quarta-feira, 30 de Julho de 2014

Vontades inquebráveis em Gaza e justos no Iraque

E não esqueçam!!!
Hoje temos uma edição quase totalmente médio-oriental…

Gaza continua debaixo de fogo, por isso falei com os directores de duas agências católicas que socorrem os habitantes daquela região da Palestina, onde a Igreja se recusa a abandonar os civis à sua sorte.

O padre Raed, da Cáritas, diz que o poderio militar israelita não poderá quebrar a vontade do povo palestiniano, e Matt McGarry fala de uma situação “horrível, que está a piorar”, como podem ver nas transcrições completas das entrevistas, no blogue.


Por ser quarta-feira temos também artigo novo do The Catholic Thing. David Warren fala do sofrimento dos cristãos no Iraque, mas não esquece os muçulmanos que tudo têm arriscado para salvar os seus vizinhos perseguidos. Uma excelente perspectiva do problema.

Por fim, e para dar um toque mais português, uma notícia sobre os alunos da Católica que mudaram a vida dos habitantes de “Vale de Papas”.


Gaza is “truly horrible and really getting worse”

Full transcript of interview with Matthew McGarry, head of Catholic Relief Services in Palestine, on the situation in Gaza. News item (in Portuguese), can be found here.

Transcrição completa da entrevista a Matthew McGarry, responsável da Catholic Relief Services na Palestina, sobre a situação em Gaza. Pode ler a reportagem aqui.


How often are you in contact with your team in Gaza?
It depends on power, the power situation has been quite bad the last few days, but generally I am able to touch base 2 or 3 times a day, via phone call or SMS.

How would you describe the situation in Gaza at the moment?
It’s truly horrible and really getting worse. Gaza is a difficult place in what passes for normal circumstances, but with the escalation over the last three weeks, with the damage to the power plant, the sheer number of people displaced, its truly becoming completely unsustainable, potentially catastrophic situation.

Catholic Relief Services work with the whole population, correct?
That's correct. We've had an office in Gaza for over 30 years at this point, we have a network of partner organizations, we coordinate our work with the local church and work with a variety of partners but we are a needs based organization, that works based on needs not creed.

Has Hamas's rise to power made your work more difficult?
There are certain constraints. Being a US organization, obviously the blockade of Gaza since 2007 has created a lot of difficulties in economic activity and movement of goods. We are able to coordinate our activities through the UN Cluster System, through our connections with local partner organizations, our relationship with the church and our extremely talented hard working staff.

There was news that the only Latin Catholic Parish in Gaza had been hit by shelling. Can you confirm that?
I can't confirm that, I would refer you to the Latin Patriarchate. We are in contact with them, but I would not want to speak on their behalf.

The local priest says the Hamas militants fire rockets from nearby and hide in the alleys. The idea that we get overseas is that seems to be how Hamas works, they fire from civilian areas and then those areas get hit by Israeli shelling. Do you see any solution for this situation at the moment? Any way to avoid more civilian deaths?
As an agency, from the start of this most recent escalation we have been calling for an unconditional cease-fire. As an organization, our staff are affected directly by this conflict, we are calling on all parties to unilaterally cease-fire and to resume negotiations for a sustainable solution to the blockade of Gaza. Gaza is in a completely unnatural, unsustainable position. The status quo in Gaza is not acceptable, so we call on everyone to cease the current escalation which has resulted in so much suffering and loss of life in Gaza and to find a sustainable long-lasting solution which allows the people of Gaza the freedom and dignity to which they are entitled.

Your staff in Gaza, are they mainly Christians?
We hire people based on ability, we don't screen based on gender, age or religious belief. Our staff has been affected by the conflict. We have one staff person who lost several family members in an airstrike, we have several staff who have had to flee their homes and move in with relatives because of damage to their homes or airstrikes nearby. We had one woman who was an intern in a programme we were running for job placement for the hearing impaired, who was killed at her home. So this is a conflict which touches everybody in Gaza.

Have you been able to get into Gaza since the conflict started?
Not since it started, no. We have one international staff person, an American, who is based there full time and she came out about 3 weeks ago when the fighting really intensified. For much of the last three weeks her office has been closed and staff have been working from their homes, or moving around as they are able, but the freedom of movement we need to carry out our activities just hasn't been safe.

We have used a few of the cease-fires to carry out distributions, we actually have one running this afternoon, but I would be more of a burden on staff, because they would have to waste their time making sure I was ok, rather than taking care of their families or doing their jobs.

Um centro dirigido pela CRS, na Palestina
You mentioned distribution... there has to be something to distribute... has it been easy to get assistance in, or are you working with stocks you already had?
We have been able to procure some items locally that were imported through legitimate channels via commercial vendors. We are in the process of procuring additional items which may need to be imported from the West Bank, we've had a great deal of support from our donors, USAID is facilitating the shipment of goods, so it’s been possible. Right now our distribution is focused on hygiene kits, kitchens, coking sets and water storage kits. We've covered 300 families so far, we are planning on another 200 or so today and scaling up to an additional 2500 families over the next 10 to 15 days, depending on security.

The images coming from Gaza show a people who are obviously very badly affected by what is going on, but their spirit seems to be set on resisting. Does this include the Christian population? Do they feel the same as their Muslim neighbours in this situation?
I wouldn't speak for somebody who has lived their entire life in Gaza. I visit every few weeks, but it is a very superficial exposure, I am able to come and go as I please with my US Passport.

The Christian community is very much a part of Gaza. Many of the families trace their history back generation after generation, there has been a Christian presence in and around Gaza for thousands of years. They are a small minority, but they are woven into the fabric of Gaza and they are Palestinians, they are Gazans. An errant tank shell, mortar or rocket does not discriminate between Muslims, Christians or Atheists. The Christian community has had its own losses and fatalities, roughly proportional to their representation in the larger community and are very determined to riding out the current conflict in a prayerful, hopeful way, and rebuilding a more sustainable, just future for Gaza as a whole.


"Israel can't keep controlling the will of a nation"

Father Raed greeting Pope Francis.
(From Fr. Raed's Facebook page)
Full transcript of my interview with Fr. Raed Abusahlia, head of Caritas Jerusalem, about the situation in Gaza. The news item, in Portuguese, can be found here.

Transcrição completa da entrevista com o padre Raed Abusahlia, dirigente da Cáritas Jerusalém, sobre a situação em Gaza. A reportagem pode ser lida aqui.

Whjat is the situation on the ground?
The situation in Gaza has been dramatic for 24 days. Escalation from both sides, huge damages to properties, but most important are the human casualties from both sides. Unfortunately we have had more than 1250 Palestinians from Gaza who were killed. Most are innocent people, women, children and old people. More than 7000 people were injured. More than 250.000 people who evacuated their homes and are living in the UN schools, so it is a huge humanitarian crisis and at the same time, from the Israeli side, there are casualties, mainly among the army and soldiers, with more than 55 soldiers killed. And the whole Israeli society is under fear and they are terrorized.

So our position is very clear. This should stop and end as soon as possible, to save more lives, mainly among innocent people.

Have the staff at Caritas in Gaza been able to do their job?
We work in Gaza since 1990, mainly in the medical field. We have a medical center in Al Shati refugee camp and we have a mobile clinic working in six different localities in the Gaza Strip.

Now the mobile clinic cannot move, but we work in our medical center and we are receiving a lot of casualties, especially children, who are transferred to our center from the UN schools.

Then we have an immediate intervention, working with the displaced people who are living in the two schools which belong to the Catholic and Orthodox church. We have 1100 people in the Holy Family Catholic Church and 1900 in the Orthodox School. So Caritas Jerusalem is providing them with food, daily meals, milk, gasoline, for over 1 week, and we will continue doing that.

We hope that someday, after the end of this conflict and the war, we will be able to have a long term intervention, because we launched an emergency appeal through our partners in Caritas Internationalis, and thank God we had a good response from many friends all over the world.

We will intervene in three directions. The first is food distribution for 3000 families, distribution for 3000 families in medical supplies for our center and three other medical centers in Gaza, including Al-Ahli Hospital, which is run by the Anglican church. So we have a huge responsibility and work to do.

The 14 members of our staff are working hard, day and night, and sometimes risking their lives. Hopefully they will remain safe.

You mentioned The Holy Family Catholic Parish in Gaza. I have seen news that it was hit by Israeli bombing. Can you confirm this?
Our parish of the Holy Family is located in the Al-Zeitoun quarter, which has been under attack for over 1 week, with bombardments from all sides. So the situation is severe and critical. The population of the quarter received messages from the Israeli army asking everybody to evacuate, but our Parish priest, who is Argentinean, did not want to evacuate the Church and the school because they also have the sisters of Mother Theresa who are taking care of 28 Handicapped people and nine old people. So the question is, if they leave, where do they take all these people? For this reason they prefer to remain there.

The Israeli jets bombarded the surrounding houses in the last few days, and these houses were completely destroyed. Due to the explosions, the windows of the School and the Church were broken, but it was not targeted directly, but there were damages due to the surrounding buildings, which were destroyed.

Are you from Gaza?
No, I am not. I am based in Jerusalem at the moment, but originally from the West Bank and also the Parish priest of Ramallah and general director of Caritas, but I was in Gaza recently and already the situation was dramatic, but now it is worse.

This conflict is between Israel and Hamas, because al-Fattah is not involved. Do the Christians in Gaza feel at all represented by Hamas? Are they tired of Hamas? What is the relationship like?
Firstly you have to know that the Christian population in the Gaza Strip is very, very small. They are only 1300 people, around 300 families, and we can say that their numbers decreased over the last 10 years, due to the occupation and the siege. They are really tired. But we can say that the relationship is good, we can't say they are persecuted, because at the end of the day they are Palestinians and part of the Palestinian people. They are Christians, Arabs and Palestinians, like their brothers and sisters who are Arabs, Palestinians and Muslims. But they are tired of the whole situation.

My opinion is that if the siege could be lifted and the crossing opened... if the conflict is not resolved I am afraid that many of them would leave to Egypt or Jordon, or come here to the West Bank, because they are tired.

For this reason, the best solution for everybody is that Israel and Hamas, under the umbrella of the Palestinian Authority, with this National Unity Government, sit down and negotiate and resolve the root cause of this conflict, which is the occupation, which should end as soon as possible.

There is no military solution to this conflict. Israel, with its military might can't keep controlling the will of a nation, of a people asking for their freedom. Of course, in the case of Gaza Strip, they have to lift the siege and at the same time open the crossing at both sides, the Egyptian side and the Israeli side, so that the people of Gaza can live a normal life.

If the crossings from both sides are under the control of the Palestinian Authority, with an International presence, the crossing and the borders will be controlled. Hamas will not have any excuse to dig these thousands of tunnels which are underground from both sides.

So we say, really, ending this conflict, putting Gaza under the Palestinian Authority with an International presence, is in the interest of Israel and the Israeli people.


A Fuga do Iraque

David Warren
Quando os americanos (“e aliados”) ocuparam Cabul, descobriram que um dos velhos clichés sobre o Afeganistão estava, afinal, errado. Não era verdade que já não existiam judeus no país. Um cavalheiro idoso surgiu de entre os destroços, um certo Ishaq Levin (que Deus o guarde). Durante todos aqueles anos tinha evitado dar nas vistas, mas agora estava convicto que era seguro emergir.

E ainda havia outro. Talvez tenha ouvido falar nele uma vez que a sua história foi adaptada para uma pequena peça de teatro em Londres. Zabolon Simenov (a ortografia varia) era negociante de tapetes e vendedor de kebabs e tinha sobrevivido aos Talibans, mantendo-se secretamente judeu. A sua família, incluindo duas filhas, tinha fugido para Israel há muito tempo.

Da última vez que ouvi falar nele continuava a recusar partir, acreditando que enquanto filho e neto de rabinos distintos, vivendo no que restava de uma sinagoga, tinha a obrigação de permanecer, se possível. O negócio dos kebabs, contudo, já não é o que era – as bombas persistentes mantêm os clientes à distância – pelo que foi obrigado a fechar o restaurante.

Lembrei-me desta história pouco depois de ter escrito no meu próprio site, no passado domingo, que “pela primeira vez em mais de 18 séculos, não há cristãos em Mossul”, no Iraque. Actualmente, a informação de que disponho é de que dezenas, talvez centenas, permaneceram e encontram-se escondidos.

Mas os poucos milhares que havia anteriormente, apesar de uma variedade de provações, naquilo que em tempos já foi uma cidade cristã e continua a ser a sede nominal da Santa Igreja Apostólica Católica Assíria do Oriente [que não se encontra em comunhão com nenhuma outra Igreja apostólica], fugiram, na sua maioria para o Curdistão.

A alternativa dada pelo Estado Islâmico, o exército fanático que actualmente controla regiões inteiras do Oeste do Iraque e Este da Síria, que rebaptizou de “califado”, era a morte. Os relatos na imprensa repetem mecanicamente que as outras opções eram a conversão ao Islão ou o pagamento da jizyah, mas não têm espaço para explicar que estas não eram alternativas viáveis.

Já não vimos muitas reportagens sobre o Iraque, agora que as forças ocidentais foram retiradas, e a nossa escolha de amigos regionais limita-se aos terroristas de um lado e, do outro, dois regimes, do Assad na Síria e de Maliki, no Iraque, que se tornaram clientes de Teerão.

Ao abandonar as suas responsabilidades morais no Iraque, os nossos líderes ocidentais deixaram a outrora numerosa comunidade cristã entregue a si mesma. Mesmo enquanto as nossas tropas permaneciam no local, e tinham os meios para evitar o pior, o destino dos cristãos foi em larga medida ignorada. Estes, juntamente com outras minorias dentro do Iraque, eram um factor inconveniente num jogo maior.

Seria preciso um texto longo para explicar a impossibilidade da actual situação, mas vou tentar fazê-lo num parágrafo.

Embora os cristãos sempre tenham tido uma existência ténue em terras islâmicas (e vice versa, numa visão ainda mais longa), as suas comunidades maiores conseguiram sobreviver durante 14 séculos, através de um acordo tácito com os seus senhores muçulmanos. O Islão “tradicional” reconhecia de facto os cristãos e os judeus que permaneceram como “povos do Livro”, com algum direito à vida, embora não reconhecessem a conversão a estas religiões. Os muçulmanos taxavam-nos para conseguir rendimentos, inteligentemente impedindo os fanáticos de matar a galinha dos ovos de ouro. Mas com a subida do Islamismo “ideológico”, depois do nacionalismo árabe do século XX, tudo se complicou.

Cristãos obrigados a abandonar Mossul
Vale a pena mencionar dois factos importantes, que facilmente passam despercebidos na confusão dos nossos tempos. O primeiro é que em sítios como Raqaah, na Síria, a sobrevivência dos refugiados tem dependido dos vizinhos muçulmanos os esconderem, alimentarem e transportarem, uma vez que as suas casas foram marcadas e foram roubados pelos islamitas de tudo quanto possuíam.

Notem bem: Os muçulmanos defendem-nos quando nós os abandonámos.

Quando rezamos pelos cristãos devemos também rezar pelos muçulmanos que arriscam tudo para os abrigar – obviamente com a maior discrição. Isto ajuda-nos a não generalizar, dizendo que todos os muçulmanos são iguais, como se dizia que todos os alemães eram nazis. Mesmo que uma maioria tenha sido, no auge do sucesso de Wehrmacht, também existiam aqueles que os judeus apelidam de “justos entre as nações”.

Devemos aspirar a isto quando nos encontrarmos entre uma raça de perseguidores.

A outra questão a assinalar é sobre a “esperança”, em relação ao “tempo”. Talvez esteja a chegar o dia em que há tantos cristãos no Médio Oriente como judeus – isto é, um número que pode ser arredondado para zero. E talvez se siga um dia em que aconteça o mesmo na América, onde os cristãos são já uma minoria desprezada.

Mas isto não belisca o valor das comunidades cristãs que se perdem, cujas casas e igrejas são agora irreconhecíveis, eliminadas da paisagem.

Elas existiram, no seu tempo, como nós existimos no nosso. Essa dura realidade nunca pode ser apagada. Não há pardal que caia do céu que passe despercebido aos olhos de Deus.

Mas é este o nosso mundo, cheio de perseguições e injustiças, cheio de homens impiedosos e homicidas, à espera das suas oportunidades, até que as portas do Inferno se abram para poderem correr por elas a dentro. Tem sido sempre assim entre os homens, estes homens caídos em desgraça. É isso que os cristãos ensinam e não devemos abandonar a nossa fé agora que verificamos que os ensinamentos são verdadeiros.

A propósito, as cruzadas foram lançadas porque os cristãos da Terra Santa estavam a ser massacrados e o acesso aos lugares santos negado. A Cristandade oriental já tinha sofrido a sua quota-parte de derrotas, e sofreria mais até ser totalmente invadida. A Cristandade Ocidental decidiu contra-atacar, foi por isso que sobreviveu.

Não me parece haver “boas opções”, pelo menos nenhuma que possa preservar o modo de vida cristão quando este é atacado no Oriente e no Ocidente. Hoje, tudo o que sabemos defender são as nossas fontes de rendimento.

Mas Cristo prevaleceu, mesmo quando os seus apóstolos O abandonaram e ficaram reduzidos a um homem.


David Warren é o ex-director da revista Idler e é cronista no Ottowa Citizen. Tem uma larga experiência no próximo e extreme oriente. O seu blog pessoal chama-se Essays in Idelness.

(Publicado pela primeira vez no Sábado, 26 de Julho de 2014 em The Catholic Thing)

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing


terça-feira, 29 de Julho de 2014

Um elefante, um cavalo e um Leão encontram-se em Roma...

O Vaticano confirmou esta terça-feira a viagem do Papa Francisco às Filipinas e ao Sri Lanka, que se vai realizar em Janeiro de 2015.

A França disponibilizou-se para acolher famílias cristãs do Iraque, forçadas a fugir de Mossul por causa da perseguição movida pelo Estado Islâmico. Por um lado apetece aplaudir a situação, mas por outro os bispos iraquianos têm pedido insistentemente aos países ocidentais para não facilitarem um êxodo dos cristãos no Médio Oriente. Complexo, sem dúvida.

Foram hoje lançados pelos CTT dois selos que assinalam a exótica e luxuosa embaixada enviada por D. Manuel I ao Papa. A embaixada incluiu um elefante e um cavalo persa. O Leão (X) já lá estava.

Ontem divulguei o “dia aberto” do encontro internacional das Equipas de Jovens de Nossa Senhora, no próximo sábado, em Lisboa. Quem quiser ir e participar no almoço deve inscrever-se antes, efectuando o pagamento (irrisório) de cinco euros por adulto. Podem fazê-lo através deste link.

Mais uma vez chamo atenção para os mais recentes artigos do The Catholic Thing, uma vez que amanhã é dia de publicar outro. No primeiro, Randall Smith critica todos aqueles que falam de Deus vagamente como “um poder superior” ou uma “energia impessoal” e no segundo vira as suas atenções para os críticos do Concílio Vaticano II, com uma análise muito interessante do mesmo, que recomendo vivamente!


segunda-feira, 28 de Julho de 2014

Fim de Ramadão Sangrento

A letra N em árabe, usada para marcar as casas
de cristãos em Mossul e adoptada por muitos como
símbolo de solidariedade. Eu já adoptei, e você?
Estive de férias ao longo das últimas semanas e por isso tive de acompanhar “de longe” a tragédia que se tem abatido sobre o Iraque, onde o Estado Islâmico consolida o seu poder e todos os cristãos foram obrigados a fugir da região de Mossul.

A violência levou o Papa a pedir novamente, e de forma emocionada, um fim da guerra e construção da paz.

A sudanesa que tinha sido condenada à morte no Sudão por ser cristã está finalmente em liberdade, isto é, fora do Sudão, e viajou para Itália, onde foi recebida pelo Papa.

Hoje assinala-se o fim do Ramadão. Os muçulmanos de todo o mundo tentam festejar. Em Gaza, Iraque, Síria, Líbia, Nigéria e mesmo em partes das Filipinas, é complicado… No Paquistão, é sobretudo complicado para os membros da comunidade Ahmadi, considerada herética pelos restantes muçulmanos.

Durante as férias continuaram a ser publicados artigos do The Catholic Thing em português, curiosamente ambos de Randall Smith, um dos nossos contribuidores favoritos!


Termino com um convite dirigido sobretudo aos leitores que são, ou já foram, das Equipas de Jovens de Nossa Senhora. Decorre em Portugal o Encontro Internacional deste movimento, com cerca de 400 participantes de vários países. No sábado há um dia aberto em Belém, que começa com uma série de conferências na Casa Pia, junto aos Jerónimos, e termina com missa presidida pelo Patriarca D. Manuel Clemente, às 16h30. Apareçam!


quinta-feira, 24 de Julho de 2014

Um Concílio Pastoral e Dogmático

Randall Smith
Todos temos as nossas embirrações. Uma das minhas é quando ouço alguém a descrever o Vaticano II como um concílio “pastoral e não dogmático”. Apetece-me responder: “Então nunca chegou a ler os documentos, calculo”.

Os números falam por si. Dos 15 documentos oficiais do Concílio Vaticano II, três são “Constituições”. Duas destas são “Constituições dogmáticas”, uma sobre a Igreja (Lumen Gentium) e outra sobre a Revelação Divina (Dei Verbum). Depois há três “declarações”: Uma sobre educação religiosa, (Gravissimum Educationis), uma sobre a relação da Igreja com as religiões não-cristãs (Nostra Aetate) e uma sobre liberdade religiosa (Dignitatis Humanae). Acrescem oito “decretos” sobre: (1) a actividade missionária da Igreja, (2) o ministério e a vida Religiosa, (6) o múnus pastoral dos bispos, (7) o ecumenismo e (8), as Igrejas Católicas de Rito Oriental.

É de salientar que apenas dois destes quinze documentos contêm a palavra “pastoral” nos títulos: A Constituição Pastoral Sobre a Igreja no Mundo Moderno (Gaudium et Spes) e o Decreto Sobre o Múnus Pastoral dos Bispos na Igreja (Christus Dominus). E tanto um como o outro são inteiramente “doutrinais”.

Atenção, não quero ser mal entendido. Não estou a dizer que o Concílio não foi pastoral em muitos sentidos importantes. Pelo contrário, o problema é a dicotomia que algumas pessoas gostam de criar – coisa que não se encontra no concílio – entre “pastoral” por um lado e “dogmático” por outro, como se fossem duas formas diferentes de ser “religioso”. Esta dicotomia não só viola a “hermenêutica da continuidade” com a tradição multi-secular, em que Bento XVI tanto insistiu, mas coloca o Concílio numa ruptura com a “hermenêutica da continuidade” consigo mesmo.

Num ensaio, o historiador intellectual A.H. Armstrong exorta os seus leitores a “apreciar a dimensão original e inauditamente estranha do fenómeno da Igreja Cristã primitiva, quando vista da perspectiva da observância e da piedade das religiões tradicionais helénicas... A religião helénica enfatizava o culto, não o credo. O que era realmente importante era o cumprimento correcto de sacrifícios e ritos secretos de acordo com o que se considerava ser a tradição imemorial”.

Na maioria das religiões do mundo antigo, os “ensinamentos doutrinais e as instruções morais” simplesmente não diziam respeito ao clero.

“O contraste com a Igreja Cristã é evidente”, diz Armstrong. “Aqui o culto desenvolveu-se de forma bastante casual e apenas atingiu um alto grau de elaboração bastante mais tarde”. Embora os sacramentos e o culto público “tenham sido sempre centrais na vida cristã”, todavia, “aquilo que se ensina dentro e fora da Igreja, sobre a adoração e o Deus a quem esta se dirige e a forma como os fiéis devem viver, sempre interessou aos cristãos de uma forma que não tem paralelo no antigo mundo helénico.”

Outra diferença fulcral, diz Armstrong, é esta: “Toda a pregação e ensinamento de religião ou moral que era praticada na antiguidade era levada a cabo por filósofos, que tinham tanto a ver com a celebração do culto como quaisquer outros e nunca representaram nada que se parecesse com o estatuto nem a autoridade dos pregadores numa comunidade eclesial”.


Aquilo que a Igreja alcançou – especialmente no que diz respeito ao ministério do bispo e dos seus irmãos padres – foi uma integração fantástica destas duas funções: o papel do filósofo, por um lado, de pregar e ensinar a verdade e, por outro lado, o papel do sacerdote no templo, que exerciam os ritos sagrados.

Há muitos católicos, tanto de um lado com do outro da divisão tradicional entre “conservadores e liberais”, que preferiam que os nossos padres fossem do género pré-cristão, para quem “o que era realmente importante era o cumprimento correcto de sacrifícios e ritos secretos de acordo com o que se considerava ser a tradição imemorial”. A diferença é que os “conservadores” tendem a acreditar que estão a demonstrar fidelidade para com uma tradição medieval (mas que geralmente é sobretudo renascentista e do barroco tardio) enquanto os “liberais” julgam que estão a ir à raiz das práticas patrísticas iniciais (mas que, na realidade, tendem a ser reconstruções imaginativas, produzida por liturgistas de meados do século XX, que têm sido reveladas em larga medida como falsas por estudos mais recentes).

Seja como for, em ambos os lados da barricada há muitos que preferiam deixar todas as discussões filosóficas e intelectuais sobre “o Deus a quem o culto se dirige e a forma como os seus verdadeiros fiéis devem viver” (do género protagonizado pelo Papa João Paulo II e Bento XVI), de fora da igreja – a única diferença entre os dois está em saber o que é que o liberal ou o conservador preferiam ouvir em vez de doutrina. Para alguns o melhor são exortações piedosas, para outros, recomendações vagas sobre “ajudar os pobres”.

Queremos mesmo que o nosso padre nos fale e ensine sobre a Trindade, a Incarnação, a Ressurreição do Corpo, Salvação, Justificação, Santificação e os nossos deveres morais para com o nosso próximo? Queremos mesmo instrução profunda que nos leve a crescer na compreensão da fé? Queremos verdadeiramente que o padre nos desafie moralmente, tanto em termos da nossa vida interior e pessoal como em termos das nossas obrigações e responsabilidades para com os outros membros da sociedade?

Deixemo-nos de ilusões: Se vivesse na Igreja primitiva e o seu bispo fosse Ambrósio, ou Agostinho, ou Basílio de Cesareia, seria isso mesmo que ouviria – às pazadas.  

O Vaticano II foi um grande Concílio pastoral precisamente porque foi um grande concílio dogmático. Pensar que se pode dar cuidados pastorais correctos sem uma formação doutrinal sólida é como pensar que se consegue fazer uma cirurgia ao coração sem os conhecimentos adquiridos no curso de medicina.


Randall Smith é professor na Universidade de St. Thomas, Houston, onde recentemente foi nomeado para a Cátedra Scanlon em Teologia.

(Publicado pela primeira vez no Sábado, 19 de Julho de 2014 em 
The Catholic Thing)

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing


Partilhar