Vale a pena ver as imagens.

Esta segunda-feira houve festa no Vaticano. Mas sendo a festa de 91 anos de Bento XVI, foi contida e calma

D. Manuel Linda celebrou no domingo a sua primeira missa enquanto bispo do Porto.

E o Papa pediu soluções de justiça e paz para a Síria, numa altura em que os líderes cristãos mais importantes naquele país assinaram um documento conjunto a defender o regime de Damasco e a criticar o ataque levado a cabo por americanos, britânicos e franceses.

Os médicos católicos pedem que Marcelo Rebelo de Sousa vete a lei que permite a “mudança de género”, que foi aprovada na passada sexta-feira.

Mais um português a caminho dos altares? O Papa abriu caminho ao processo de beatificação do Cónego Formigão, o “apóstolo de Fátima” (na imagem).

Por fim, um pedido. Uma amiga minha vai amanhã à "clínica" dos Arcos em Lisboa, numa última tentativa de dissuadir uma senhora de abortar. Rezem pelas duas. Muito.

Cónego Formigão, que tal um milagrezinho para arrancar?

quarta-feira, 11 de abril de 2018

Ruy de Carvalho e muito Tolentino

Árvore da Vida com árvores em fundo
O actor Ruy de Carvalho recebeu esta quarta-feira o prémio Árvore da Vida. Saiba mais aqui.

Os 100 anos do padre Manuel Antunes vão ser assinalados em 2018, para dar a conhecer a sua obra às novas gerações.

O Papa Francisco apelou esta quarta-feira a que os fiéis não se esqueçam de baptizar as crianças.

Ontem foi um dia especial para mim e para a Renascença, uma vez que fazemos anos no mesmo dia. A Renascença, ainda assim, teve direito a uma programação especial que eu não tive, incluindo uma tarde inteira na companhia do padre Tolentino e dos seus convidados, incluindo o cantor cristão Samuel Úria, Francisco José Viegas e uma conversa interessante com Aura Miguel sobre o retiro que orientou recentemente em Roma para o Papa Francisco.

Hoje é quarta-feira e por isso há artigo do The Catholic Thing, em que David Carlin critica o relativismo da moralidade, falando do perigo, por vezes lento, da ideia de que cada um constrói a sua própria moralidade.

Deixo ainda um convite para irem à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, amanhã, dia 12 de Abril, às 18h15, para assistir à conferência “Afinal, o que é a Universidade”. É organizado pelo núcleo de Estudantes Católicos daquela faculdade e conta com Henrique Leitão, Miguel Tamen e António Feijó. É no anfiteatro II da universidade, se puderem não percam.

O Lento Veneno das Ideias Más

David Carlin
Todos os semestres lecciono uma cadeira de ética (filosofia moral) na faculdade onde trabalho. Digo aos alunos que não têm de concordar comigo; têm direito às suas próprias opiniões, ainda que estas estejam profundamente erradas. Mas tento persuadi-los de que algumas teorias de moralidade, embora populares, estão erradas.

Em particular, argumento contra três teorias populares mas, em minha opinião, perniciosas:

  • A teoria de que as normas que definem o que é certo ou errado são meras criações sociais.
  • A teoria de que somos livres de criar os nossos próprios códigos morais, individuais.
  • A teoria de que tudo é moralmente permissível, desde que não prejudique terceiros de forma evidente e tangível, sem o seu consentimento.

Por outro lado, argumento que existe uma teoria de moralidade verdadeira, nomeadamente a teoria de que todos os seres humanos normais têm um conhecimento inato das regras fundamentais da moralidade, por exemplo, não matar, não roubar, não cometer adultério, não abandonar os filhos, etc. Pode-se chamar a isto uma teoria de moralidade do “direito natural”, mas não insisto nesse nome.

Escusado será dizer que não convenço todos, nem sequer a maioria, dos meus alunos a concordar comigo. Consolo-me dizendo que isso não é grave. Porquê? Porque se calhar estou errado, e nesse caso espero que não concordem comigo. Ou se calhar estou certo e eles verão isso daqui a 30 ou 40 anos. Ou se calhar tenho razão mas eles nunca vão concordar comigo. Mas se Jesus apenas conseguiu persuadir 11 dos seus 12 discípulos, porque é que eu hei de ficar desencorajado por não conseguir convencer todos os meus alunos?

Mas há dias um jovem da minha turma chocou-me (na verdade, achei piada), ao defender clara e francamente uma teoria da moralidade que eu considero verdadeiramente terrível. Ele é um bom aluno, sincero e simpático, e não é de todo o género de miúdo que os professores por vezes encontram, aqueles que discordam do professor só para chatear. De todo, longe disso, é um bom miúdo.

Ele defendeu (não obstante eu ter tentado refutar essa teoria no início desse mesmo semestre) que todos os indivíduos criam a sua própria moralidade e, por isso, que o que é certo ou errado para ti poderá não ser certo ou errado para mim. Desde que tu faças o que crês, pessoalmente, estar certo, então está certo. Da mesma forma, se eu fizer aquilo que pessoalmente considero estar certo, então está certo.

Agora, sempre que um aluno meu defende esta posição eu jogo a cartada do Hitler. “Se o Hitler acreditava que o holocausto era a coisa certa, então achas que ele estava certo em assassinar seis milhões de judeus, para não falar de milhões de outros? É isso que estás a dizer?”

Quando meto o Hitler ao barulho, o aluno tende a recuar da sua afirmação. (Às vezes desconfio que Deus tenha permitido a Hitler cometer estes homicídios em massa para que os professores possam usá-lo como exemplo horrível nas discussões nas salas de aula.) Mas este rapaz não recuou. Ele defendeu a lógica da sua posição, dizendo que o que Hitler fez estava certo porque ele acreditava que sim, e por isso este meu aluno não o condenaria por fazer a coisa errada.

Ao mesmo tempo assegurou-me que ele próprio tinha uma moral pessoal muito diferente. Pessoalmente, jamais cometeria genocídio; seria errado fazê-lo, porque isso vai contra o seu código moral pessoal. Não duvido que seja assim, como disse, é um miúdo porreiro. Não tenho qualquer medo de homicídio em massa quando entro na sala de aula e ele está lá.

Partilha connosco a tu ideia própria de moralidade!
Mas isso recorda-me que podemos mudar de ideias mais facilmente do que de coração. Mudamos as nossas opiniões mais rapidamente do que os nossos sentimentos. E no mais fundo de todos os nossos sentimentos estão as atitudes morais que adquirimos na juventude e na adolescência.

As nossas atitudes morais, porém, sejam boas ou más, são diferentes das nossas opiniões morais. É por isso que é tão difícil convencer uma pessoa a abandonar maus hábitos. Os conselhos que lhe damos podem ser 100% sãos, mas ainda assim ele não se mexe. O mesmo se aplica, mutatis mutandis, às pessoas que crescem com boas atitudes morais.

Isto significa que as teorias morais más são inofensivas ou que as boas são inúteis? De todo. Se for uma pessoa com boas atitudes morais, então as teorias más provavelmente terão pouco impacto na sua conduta moral. Mas podem vir a ter um impacto sobre os seus filhos.

À medida que os educa, estará a dar-lhes um bom exemplo através da sua conduta (digamos, por exemplo, pela sua honestidade); mas a sua teoria dirá: “pessoalmente, acredito na honestidade, e espero que vocês também acreditem quando forem adultos, mas lembrem-se sempre que esta honestidade não passa de uma preferência pessoal. Lembrem-se de ser tolerantes para com os patifes, mentirosos e ladrões que por acaso não acreditam na honestidade”.

As teorias morais más, então, terão consequências morais más, e as teorias morais boas terão consequências boas. Mas isso não acontece de um dia para o outro. Levará uma ou duas gerações, talvez cem, duzentos ou trezentos anos. Jefferson escreveu: “todos os homens são criados iguais” em 1776. Isto implicava que a escravatura deveria ser abolida. Mas levou mais 87 anos e uma grande guerra civil até que isso acontecesse.

“As ideias governam o mundo”, disse certa vez um filósofo francês. E é verdade. Mas na maior parte dos casos isso apenas acontece de forma gradual. Hoje existem muitas más teorias morais por aí, não apenas a do meu aluno. Se não os combatermos, acabarão por nos destruir – se não a curto prazo, gradualmente.


David Carlin é professor de sociologia e de filosofia na Community College of Rhode Island e autor de The Decline and Fall of the Catholic Church in America


(Publicado pela primeira vez na sexta-feira, 6 de Abril de 2018 em The Catholic Thing)

© 2018 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

segunda-feira, 9 de abril de 2018

La Lys, alegria e exultação

Depois de uma ausência pascal, eis-me de volta no dia em que o Papa Francisco lança uma exortação apostólica dedicada à santidade. Há dias o Papa era acusado de negar a existência o inferno, mas neste documento esclarece que o diabo, pelo menos, é bem real e não um mito.

Hoje é também o 100º aniversário da trágica batalha de La Lys. Uma igreja católica em Inglaterra inaugurou neste dia dois vitrais de homenagem aos portugueses que lá morreram.

Durante o fim-de-semana decorreu o Meeting de Lisboa, organizado pelo movimento Comunhão e Libertação. Aqui encontram uma entrevista com o abade-geral da ordem cisterciense sobre a “cultura da pressa” que “não satisfaz o coração”.

Esta segunda-feira foi lançado um site que vale a pena manter debaixo de olho. Toda a Vida tem Dignidade é o portal onde poderão encontrar tudo o que precisam sobre a eutanásia.

A pedido de um amigo, aproveito para partilhar que decorre no dia 21 de Abril o Encontro Nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses. Se está interessado em ir, há mais informação aqui.

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Sermão Pascal sobre os Sacramentos

“Vocês mesmos são aquilo que recebem.”

A minha promessa não foi esquecida. Prometi àqueles de vós que foram baptizados, um sermão para explicar o sacramento da mesa do Senhor, que agora podem ver, e da qual partilharam na noite de ontem. Devem saber aquilo que receberam, aquilo que estão prestes a receber, o que devem receber todos os dias.

O pão que podem ver no altar, santificado pela palavra de Deus, é o corpo de Cristo. O cálice, ou melhor, o que o cálice contém, santificado pela palavra de Deus, é o sangue de Cristo. Foi por meio destas coisas que o Senhor Cristo quis apresentar-nos o seu corpo e o seu sangue, que derramou por nós, para o perdão dos pecados.

Se receberem bem estas coisas, vocês mesmos são aquilo que recebem. Sabem, o apóstolo diz que nós, sendo muitos, somos um pão, um corpo (1 Cor. 10, 17). É desta forma que ele explica o sacramento da mesa do Senhor; um pão, um corpo, é o que todos somos, por mais que sejamos.

Neste pão é-vos dado a perceber claramente o quanto devem amar a unidade. Acaso este pão foi feito de um só grão? Não foram muitos os grãos de trigo? Mas antes de se unirem no pão, cada um era separado; foram juntados por meio da água e de bater e esmagar. Se o trigo não for moído, afinal de contas, e amolecido com água, não se pode pôr neste formato, a que se chama pão.

Da mesma forma, também vocês foram moídos e batidos, por assim dizer, pela humilhação do jejum e o sacramento do exorcismo. Depois veio o baptismo e foram, por assim dizer, amolecidos pela água para poderem ser moldados na forma de pão. Mas não é pão ainda sem o fogo para o cozer. Então o que significa o fogo? É o crisma, a unção. O óleo, que alimenta o fogo, como vêem, é o sacramento do Espírito Santo.

Reparem nisso quando lemos os Actos dos Apóstolos; começamos agora a ler esse livro. Hoje começa o livro a que chamamos os Actos dos Apóstolos. Quem quiser progredir tem assim os meios para o fazer.

Quando se reunirem na Igreja, ponham de lado as histórias tontas e concentrem-se nas Escrituras. Aqui somos os nossos livros. Por isso prestem atenção e vejam como o Espírito Santo virá no Pentecostes. E é assim que ele virá; mostrar-se-á em línguas de fogo.

Santo Agostinho e Santa Mónica
Reparem que ele insufla-nos daquela caridade que nos deve fazer arder por Deus, fazendo-nos pensar pouco do mundo, queimar a palha e purgar e refinar os corações como ouro. Por isso o Espírito Santo vem, fogo após água, e são cozidos como pão, é o corpo de Cristo. E é assim que se representa a unidade.

Agora têm os sacramentos pela ordem em que ocorrem. Primeiro, após a oração, são convidados a elevar os corações; é assim que deve ser para os membros de Cristo. Afinal de contas, se vocês se tornaram membros de Cristo, onde está a vossa cabeça? Os membros têm cabeça. Se a cabeça não tivesse ido antes em frente, os membros não lhe seguiriam.

Onde foi a nossa cabeça? O que é que pronunciaram no Credo? Ao terceiro dia ressuscitou dos mortos, subiu aos céus e está sentado à direita do Pai. Por isso a nossa cabeça está no céu. É por isso que, depois das palavras, “corações ao alto”, respondemos, “o nosso coração está em Deus”.

E não devem atribuir isso ao vosso poder, aos vossos méritos, aos vossos esforços, este elevar do coração ao Senhor, porque é pelo Dom de Deus que devem ter o coração no alto.

É por isso que o bispo, ou o presbítero que oferece, depois de termos respondido “o nosso coração está em Deus”, continua dizendo “demos graças ao Senhor nosso Deus”, porque os nossos corações foram elevados ao alto. Demos graças, porque se Ele não nos tivesse permitido elevá-los, os nossos corações continuariam cá em baixo na terra. E vocês afirmam a vossa concordância, dizendo “é nosso dever, é nossa salvação” dar graças ao que nos levou a erguer os nossos corações ao nível da nossa cabeça.

Então, depois da consagração do sacrifício de Deus, porque ele quis que nós próprios fôssemos o seu sacrifício, como é indicado por onde o sacrifício foi colocado em primeiro lugar, que é o sinal da coisa que somos; é por isso que, feita a consagração, rezamos a oração que o Senhor nos ensinou, que vocês receberam e pronunciaram.

Depois disso vem o cumprimento, “a paz esteja convosco”, e os cristãos beijam-se uns aos outros com um beijo sagrado. É um sinal de paz; o que é indicado pelos lábios deve acontecer na consciência; isto é, tal como os seus lábios se aproximam dos lábios do seu irmão ou da sua irmã, assim os vossos corações não se devem retrair dos deles.

São, por isso, grandes sacramentos e sinais, sacramentos verdadeiramente sérios e importantes. Querem saber como a sua importância é-nos incutida? O apóstolo diz, “Portanto, qualquer que comer este pão ou beber o cálice do Senhor, indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor” (1 Cor 11,27).

O que significa receber indignamente? Receber com desprezo, receber com escárnio. Não se deixem pensar que aquilo que podem ver não interessa. O que conseguem ver passa, mas a realidade invisível que é significada não passa, mas permanece.

Vejam, é recebido, é comido, é consumido. O corpo de Cristo é consumido? A Igreja de Cristo é consumida? Os membros de Cristo são consumidos? Deus nos livre! Aqui estão eles a ser purificados, ali serão coroados com os louros da vitória.

Por isso aquilo que é significado permanece eternamente, embora aquilo que significa parece passar.

Por isso recebam os sacramentos de tal modo que não pensem em vocês mesmos, mantendo a unidade nos corações, elevando sempre os corações ao alto. Que a vossa esperança não esteja na terra, mas no Céu. Que a vossa fé esteja firme em Deus, que seja aceitável para Deus. Porque aquilo em que crêem, sem ver, verão ali, onde terão alegria, sem fim.

– Proferido c.411-415


St. Agostinho (354-430) nasceu na actual Argélia. Depois de uma juventude desregrada, tornou-se um católico fiel, por influência da sua mãe, Santa Mónica, e do seu professor, Santo Ambrósio de Milão. Dois dos seus livros, “Confissões” e “A Cidade de Deus” são considerados dos maiores exemplos de apologética cristã.

(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing no Domingo de Páscoa, 1 de Abril de 2018)

© 2018 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

quinta-feira, 29 de março de 2018

O bom chefe é quem serve

Aproveito já para desejar uma Santa Páscoa a todos os cristãos! De hoje a segunda-feira só publicarei post em caso de notícias urgentes. Se tudo correr bem, não as haverá!

O Papa celebrou esta quinta-feira a Ceia do Senhor com reclusos, a quem lavou os pés, dizendo que bom chefe deve servir. Antes, na celebração da missa crismal, Francisco tinha pedido aos padres para serem próximos.

Mas não tem sido um dia fácil para o Vaticano. O jornalista italiano Eugenio Scalfari, que apesar de ter 93 anos insiste em transcrever conversas de memória, sem gravação e sem notas, publicou mais uma “entrevista” com o Papa. O Vaticano já negou a sua fiabilidade.

Também esta manhã a sala de Imprensa da Santa Sé publicou um desmentido, dizendo que não há assinatura “iminente” de qualquer acordo com a China. Um caso que temos acompanhado de perto.

O tríduo pascal em Fátima vai ter tradução simultânea em Língua gestual.

E esta quinta-feira apresentamos uma entrevista de fundo com D. José Traquina, bispo de Santarém. O bispo diz que as instituições sociais não estavam preparadas para ser empresas e levanta algumas questões sobre o acompanhamento de divorciados, dizendo que a resposta a este problema não pode ser discutir “que bispo tem a melhor nota”.

quarta-feira, 28 de março de 2018

Coelhos fora-da-lei e heróis dos nossos dias

Cabeça de coelho ilegal na Áustria
Morreu D. António Santos, bispo emérito da Guarda. O funeral foi hoje.

Foi homenageado o polícia francês que deu a vida pelos reféns no caso de terrorismo da semana passada. Conheça também a história da menina nigeriana que recusou converter-se ao Islão e por isso continua refém do Boko Haram. Heróis dos nossos dias.

Continuamos na expectativa de saber se vai, ou não, haver acordo entre a China e o Vaticano. Entretanto os sinais que chegam não são os mais positivos, com mais um caso de um bispo leal a Roma detido.

Uma portuguesa entregou esta quarta-feira um presente muito original ao Papa Francisco. Veja aqui as imagens.

A Áustria aprovou o ano passado uma lei anti-burqa. Até agora foram advertidos turistas asiáticos, esquiadores e até a mascote do Parlamento. Um fracasso total, diz a polícia.

Hoje temos novo artigo do The Catholic Thing. Robert Royal reflecte sobre o encontro pré-sinodal que teve lugar em Roma a semana passada e pesa os prós e os contras desta forma de pastoral juvenil. Uma análise interessante que vale a pena ler.

Duas Juventudes

No passado Domingo de Ramos, 2.500 alunos de 150 universidades em todo o mundo reuniram-se em Roma para o UNIVFORUM 2018, um encontro de uma semana para aprofundar a compreensão do catolicismo e a sua relação com o futuro do mundo. O Opus Dei tem organizado encontros do género desde 1968. Os delegados participarão numa audiência papal a apresentarão ao Santo Padre dinheiro que angariaram para caridade, bem como um mosaico de Maria, Mãe da Igreja (para os cristãos na Síria). As suas deliberações terminam no Domingo de Páscoa.

Estes não são, convém deixar claro, os 305 jovens delegados convidados pelo Papa Francisco para o encontro pré-sinodal que decorreu no Vaticano na semana passada, que eu descrevi noutro artigo. Esses jovens concluíram as suas actividades no mesmo Domingo de Ramos, apresentando ao Papa um relatório nalguns pontos útil, noutros previsivelmente contraditório e heterodoxo, em particular na esperança de que a doutrina da Igreja se possa adaptar de certa forma – independentemente das Escrituras, da tradição e das próprias palavras de Jesus – aos actuais modos de vida, em claro contraste com o Cristianismo histórico.

Resumindo, nestas duas semanas antes da Páscoa tivemos, em Roma, duas visões muito diferentes de como abordar os jovens. Admitamos, por uma questão de justiça, que ambas têm vantagens e desvantagens.

A UNIVFORUM 2018, como quase tudo o que é organizado pelo Opus Dei, é um evento bem pensado, com um enfoque claro. Inclui organizações e indivíduos que o meu colega George Weigel defende deviam estar presentes no sínodo de Outubro, pelas provas dadas em termos de sucesso de pastoral juvenil. O programa deste ano olha de forma particular para o Maio de 1968, com as suas expectativas utópicas, e pergunta se, meio-século mais tarde, as promessas de liberdade e felicidade humanas foram cumpridas.

Em contraste, a reunião pré-sinodal juntou um grupo heterogéneo (jovens católicos sérios, jovens católicos confusos, não crentes e até alguns muçulmanos). Alguns temas polémicos entraram na discussão, como por exemplo o apelo por mulheres cardeais, feito por defensores da ordenação feminina, mas em geral os delegados reflectiram os muitos temas que se esperaria ouvir de um encontro de jovens: um maior desejo por acompanhamento no desenvolvimento da fé (sem uma Igreja moralista ou julgadora), o papel das mulheres na Igreja, justiça social e alguma discordância quanto ao ensinamento da Igreja sobre sexo, casamento, homossexuais e celibato sacerdotal. Também houve questões sobre a própria existência de Deus e esperança de que a Igreja consiga explicar melhor a doutrina ou as escrituras. Alguns querem um acompanhamento mais próximo por parte da Igreja, outros temem que esse acompanhamento possa limitar a sua liberdade.

Temos aqui dois pontificados em operação. No evento do Opus Dei temos algo como a abordagem de João Paulo II no início de Veritatis Splendor, em que de evoca o “jovem rico” dos Evangelhos que pergunta a Jesus o que deve fazer para ter a vida eterna. A resposta, claro está, é deixar tudo e segui-lo. O enfoque principal é trabalhar sobretudo com jovens já comprometidos com a Igreja e ajudá-los a comprometer-se ainda mais para, só então, sair para convencer outros.

A segunda abordagem, do Papa Francisco, parte do princípio que muitos já abandonaram a Igreja porque também eles não gostam do que Jesus pede. Mas outros porque ainda ninguém lhes desafiou, ou porque não compreenderam bem. Ou então por causa de obstáculos colocados no seu caminho pela própria Igreja, que precisam de ser removidos.

Francisco costuma convidar as pessoas a falar sem medo e sem hesitações, pensando que “sempre se fez assim”. Esse convite ajuda-os a sentirem-se parte de um processo e traz assuntos à superfície. Mas também é um risco, pois ameaça virar as questões ao contrário. Uma boa parte dos participantes do encontro pré-sinodal – com pouca experiência de Deus ou do mundo – sentem-se menos chamados a mudar-se a si mesmos e mais a dizer; bem, se não é preciso fazer as coisas como sempre foram feitas, então é sobretudo a Igreja que deve mudar.

E deve, como devemos todos, se tenciona manter-se viva. A questão está em saber como. O grande Cardeal Newman costumava dizer que “a mudança é prova de vida e ser perfeito é ter mudado muito”. Mas há uma diferença entre uma mudança que conserva e enaltece fielmente e mudança que transforma em algo fundamentalmente diferente. Esse tipo de perspectiva desempenha um papel menor no relatório dos jovens. E não admira, porque da parte dos adultos houve pouco encorajamento por valores como a fidelidade e a verdade. A ênfase foi para que os jovens falassem na sua própria voz – uma categoria em tempos reservada a grandes poetas e romancistas, o que significou, como é costume com jovens, que a maioria dos delegados se limitou a ecoar aquilo que tem ouvido dos seus pares.

Papa Francisco com os jovens no encontro pré-sinodal
Há aqui muita coisa que não deve admirar os padres sinodais. Alguns jovens estão a sugerir que este documento mudará o rumo da Igreja. Um escreveu mesmo no Twitter que “Se este documento não resultar numa mudança sísmica em como ministramos a, e com, os jovens, então não está a ser lido correctamente”.

Mudanças sísmicas, mudanças de paradigma – na era das redes sociais há uma grande tentação de dramatizar, mesmo que se trate de um relatório de um comité de jovens, após um breve encontro com outros, previamente desconhecidos uns dos outros, e sugestões de 15 mil seguidores do Facebook. 

Mas o terreno não mudou e, recordemos, o objectivo não é simplesmente melhor pastoral juvenil. O que queremos sempre saber é se mais jovens vão ser conduzidos a Jesus Cristo – o verdadeiro, das Escrituras, preservado pelo Espírito Santo no seu Corpo Místico, a Igreja.

O acompanhamento costumava significar família, depois paróquia e comunidade. Os jovens reconhecem isto no seu relatório – bem como a crise das famílias, o futuro incerto de muitas paróquias e a hostilidade do Estado moderno para com a religião em geral e o Catolicismo em particular. Eles compreendem que algo tem de ser feito para compensar o desaparecimento de velhas formas de formar identidade, mas não sabem bem o quê.

E aqui está outro dilema: será que se pode beneficiar da força da Fé se rejeitar os necessários juízos não de pessoas, mas de verdade e falsidade, de coisas que exigem uma decisão? Coisas que podem restaurar a família, paróquia, sociedade, uma vez que estes não têm substitutos? Se a Igreja não der uma mão orientadora firme – se querem que ela lá esteja (como os pais) se falharem, mas não querem seguir os seus conselhos – então que utilidade terá para a maioria dos crentes?

O Papa Francisco publicou recentemente o livro “Deus é Jovem”, que reflecte, em parte a famosa fórmula de Santo Agostinho sobre a beleza de Deus: tam antiqua, tam nova, “sempre antiga, sempre nova”. Os jovens que vieram a Roma a semana passada alcançaram algo de valor real, embora parcial. Resta ver se os adultos, adultos responsáveis, conseguem retirar daí algo de bom em Outubro.


Robert Royal é editor de The Catholic Thing e presidente do Faith and Reason Institute em Washington D.C. O seu mais recente livro é A Deeper Vision: The Catholic Intellectual Tradition in the Twentieth Century, da Ignatius Press. The God That Did Not Fail: How Religion Built and Sustains the West está também disponível pela Encounter Books.

(Publicado pela primeira vez em The Catholic Thing na Segunda-feira, 26 de Março de 2018)

© 2018 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

Partilhar