quarta-feira, 30 de julho de 2014

Vontades inquebráveis em Gaza e justos no Iraque

E não esqueçam!!!
Hoje temos uma edição quase totalmente médio-oriental…

Gaza continua debaixo de fogo, por isso falei com os directores de duas agências católicas que socorrem os habitantes daquela região da Palestina, onde a Igreja se recusa a abandonar os civis à sua sorte.

O padre Raed, da Cáritas, diz que o poderio militar israelita não poderá quebrar a vontade do povo palestiniano, e Matt McGarry fala de uma situação “horrível, que está a piorar”, como podem ver nas transcrições completas das entrevistas, no blogue.


Por ser quarta-feira temos também artigo novo do The Catholic Thing. David Warren fala do sofrimento dos cristãos no Iraque, mas não esquece os muçulmanos que tudo têm arriscado para salvar os seus vizinhos perseguidos. Uma excelente perspectiva do problema.

Por fim, e para dar um toque mais português, uma notícia sobre os alunos da Católica que mudaram a vida dos habitantes de “Vale de Papas”.

Gaza is “truly horrible and really getting worse”

Full transcript of interview with Matthew McGarry, head of Catholic Relief Services in Palestine, on the situation in Gaza. News item (in Portuguese), can be found here.

Transcrição completa da entrevista a Matthew McGarry, responsável da Catholic Relief Services na Palestina, sobre a situação em Gaza. Pode ler a reportagem aqui.


How often are you in contact with your team in Gaza?
It depends on power, the power situation has been quite bad the last few days, but generally I am able to touch base 2 or 3 times a day, via phone call or SMS.

How would you describe the situation in Gaza at the moment?
It’s truly horrible and really getting worse. Gaza is a difficult place in what passes for normal circumstances, but with the escalation over the last three weeks, with the damage to the power plant, the sheer number of people displaced, its truly becoming completely unsustainable, potentially catastrophic situation.

Catholic Relief Services work with the whole population, correct?
That's correct. We've had an office in Gaza for over 30 years at this point, we have a network of partner organizations, we coordinate our work with the local church and work with a variety of partners but we are a needs based organization, that works based on needs not creed.

Has Hamas's rise to power made your work more difficult?
There are certain constraints. Being a US organization, obviously the blockade of Gaza since 2007 has created a lot of difficulties in economic activity and movement of goods. We are able to coordinate our activities through the UN Cluster System, through our connections with local partner organizations, our relationship with the church and our extremely talented hard working staff.

There was news that the only Latin Catholic Parish in Gaza had been hit by shelling. Can you confirm that?
I can't confirm that, I would refer you to the Latin Patriarchate. We are in contact with them, but I would not want to speak on their behalf.

The local priest says the Hamas militants fire rockets from nearby and hide in the alleys. The idea that we get overseas is that seems to be how Hamas works, they fire from civilian areas and then those areas get hit by Israeli shelling. Do you see any solution for this situation at the moment? Any way to avoid more civilian deaths?
As an agency, from the start of this most recent escalation we have been calling for an unconditional cease-fire. As an organization, our staff are affected directly by this conflict, we are calling on all parties to unilaterally cease-fire and to resume negotiations for a sustainable solution to the blockade of Gaza. Gaza is in a completely unnatural, unsustainable position. The status quo in Gaza is not acceptable, so we call on everyone to cease the current escalation which has resulted in so much suffering and loss of life in Gaza and to find a sustainable long-lasting solution which allows the people of Gaza the freedom and dignity to which they are entitled.

Your staff in Gaza, are they mainly Christians?
We hire people based on ability, we don't screen based on gender, age or religious belief. Our staff has been affected by the conflict. We have one staff person who lost several family members in an airstrike, we have several staff who have had to flee their homes and move in with relatives because of damage to their homes or airstrikes nearby. We had one woman who was an intern in a programme we were running for job placement for the hearing impaired, who was killed at her home. So this is a conflict which touches everybody in Gaza.

Have you been able to get into Gaza since the conflict started?
Not since it started, no. We have one international staff person, an American, who is based there full time and she came out about 3 weeks ago when the fighting really intensified. For much of the last three weeks her office has been closed and staff have been working from their homes, or moving around as they are able, but the freedom of movement we need to carry out our activities just hasn't been safe.

We have used a few of the cease-fires to carry out distributions, we actually have one running this afternoon, but I would be more of a burden on staff, because they would have to waste their time making sure I was ok, rather than taking care of their families or doing their jobs.

Um centro dirigido pela CRS, na Palestina
You mentioned distribution... there has to be something to distribute... has it been easy to get assistance in, or are you working with stocks you already had?
We have been able to procure some items locally that were imported through legitimate channels via commercial vendors. We are in the process of procuring additional items which may need to be imported from the West Bank, we've had a great deal of support from our donors, USAID is facilitating the shipment of goods, so it’s been possible. Right now our distribution is focused on hygiene kits, kitchens, coking sets and water storage kits. We've covered 300 families so far, we are planning on another 200 or so today and scaling up to an additional 2500 families over the next 10 to 15 days, depending on security.

The images coming from Gaza show a people who are obviously very badly affected by what is going on, but their spirit seems to be set on resisting. Does this include the Christian population? Do they feel the same as their Muslim neighbours in this situation?
I wouldn't speak for somebody who has lived their entire life in Gaza. I visit every few weeks, but it is a very superficial exposure, I am able to come and go as I please with my US Passport.

The Christian community is very much a part of Gaza. Many of the families trace their history back generation after generation, there has been a Christian presence in and around Gaza for thousands of years. They are a small minority, but they are woven into the fabric of Gaza and they are Palestinians, they are Gazans. An errant tank shell, mortar or rocket does not discriminate between Muslims, Christians or Atheists. The Christian community has had its own losses and fatalities, roughly proportional to their representation in the larger community and are very determined to riding out the current conflict in a prayerful, hopeful way, and rebuilding a more sustainable, just future for Gaza as a whole.

"Israel can't keep controlling the will of a nation"

Father Raed greeting Pope Francis.
(From Fr. Raed's Facebook page)
Full transcript of my interview with Fr. Raed Abusahlia, head of Caritas Jerusalem, about the situation in Gaza. The news item, in Portuguese, can be found here.

Transcrição completa da entrevista com o padre Raed Abusahlia, dirigente da Cáritas Jerusalém, sobre a situação em Gaza. A reportagem pode ser lida aqui.

Whjat is the situation on the ground?
The situation in Gaza has been dramatic for 24 days. Escalation from both sides, huge damages to properties, but most important are the human casualties from both sides. Unfortunately we have had more than 1250 Palestinians from Gaza who were killed. Most are innocent people, women, children and old people. More than 7000 people were injured. More than 250.000 people who evacuated their homes and are living in the UN schools, so it is a huge humanitarian crisis and at the same time, from the Israeli side, there are casualties, mainly among the army and soldiers, with more than 55 soldiers killed. And the whole Israeli society is under fear and they are terrorized.

So our position is very clear. This should stop and end as soon as possible, to save more lives, mainly among innocent people.

Have the staff at Caritas in Gaza been able to do their job?
We work in Gaza since 1990, mainly in the medical field. We have a medical center in Al Shati refugee camp and we have a mobile clinic working in six different localities in the Gaza Strip.

Now the mobile clinic cannot move, but we work in our medical center and we are receiving a lot of casualties, especially children, who are transferred to our center from the UN schools.

Then we have an immediate intervention, working with the displaced people who are living in the two schools which belong to the Catholic and Orthodox church. We have 1100 people in the Holy Family Catholic Church and 1900 in the Orthodox School. So Caritas Jerusalem is providing them with food, daily meals, milk, gasoline, for over 1 week, and we will continue doing that.

We hope that someday, after the end of this conflict and the war, we will be able to have a long term intervention, because we launched an emergency appeal through our partners in Caritas Internationalis, and thank God we had a good response from many friends all over the world.

We will intervene in three directions. The first is food distribution for 3000 families, distribution for 3000 families in medical supplies for our center and three other medical centers in Gaza, including Al-Ahli Hospital, which is run by the Anglican church. So we have a huge responsibility and work to do.

The 14 members of our staff are working hard, day and night, and sometimes risking their lives. Hopefully they will remain safe.

You mentioned The Holy Family Catholic Parish in Gaza. I have seen news that it was hit by Israeli bombing. Can you confirm this?
Our parish of the Holy Family is located in the Al-Zeitoun quarter, which has been under attack for over 1 week, with bombardments from all sides. So the situation is severe and critical. The population of the quarter received messages from the Israeli army asking everybody to evacuate, but our Parish priest, who is Argentinean, did not want to evacuate the Church and the school because they also have the sisters of Mother Theresa who are taking care of 28 Handicapped people and nine old people. So the question is, if they leave, where do they take all these people? For this reason they prefer to remain there.

The Israeli jets bombarded the surrounding houses in the last few days, and these houses were completely destroyed. Due to the explosions, the windows of the School and the Church were broken, but it was not targeted directly, but there were damages due to the surrounding buildings, which were destroyed.

Are you from Gaza?
No, I am not. I am based in Jerusalem at the moment, but originally from the West Bank and also the Parish priest of Ramallah and general director of Caritas, but I was in Gaza recently and already the situation was dramatic, but now it is worse.

This conflict is between Israel and Hamas, because al-Fattah is not involved. Do the Christians in Gaza feel at all represented by Hamas? Are they tired of Hamas? What is the relationship like?
Firstly you have to know that the Christian population in the Gaza Strip is very, very small. They are only 1300 people, around 300 families, and we can say that their numbers decreased over the last 10 years, due to the occupation and the siege. They are really tired. But we can say that the relationship is good, we can't say they are persecuted, because at the end of the day they are Palestinians and part of the Palestinian people. They are Christians, Arabs and Palestinians, like their brothers and sisters who are Arabs, Palestinians and Muslims. But they are tired of the whole situation.

My opinion is that if the siege could be lifted and the crossing opened... if the conflict is not resolved I am afraid that many of them would leave to Egypt or Jordon, or come here to the West Bank, because they are tired.

For this reason, the best solution for everybody is that Israel and Hamas, under the umbrella of the Palestinian Authority, with this National Unity Government, sit down and negotiate and resolve the root cause of this conflict, which is the occupation, which should end as soon as possible.

There is no military solution to this conflict. Israel, with its military might can't keep controlling the will of a nation, of a people asking for their freedom. Of course, in the case of Gaza Strip, they have to lift the siege and at the same time open the crossing at both sides, the Egyptian side and the Israeli side, so that the people of Gaza can live a normal life.

If the crossings from both sides are under the control of the Palestinian Authority, with an International presence, the crossing and the borders will be controlled. Hamas will not have any excuse to dig these thousands of tunnels which are underground from both sides.

So we say, really, ending this conflict, putting Gaza under the Palestinian Authority with an International presence, is in the interest of Israel and the Israeli people.

A Fuga do Iraque

David Warren
Quando os americanos (“e aliados”) ocuparam Cabul, descobriram que um dos velhos clichés sobre o Afeganistão estava, afinal, errado. Não era verdade que já não existiam judeus no país. Um cavalheiro idoso surgiu de entre os destroços, um certo Ishaq Levin (que Deus o guarde). Durante todos aqueles anos tinha evitado dar nas vistas, mas agora estava convicto que era seguro emergir.

E ainda havia outro. Talvez tenha ouvido falar nele uma vez que a sua história foi adaptada para uma pequena peça de teatro em Londres. Zabolon Simenov (a ortografia varia) era negociante de tapetes e vendedor de kebabs e tinha sobrevivido aos Talibans, mantendo-se secretamente judeu. A sua família, incluindo duas filhas, tinha fugido para Israel há muito tempo.

Da última vez que ouvi falar nele continuava a recusar partir, acreditando que enquanto filho e neto de rabinos distintos, vivendo no que restava de uma sinagoga, tinha a obrigação de permanecer, se possível. O negócio dos kebabs, contudo, já não é o que era – as bombas persistentes mantêm os clientes à distância – pelo que foi obrigado a fechar o restaurante.

Lembrei-me desta história pouco depois de ter escrito no meu próprio site, no passado domingo, que “pela primeira vez em mais de 18 séculos, não há cristãos em Mossul”, no Iraque. Actualmente, a informação de que disponho é de que dezenas, talvez centenas, permaneceram e encontram-se escondidos.

Mas os poucos milhares que havia anteriormente, apesar de uma variedade de provações, naquilo que em tempos já foi uma cidade cristã e continua a ser a sede nominal da Santa Igreja Apostólica Católica Assíria do Oriente [que não se encontra em comunhão com nenhuma outra Igreja apostólica], fugiram, na sua maioria para o Curdistão.

A alternativa dada pelo Estado Islâmico, o exército fanático que actualmente controla regiões inteiras do Oeste do Iraque e Este da Síria, que rebaptizou de “califado”, era a morte. Os relatos na imprensa repetem mecanicamente que as outras opções eram a conversão ao Islão ou o pagamento da jizyah, mas não têm espaço para explicar que estas não eram alternativas viáveis.

Já não vimos muitas reportagens sobre o Iraque, agora que as forças ocidentais foram retiradas, e a nossa escolha de amigos regionais limita-se aos terroristas de um lado e, do outro, dois regimes, do Assad na Síria e de Maliki, no Iraque, que se tornaram clientes de Teerão.

Ao abandonar as suas responsabilidades morais no Iraque, os nossos líderes ocidentais deixaram a outrora numerosa comunidade cristã entregue a si mesma. Mesmo enquanto as nossas tropas permaneciam no local, e tinham os meios para evitar o pior, o destino dos cristãos foi em larga medida ignorada. Estes, juntamente com outras minorias dentro do Iraque, eram um factor inconveniente num jogo maior.

Seria preciso um texto longo para explicar a impossibilidade da actual situação, mas vou tentar fazê-lo num parágrafo.

Embora os cristãos sempre tenham tido uma existência ténue em terras islâmicas (e vice versa, numa visão ainda mais longa), as suas comunidades maiores conseguiram sobreviver durante 14 séculos, através de um acordo tácito com os seus senhores muçulmanos. O Islão “tradicional” reconhecia de facto os cristãos e os judeus que permaneceram como “povos do Livro”, com algum direito à vida, embora não reconhecessem a conversão a estas religiões. Os muçulmanos taxavam-nos para conseguir rendimentos, inteligentemente impedindo os fanáticos de matar a galinha dos ovos de ouro. Mas com a subida do Islamismo “ideológico”, depois do nacionalismo árabe do século XX, tudo se complicou.

Cristãos obrigados a abandonar Mossul
Vale a pena mencionar dois factos importantes, que facilmente passam despercebidos na confusão dos nossos tempos. O primeiro é que em sítios como Raqaah, na Síria, a sobrevivência dos refugiados tem dependido dos vizinhos muçulmanos os esconderem, alimentarem e transportarem, uma vez que as suas casas foram marcadas e foram roubados pelos islamitas de tudo quanto possuíam.

Notem bem: Os muçulmanos defendem-nos quando nós os abandonámos.

Quando rezamos pelos cristãos devemos também rezar pelos muçulmanos que arriscam tudo para os abrigar – obviamente com a maior discrição. Isto ajuda-nos a não generalizar, dizendo que todos os muçulmanos são iguais, como se dizia que todos os alemães eram nazis. Mesmo que uma maioria tenha sido, no auge do sucesso de Wehrmacht, também existiam aqueles que os judeus apelidam de “justos entre as nações”.

Devemos aspirar a isto quando nos encontrarmos entre uma raça de perseguidores.

A outra questão a assinalar é sobre a “esperança”, em relação ao “tempo”. Talvez esteja a chegar o dia em que há tantos cristãos no Médio Oriente como judeus – isto é, um número que pode ser arredondado para zero. E talvez se siga um dia em que aconteça o mesmo na América, onde os cristãos são já uma minoria desprezada.

Mas isto não belisca o valor das comunidades cristãs que se perdem, cujas casas e igrejas são agora irreconhecíveis, eliminadas da paisagem.

Elas existiram, no seu tempo, como nós existimos no nosso. Essa dura realidade nunca pode ser apagada. Não há pardal que caia do céu que passe despercebido aos olhos de Deus.

Mas é este o nosso mundo, cheio de perseguições e injustiças, cheio de homens impiedosos e homicidas, à espera das suas oportunidades, até que as portas do Inferno se abram para poderem correr por elas a dentro. Tem sido sempre assim entre os homens, estes homens caídos em desgraça. É isso que os cristãos ensinam e não devemos abandonar a nossa fé agora que verificamos que os ensinamentos são verdadeiros.

A propósito, as cruzadas foram lançadas porque os cristãos da Terra Santa estavam a ser massacrados e o acesso aos lugares santos negado. A Cristandade oriental já tinha sofrido a sua quota-parte de derrotas, e sofreria mais até ser totalmente invadida. A Cristandade Ocidental decidiu contra-atacar, foi por isso que sobreviveu.

Não me parece haver “boas opções”, pelo menos nenhuma que possa preservar o modo de vida cristão quando este é atacado no Oriente e no Ocidente. Hoje, tudo o que sabemos defender são as nossas fontes de rendimento.

Mas Cristo prevaleceu, mesmo quando os seus apóstolos O abandonaram e ficaram reduzidos a um homem.


David Warren é o ex-director da revista Idler e é cronista no Ottowa Citizen. Tem uma larga experiência no próximo e extreme oriente. O seu blog pessoal chama-se Essays in Idelness.

(Publicado pela primeira vez no Sábado, 26 de Julho de 2014 em The Catholic Thing)

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing

terça-feira, 29 de julho de 2014

Um elefante, um cavalo e um Leão encontram-se em Roma...

O Vaticano confirmou esta terça-feira a viagem do Papa Francisco às Filipinas e ao Sri Lanka, que se vai realizar em Janeiro de 2015.

A França disponibilizou-se para acolher famílias cristãs do Iraque, forçadas a fugir de Mossul por causa da perseguição movida pelo Estado Islâmico. Por um lado apetece aplaudir a situação, mas por outro os bispos iraquianos têm pedido insistentemente aos países ocidentais para não facilitarem um êxodo dos cristãos no Médio Oriente. Complexo, sem dúvida.

Foram hoje lançados pelos CTT dois selos que assinalam a exótica e luxuosa embaixada enviada por D. Manuel I ao Papa. A embaixada incluiu um elefante e um cavalo persa. O Leão (X) já lá estava.

Ontem divulguei o “dia aberto” do encontro internacional das Equipas de Jovens de Nossa Senhora, no próximo sábado, em Lisboa. Quem quiser ir e participar no almoço deve inscrever-se antes, efectuando o pagamento (irrisório) de cinco euros por adulto. Podem fazê-lo através deste link.

Mais uma vez chamo atenção para os mais recentes artigos do The Catholic Thing, uma vez que amanhã é dia de publicar outro. No primeiro, Randall Smith critica todos aqueles que falam de Deus vagamente como “um poder superior” ou uma “energia impessoal” e no segundo vira as suas atenções para os críticos do Concílio Vaticano II, com uma análise muito interessante do mesmo, que recomendo vivamente!

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Fim de Ramadão Sangrento

A letra N em árabe, usada para marcar as casas
de cristãos em Mossul e adoptada por muitos como
símbolo de solidariedade. Eu já adoptei, e você?
Estive de férias ao longo das últimas semanas e por isso tive de acompanhar “de longe” a tragédia que se tem abatido sobre o Iraque, onde o Estado Islâmico consolida o seu poder e todos os cristãos foram obrigados a fugir da região de Mossul.

A violência levou o Papa a pedir novamente, e de forma emocionada, um fim da guerra e construção da paz.

A sudanesa que tinha sido condenada à morte no Sudão por ser cristã está finalmente em liberdade, isto é, fora do Sudão, e viajou para Itália, onde foi recebida pelo Papa.

Hoje assinala-se o fim do Ramadão. Os muçulmanos de todo o mundo tentam festejar. Em Gaza, Iraque, Síria, Líbia, Nigéria e mesmo em partes das Filipinas, é complicado… No Paquistão, é sobretudo complicado para os membros da comunidade Ahmadi, considerada herética pelos restantes muçulmanos.

Durante as férias continuaram a ser publicados artigos do The Catholic Thing em português, curiosamente ambos de Randall Smith, um dos nossos contribuidores favoritos!


Termino com um convite dirigido sobretudo aos leitores que são, ou já foram, das Equipas de Jovens de Nossa Senhora. Decorre em Portugal o Encontro Internacional deste movimento, com cerca de 400 participantes de vários países. No sábado há um dia aberto em Belém, que começa com uma série de conferências na Casa Pia, junto aos Jerónimos, e termina com missa presidida pelo Patriarca D. Manuel Clemente, às 16h30. Apareçam!

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Um Concílio Pastoral e Dogmático

Randall Smith
Todos temos as nossas embirrações. Uma das minhas é quando ouço alguém a descrever o Vaticano II como um concílio “pastoral e não dogmático”. Apetece-me responder: “Então nunca chegou a ler os documentos, calculo”.

Os números falam por si. Dos 15 documentos oficiais do Concílio Vaticano II, três são “Constituições”. Duas destas são “Constituições dogmáticas”, uma sobre a Igreja (Lumen Gentium) e outra sobre a Revelação Divina (Dei Verbum). Depois há três “declarações”: Uma sobre educação religiosa, (Gravissimum Educationis), uma sobre a relação da Igreja com as religiões não-cristãs (Nostra Aetate) e uma sobre liberdade religiosa (Dignitatis Humanae). Acrescem oito “decretos” sobre: (1) a actividade missionária da Igreja, (2) o ministério e a vida Religiosa, (6) o múnus pastoral dos bispos, (7) o ecumenismo e (8), as Igrejas Católicas de Rito Oriental.

É de salientar que apenas dois destes quinze documentos contêm a palavra “pastoral” nos títulos: A Constituição Pastoral Sobre a Igreja no Mundo Moderno (Gaudium et Spes) e o Decreto Sobre o Múnus Pastoral dos Bispos na Igreja (Christus Dominus). E tanto um como o outro são inteiramente “doutrinais”.

Atenção, não quero ser mal entendido. Não estou a dizer que o Concílio não foi pastoral em muitos sentidos importantes. Pelo contrário, o problema é a dicotomia que algumas pessoas gostam de criar – coisa que não se encontra no concílio – entre “pastoral” por um lado e “dogmático” por outro, como se fossem duas formas diferentes de ser “religioso”. Esta dicotomia não só viola a “hermenêutica da continuidade” com a tradição multi-secular, em que Bento XVI tanto insistiu, mas coloca o Concílio numa ruptura com a “hermenêutica da continuidade” consigo mesmo.

Num ensaio, o historiador intellectual A.H. Armstrong exorta os seus leitores a “apreciar a dimensão original e inauditamente estranha do fenómeno da Igreja Cristã primitiva, quando vista da perspectiva da observância e da piedade das religiões tradicionais helénicas... A religião helénica enfatizava o culto, não o credo. O que era realmente importante era o cumprimento correcto de sacrifícios e ritos secretos de acordo com o que se considerava ser a tradição imemorial”.

Na maioria das religiões do mundo antigo, os “ensinamentos doutrinais e as instruções morais” simplesmente não diziam respeito ao clero.

“O contraste com a Igreja Cristã é evidente”, diz Armstrong. “Aqui o culto desenvolveu-se de forma bastante casual e apenas atingiu um alto grau de elaboração bastante mais tarde”. Embora os sacramentos e o culto público “tenham sido sempre centrais na vida cristã”, todavia, “aquilo que se ensina dentro e fora da Igreja, sobre a adoração e o Deus a quem esta se dirige e a forma como os fiéis devem viver, sempre interessou aos cristãos de uma forma que não tem paralelo no antigo mundo helénico.”

Outra diferença fulcral, diz Armstrong, é esta: “Toda a pregação e ensinamento de religião ou moral que era praticada na antiguidade era levada a cabo por filósofos, que tinham tanto a ver com a celebração do culto como quaisquer outros e nunca representaram nada que se parecesse com o estatuto nem a autoridade dos pregadores numa comunidade eclesial”.


Aquilo que a Igreja alcançou – especialmente no que diz respeito ao ministério do bispo e dos seus irmãos padres – foi uma integração fantástica destas duas funções: o papel do filósofo, por um lado, de pregar e ensinar a verdade e, por outro lado, o papel do sacerdote no templo, que exerciam os ritos sagrados.

Há muitos católicos, tanto de um lado com do outro da divisão tradicional entre “conservadores e liberais”, que preferiam que os nossos padres fossem do género pré-cristão, para quem “o que era realmente importante era o cumprimento correcto de sacrifícios e ritos secretos de acordo com o que se considerava ser a tradição imemorial”. A diferença é que os “conservadores” tendem a acreditar que estão a demonstrar fidelidade para com uma tradição medieval (mas que geralmente é sobretudo renascentista e do barroco tardio) enquanto os “liberais” julgam que estão a ir à raiz das práticas patrísticas iniciais (mas que, na realidade, tendem a ser reconstruções imaginativas, produzida por liturgistas de meados do século XX, que têm sido reveladas em larga medida como falsas por estudos mais recentes).

Seja como for, em ambos os lados da barricada há muitos que preferiam deixar todas as discussões filosóficas e intelectuais sobre “o Deus a quem o culto se dirige e a forma como os seus verdadeiros fiéis devem viver” (do género protagonizado pelo Papa João Paulo II e Bento XVI), de fora da igreja – a única diferença entre os dois está em saber o que é que o liberal ou o conservador preferiam ouvir em vez de doutrina. Para alguns o melhor são exortações piedosas, para outros, recomendações vagas sobre “ajudar os pobres”.

Queremos mesmo que o nosso padre nos fale e ensine sobre a Trindade, a Incarnação, a Ressurreição do Corpo, Salvação, Justificação, Santificação e os nossos deveres morais para com o nosso próximo? Queremos mesmo instrução profunda que nos leve a crescer na compreensão da fé? Queremos verdadeiramente que o padre nos desafie moralmente, tanto em termos da nossa vida interior e pessoal como em termos das nossas obrigações e responsabilidades para com os outros membros da sociedade?

Deixemo-nos de ilusões: Se vivesse na Igreja primitiva e o seu bispo fosse Ambrósio, ou Agostinho, ou Basílio de Cesareia, seria isso mesmo que ouviria – às pazadas.  

O Vaticano II foi um grande Concílio pastoral precisamente porque foi um grande concílio dogmático. Pensar que se pode dar cuidados pastorais correctos sem uma formação doutrinal sólida é como pensar que se consegue fazer uma cirurgia ao coração sem os conhecimentos adquiridos no curso de medicina.


Randall Smith é professor na Universidade de St. Thomas, Houston, onde recentemente foi nomeado para a Cátedra Scanlon em Teologia.

(Publicado pela primeira vez no Sábado, 19 de Julho de 2014 em 
The Catholic Thing)

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Um Poder Superior

Randall Smith
Uma amiga explicou-me recentemente, e de forma irritadiça, que deixou de acreditar na existência de um “poder superior”. Ainda bem. Como os mitos gregos nos mostram, os “poderes superiores” são capazes de todo o género de coisas que não são particularmente simpáticas para os humanos. E, para dizer a verdade, o conceito de um “poder superior” é demasiado fraco para perdurar muito tempo.

Por isso, quando as pessoas rejeitam a noção de um “poder superior”, na maioria das vezes estão a abandonar as suas ideias pagãs de Deus como um Grande Mestre de Xadrez do Universo, que move as suas criaturas como peões no grande tabuleiro do cosmos.

Ou então têm pensado no “poder superior” como se fosse “a força” da Guerra das Estrelas. O problema com “a Força”, como a Guerra das Estrelas nos mostrou, é que os maus a podem usar tão eficientemente, senão mais, que os bons. Quanto ao “equilíbrio” na Força, bem, tanto quanto consigo perceber, significa pouco mais que guerra constante – e mais filmes. Se a “Força” existisse mesmo, e se dependesse da existência de bichos que vivem dentro de nós, eu inventaria uma vacina para a curar. Personagens que conseguem estrangular outras com o poder da mente merecem ser curadas, não admiradas.

Os cristãos não acreditam simplesmente num “poder superior”. Acreditam num Deus de Amor Altruísta e Abnegado. Não se trata apenas de “poder”. É poder ao serviço do amor, para o bem dos outros, sobretudo os mais fracos e necessitados.

Se os cristãos acreditassem mesmo nesta divindade pateta e sem alma que muitas pessoas têm na cabeça, faríamos bem em abandonar esse “poder superior” e procurar algo melhor. Aliás, seria um passo essencial para o desenvolvimento espiritual.

O que acontece muitas vezes nestas situações é que a pessoa que supostamente “perdeu” a sua fé, na verdade acaba de enfrentar, de alguma forma distinta, o maior de todos os problemas: o problema do mal. Como é que pode haver mal no mundo se existe um Deus perfeitamente bom e inteiramente amor? Ou então pode simplesmente ter chegado a um ponto em que a vida parece ter perdido o sentido.

A minha recomendação para estas pessoas é para pensarem de onde derivam a própria ideia do “bem”. O que faz com que uma coisa seja “boa?” Quando a vida nos parece injusta, o que é que nos levou a crer que era suposto ter sido justa? De onde vem o “sentido”?

Não teríamos qualquer razão para pensar que a vida, neste cosmos grande, vazio e aparentemente sem sentido, devia ser “justa” se não nos tivesse sido dada essa esperança de algo para lá das realidades físicas e empíricas que nos rodeiam todos os dias.

Como diz C.S. Lewis no seu livro “O Problema do Mal”, o problema intellectual do mal só existe precisamente porque os cristãos propuseram a noção de um Deus perfeitamente bom e que ama perfeitamente. Sem esta noção, o sofrimento não é um “problema”, simplesmente é. O sofrimento e a morte seriam – como muitos acreditam que são – os produtos naturais de um universo essencialmente caótico e desprovido de sentido. Não serve de nada ficarmos desapontados ou zangados sobre esse tipo de coisa.

Sem um Deus providente que nos ama, das duas uma, ou se pode escolher maximizar o prazer e minimizar o sofrimento, como faziam os epicuristas, ou se engole a realidade e aprende-se a viver com ela, como faziam os estóicos. Mas culpar “os deuses” ou “o destino” nestas questões é como erguer os punhos às marés. O mar vai subir e inundar o teu castelo de areia quer queiras quer não. Por isso sai do caminho ou prepara-te para seres submergido.
 
Um Poder Superior
Só aqueles que imaginam que o universe poderia ser melhor, que imaginam que o universo é feito para nós como um lugar de florescimento, é que têm direito a sentir-se desapontados. E quem é que vê a realidade por essa perspectiva? Os epicuristas e os estóicos não. Só quem acredita num criador que criou o universo para nós e que nos ama de tal forma que se dispôs a morrer pelos nossos pecados.

Recorremos a noções de “bondade”, de “justiça” e de “sentido” como se nos pertencessem e depois atiramo-las à cara de Deus quando nós, e o mundo pelo qual somos responsáveis, não correspondem aos seus padrões. Esquecemo-nos é de que Ele é aquilo sem o qual não há sentido. Só existe “justiça” se houver um Criador do que é justo. Não existe “mal” sem um padrão último pelo qual julgamos o “bem”. Sem Ele, não haveria mais do que caos e falta de sentido. 

Os cristãos não acreditam que este é o “melhor dos mundos possíveis”. Bem pelo contrário. A história cristã fala-nos de uma queda para a agonia do pecado, sofrimento e morte. A história cristã oferece-nos um ideal a que podemos aspirar; não nos pede que nos satisfaçamos com a nossa sorte actual. O nosso problema não está em desejarmos demais, está no facto de, na maior parte das vezes, desejarmos de menos.

Alguns dos que supostamente perderam a fé, na verdade estão apenas a experimentar aquela inquietação de um coração que só descansará Nele. Temos a tendência de criar estas categorais confortáveis onde nos refugiar. Não é uma coisa inteiramente má, claro. Pensamos com palavras e compreendemos por categorias. Mas todas as categorias têm as suas limitações.

Deus presta-nos um grande serviço quando rebenta com elas para abrir espaço para Ele: Aquele que está para além de todas as categorias, mais do que um “ser supremo”, um Ser Subsistente em Si mesmo, Fonte de todo o Ser e Bondade – uma pessoa e não um poder, com poder de tal forma incomensurável que se consegue esvaziar dele para se tornar Amor Incarnado, Deus Connosco e Por Nós.


Randall Smith é professor na Universidade de St. Thomas, Houston, onde recentemente foi nomeado para a Cátedra Scanlon em Teologia.

(Publicado pela primeira vez na Quinta-feira, 2 de Julho de 2014 em 
The Catholic Thing)

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte: info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

sexta-feira, 11 de julho de 2014

#PAUSEforPeace seguido de #PAUSEforFérias

Só se fala da “final dos Papas” e não há falta de caricaturas e montagens alusivas. A Renascença apresenta-lhe as melhores. Desporto, religião e bom-humor!

Tudo isto levou o Vaticano a abrir os olhos para uma excelente oportunidade de promover os seus valores. Nasceu assim o #PAUSEforPeace, uma proposta para se fazer uma pausa pela paz antes da final. FIFA, estão a ouvir?


O Papa nomeou hoje um bispo para Colónia, na Alemanha. Rainer Maria Woelki é uma escolha interessante, que diz muito sobre o tipo de bispo que Francisco procura para a igreja de hoje.

Famalicão acolhe este fim-de-semana um encontro de poesia coordenado por Tolentino Mendonça e Pedro Mexia. A antologia parte de Deus como uma interrogação. Saiba mais aqui.

Para quem está nos arredores de Seia fica a proposta. A Rota das Alminhas promove o culto da oração pelas alminhas do purgatório.


quinta-feira, 10 de julho de 2014

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Um Franssu no Banco do Vaticano

Je suis un Franssu
Novidades no Banco do Vaticano! Hoje foi nomeado o novo presidente da instituição, um francês chamado Franssu… sim, é mesmo um francês chamado Franssu… O Cardeal Pell teve uma gaffe interessante durante a conferência de imprensa, dizendo que os novos dirigentes querem alcançar a transcendência… quero dizer, a transparência, da instituição.

Na área das comunicações sociais também há novidades, incluindo a nomeação do inglês Chris Patten para supervisionar a modernização.

Portugal pode vir a ter um novo santo. Trata-se de um bispo nascido em Portugal mas que exerceu o ministério no Brasil e ficou conhecido por combater a escravatura.

Da República Centro-Africana mais notícias de mortes. Desta vez foram 24 cristãos atacados em plena catedral.


Meras crenças ou argumentos racionais?

Francis J. Beckwith
Na passada terça-feira Hadley Arkes levantou uma questão muito importante sobre a forma como o tribunal se referiu às crenças da família Green, os queixosos no caso Hobby Lobby. Tal como noutras ocasiões, a “religião” foi reduzida meramente à invocação de “crenças sinceras”.

Os Green dizem acreditar que a vida humana começa na concepção. Este é um facto básico dos manuais de embriologia, mas aqui aparece reduzido a uma mera “crença”, tal como a própria religião é reduzida a meras “crenças” sem base na razão.

A observação de Hadley é claramente correcta e não se aplica unicamente a esta decisão. Esta é a forma como os especialistas em direito e as elites académicas tendem a caracterizar as crenças religiosas que chocam com a narrativa liberal dominante. Em vez de as encarar como rivais intelectualmente sérias da narrativa liberal do assunto em disputa, a crença religiosa é apresentada como pertencendo a uma categoria inteiramente à parte.

A razão para isto, ao que me parece, é que os críticos de religião pensam, erradamente, que todas as crenças religiosas são apenas consequências da revelação, acessível ao crente através da escritura (como a Bíblia ou o Alcorão) e/ou uma autoridade eclesiástica.

Por isso, para o típico académico secularista, o facto de um católico acreditar que um embrião é verdadeiramente uma pessoa está na mesma categoria que a doutrina da transubstanciação. Por isso para o secularista, tal como a ideia católica do pão e do vinho consagrado é um acrescento religioso à visão científica do pão e do vinho, a visão católica do embrião é um acrescento religioso à visão puramente secular da vida nascente.

Através desta técnica, o secularista consegue dar a entender que se trata de duas matérias incomensuráveis, a fé e a razão, em vez de duas respostas contrárias à mesma pergunta: Será que o embrião é um de nós?

Como Hadley diz, e bem, as conclusões da embriologia são imensamente úteis neste debate. Mas para o secularista mais sofisticado, aquele que aceita a humanidade do embrião, mas nega que tenha o estatuto de pessoa, o activista pró-vida deve recorrer à filosofia, uma vez que é esse também o instrumento a que recorre o secularista para apresentar a sua visão.

O secularista argumenta que aquilo que torna qualquer ser um sujeito moral é a sua capacidade de participar em actos que tipicamente atribuímos a pessoas, como a capacidade de comunicar, autoconsciência, etc. Logo, para este crítico, um embrião não pode ser um sujeito moral, isto é, uma pessoa.


O defensor da vida não nega que uma pessoa possa fazer estas coisas, defende é que não é a capacidade de as fazer que faz do ser humano uma pessoa. Pelo contrário, os actos pessoais são aperfeiçoamentos daquilo que um embrião é, um ser com natureza pessoal. É por isso que um homem cego, inconsciente ou deficiente mental não deixa de ser um homem.

O nosso juízo sobre aquilo que lhe falta depende de sabermos o que é. Logo, para o pró-vida, o embrião é um de nós por causa do que é, não do que faz.

Mas isto significa que a posição da família Green – de que o embrião é, desde a concepção, verdadeiramente um de nós – não resulta meramente de um decreto eclesiástico ou de exegese bíblica, ainda que esteja firmemente ancorada em ambos. Antes, é o resultado do mesmo tipo de raciocínio usado pelos críticos da religião: a análise filosófica de uma realidade empírica.

Logo, a crença dos Green não é mais nem menos “religiosa” que a dos secularistas. Cada um está a oferecer uma resposta para a mesma pergunta, ainda que através de tradições de reflexão filosófica contrárias.

Sendo assim, certos críticos da decisão do tribunal no caso Hobby Lobby, nomeadamente aqueles que a pintam como uma vitória da fé sobre a razão, das duas uma: ou revelam ignorância sobre a natureza da disputa ou sabem que se forem honestos quanto à mesma não estarão a avançar a sua agenda política.

Se for o primeiro caso, então há esperança de um entendimento e de um debate público sério mas respeitoso. Se for o segundo (e temo que seja o caso), então estamos diante de adversários que rejeitam não só a fé, como também a razão. Adiuva nos Domine Deus.


(Publicado pela primeira vez na Sexta-feira, 4 de Julho 2014 em The Catholic Thing)

Francis J. Beckwith é professor de Filosofia e Estudos Estado-Igreja na Universidade de Baylor. É autor de Politics for Christians: Statecraft as Soulcraft, e (juntamente com Robert P. George e Susan McWilliams), A Second Look at First Things: A Case for Conservative Politics, a festschrift in honor of Hadley Arkes.

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte:info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

terça-feira, 8 de julho de 2014

Contas suspeitas e ciganos desaparecidos

"Desculpe lá a demolição, mas não
a conseguíamos contactar..."
O Banco do Vaticano apresentou contas esta terça-feira. A reforma começa a dar frutos, com mais de 3000 contas encerradas e 2000 bloqueadas, mas os frutos foram caros, custando praticamente todo o lucro previsto para hoje.

Entretanto amanhã haverá mais novidades, incluindo a revelação do novo presidente da instituição…

Se algum dia tiver de fugir com toda a sua família alargada, então a Vidigueira pode ser uma boa solução. Foi lá que conseguiram desaparecer, sem deixar qualquer rasto, 70 ciganos, incluindo crianças e pelo menos uma mulher grávida. O presidente da Câmara, como não os conseguia contactar, demoliu-lhes a casa, com tudo lá dentro. Tudo normal. A Cáritas de Beja torce o nariz…

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Abusos sexuais são profanação da imagem de Deus

Unidas na dor. Mães dos rapazes judeus assassinados
O Papa recebeu esta segunda-feira seis vítimas de abusos sexuais, no primeiro gesto do género do seu pontificado. Aqui podem ler a notícia da fantástica homilia em que Francisco pede perdão, condena o encobrimento dos casos e louva o facto de as vítimas terem denunciado publicamente os abusos. Mas se puderem, não deixem de ler a homilia completa, aqui a versão em inglês.

Por falar em abusos, o Ministério Público anunciou no fim da semana passada que deduziu acusação contra um padre da Ordem Hospitaleira de São João e um funcionário de uma instituição da mesma ordem, por prática de abuso sexual de pessoa internada e de pessoa incapaz de resistência. Este dado já foi acrescentado à cronologia de casos de abusos em Portugal.

Foi um fim-de-semana em cheio para o Papa que, no sábado, visitou uma zona pobre de Itália e lamentou a “indignidade” de não conseguir colocar pão na mesa.


Ao longo das últimas semanas a situação na Terra Santa agravou-se bastante, com a morte de três adolescentes judeus e o assassinato, em retaliação, de um árabe de 16 anos. Mas no meio da loucura há sinais de sanidade. A sanidade radical do perdão e da reconciliação. Não perca.

Homilia do Papa sobre abusos sexuais

Nesta notícia fiz um resumo do essencial da homilia do Papa Francisco esta manhã, na Casa de Santa Marta, perante vítimas de abusos sexuais.

Mas há textos que são demasiado importantes para não serem lidos na íntegra. Está aqui o texto completo em inglês. Aconselho a todos os que se interessam por este assunto.


Homilia do Papa:


The scene where Peter sees Jesus emerge after a terrible interrogation… Peter whose eyes meet the gaze of Jesus and weeps… This scene comes to my mind as I look at you, and think of so many men and women, boys and girls. I feel the gaze of Jesus and I ask for the grace to weep, the grace for the Church to weep and make reparation for her sons and daughters who betrayed their mission, who abused innocent persons. Today, I am very grateful to you for having travelled so far to come here.

For some time now I have felt in my heart deep pain and suffering. So much time hidden, camouflaged with a complicity that cannot be explained until someone realized that Jesus was looking and others the same… and they set about to sustain that gaze.


And those few who began to weep have touched our conscience for this crime and grave sin. This is what causes me distress and pain at the fact that some priests and bishops, by sexually abusing minors, violated their innocence and their own priestly vocation. It is something more than despicable actions. It is like a sacrilegious cult, because these boys and girls had been entrusted to the priestly charism in order to be brought to God. And those people sacrificed them to the idol of their own concupiscence. They profane the very image of God in whose likeness we were created. Childhood, as we all know, young hearts, so open and trusting, have their own way of understanding the mysteries of God’s love and are eager to grow in the faith. Today the heart of the Church looks into the eyes of Jesus in these boys and girls and wants to weep; she asks the grace to weep before the execrable acts of abuse which have left life long scars.


I know that these wounds are a source of deep and often unrelenting emotional and spiritual pain, and even despair. Many of those who have suffered in this way have also sought relief in the path of addiction. Others have experienced difficulties in significant relationships, with parents, spouses and children. Suffering in families has been especially grave, since the damage provoked by abuse affects these vital family relationships.


Some have even had to deal with the terrible tragedy of the death of a loved one by suicide. The deaths of these so beloved children of God weigh upon the heart and my conscience and that of the whole Church. To these families I express my heartfelt love and sorrow. Jesus, tortured and interrogated with passionate hatred, is taken to another place and he looks out. He looks out upon one of his own torturers, the one who denied him, and he makes him weep. Let us implore this grace together with that of making amends.


Sins of clerical sexual abuse against minors have a toxic effect on faith and hope in God. Some of you have held fast to faith, while for others the experience of betrayal and abandonment has led to a weakening of faith in God. Your presence here speaks of the miracle of hope, which prevails against the deepest darkness. Surely it is a sign of God’s mercy that today we have this opportunity to encounter one another, to adore God, to look in one another’s eyes and seek the grace of reconciliation.


Before God and his people I express my sorrow for the sins and grave crimes of clerical sexual abuse committed against you. And I humbly ask forgiveness.


I beg your forgiveness, too, for the sins of omission on the part of Church leaders who did not respond adequately to reports of abuse made by family members, as well as by abuse victims themselves. This led to even greater suffering on the part of those who were abused and it endangered other minors who were at risk.


On the other hand, the courage that you and others have shown by speaking up, by telling the truth, was a service of love, since for us it shed light on a terrible darkness in the life of the Church. There is no place in the Church’s ministry for those who commit these abuses, and I commit myself not to tolerate harm done to a minor by any individual, whether a cleric or not. All bishops must carry out their pastoral ministry with the utmost care in order to help foster the protection of minors, and they will be held accountable.


What Jesus says about those who cause scandal applies to all of us: the millstone and the sea (cf. Mt 18:6). By the same token we will continue to exercise vigilance in priestly formation. I am counting on the members of the Pontifical Commission for the Protection of Minors, all minors, whatever religion they belong to, they are little flowers which God looks lovingly upon.


I ask this support so as to help me ensure that we develop better policies and procedures in the universal Church for the protection of minors and for the training of church personnel in implementing those policies and procedures. We need to do everything in our power to ensure that these sins have no place in the Church.


Dear brothers and sisters, because we are all members of God’s family, we are called to live lives shaped by mercy. The Lord Jesus, our Savior, is the supreme example of this; though innocent, he took our sins upon himself on the cross. To be reconciled is the very essence of our shared identity as followers of Jesus Christ. By turning back to him, accompanied by our most holy Mother, who stood sorrowing at the foot of the cross, let us seek the grace of reconciliation with the entire people of God. The loving intercession of Our Lady of Tender Mercy is an unfailing source of help in the process of our healing.


You and all those who were abused by clergy are loved by God. I pray that the remnants of the darkness which touched you may be healed by the embrace of the Child Jesus and that the harm which was done to you will give way to renewed faith and joy.

I am grateful for this meeting. And please pray for me, so that the eyes of my heart will always clearly see the path of merciful love, and that God will grant me the courage to persevere on this path for the good of all children and young people. Jesus comes forth from an unjust trial, from a cruel interrogation and he looks in the eyes of Peter, and Peter weeps. We ask that he look at us and that we allow ourselves to be looked upon and to weep and that he give us the grace to be ashamed, so that, like Peter, forty days later, we can reply: "You know that I love you"; and hear him say: "go back and feed my sheep" – and I would add – "let no wolf enter the sheepfold".

quarta-feira, 2 de julho de 2014

C.S. Lewis no dia de Sophia

No dia em que decorre a trasladação de Sophia de Mello Breyner para o Panteão Nacional, fazem-se as contas aos mortos em mais um atentado na Nigéria.

Ontem o Patriarca de Lisboa esteve no encontro de juristas católicos, onde pediu que se dêem “razões de esperança” aos portugueses.


Não percam o artigo desta semana do The Catholic Thing em português, no qual o Pe. Dwight Longenecker fala da possibilidade de salvação dos não-cristãos, com base nos escritos de C.S. Lewis. Vale a pena.

Tash e a Salvação dos Muçulmanos

Pe. Dwight Longenecker
No seguimento da visita do Papa Francisco ao Médio Oriente, o encontro de oração nos jardins do Vaticano e a renovação de combates entre fundamentalistas islâmicos no Iraque, que esperança podemos ter acerca da possível salvação de pessoas religiosas que prefeririam morrer mil vezes do que converter-se ao Cristianismo?

C.S. Lewis tinha o hábito de polvilhar as suas histórias infantis com teologia. Aquilo que ele pensa sobre a possível salvação de não-cristãos encontra-se na história final dos livros de Narnia. É evidente que os calormanos, o povo que invade Narnia, representam os muçulmanos. Os homens do sul têm nomes de estilo turco, usam cimitarras e recorrem ao engenho e ao subterfúgio para invadir. Embora traiçoeiros, usam uma linguagem muito formal, que faz lembrar a cultura islâmica, pelos salamaleques.

Em Narnia, um símio chamado Shift alia-se a Tisroc – o líder Calormano – e dá-se início à invasão de Narnia. Depois de cobrir o burro Puzzle com uma velha pele de leão, fazendo-o passar pelo grande Leão Aslan, Shift consegue conquistar o fascínio dos Narnianos e rapidamente começa a conspirar com os Calormanos para subjugar toda a Narnia.

A história leva uma volta com a chegada de Tash, o deus-demónio dos Calormanos. Uma criatura terrível com o corpo de homem com quatro braços e cabeça de falcão. O capitão calormano Rishda Tarkaan conjuga as duas divindades em “Tashlan”. No estábulo onde se encontrava o falso Aslan, Tash espera para devorar todos os que entrem.

Entre os Calormanos encontra-se um nobre chamado Emeth que aprendeu a amar e reverenciar Tash. Quando ouve dizer que Tashlan se encontra no estábulo, pede para entrar. Quando Rishda Tarkaan o procura impedir, Emeth responde: “Vós dissestes que Aslan e Tash são um só. Se isso é verdade, então é Tash que se encontra adiante. Como dizeis, então, que não devo ter nada a ver com ele? Morreria alegremente mil vezes pela oportunidade de poder ver a face de Tash uma única vez”.

Emeth desaparece para dentro do estábulo, e a história continua até que as crianças de Narnia perdem a derradeira batalha e são lançados também elas para o interior. O estábulo, porém, é “maior por dentro do que por fora” e transforma-se na passagem para a verdadeira Narnia, de onde testemunham a morte silenciosa da Narnia que conheciam até aí.

Viajando pela verdadeira Narnia encontram Emeth, que lhes fala do seu encontro com Aslan:

Veio ter comigo um grande Leão... então caí aos seu pés e pensei, “Certamente é chegada a hora da minha morte, pois o leão saberá que servi a Tash todos os dias da minha vida, e não a ele”... Mas o Glorioso baixou a sua cabeça dourada e tocou na minha testa com a sua língua, dizendo: “Sede bem-vindo filho”.

Respondi, “Mas Senhor, eu não sou vosso filho, mas sim um servo de Tash”. Mas ele replicou: “Filho, todos os serviços que prestaste a Tash eu contei como serviços prestados a mim... Nenhuma obra vil pode ser feita em meu nome e nenhuma que não seja vil pode ser prestada a ele”.


Emeth respondeu, “Porém, todos os meus dias eu procurei Tash”.

“Amado”, respondeu o Glorioso, “Se a vossa busca não fosse por mim, não teríeis procurado tão longamente e com tanta verdade, pois todos encontram aquilo que verdadeiramente procuram”.

Lewis teria certamente estendido a um muçulmano a mesma generosidade que revelou para com o nobre calormeno. Emeth procurou com todo o seu coração aquilo que era belo, bom e verdadeiro. Por isso, na história de Lewis, acabou por encontrar Aslan, a figura de Cristo. Pelo contrário, qualquer dos filhos de Aslan que vivesse na decepção, crueldade e no mal acabaria por ser devorado por Tash.

Esta é a nota que atravessa todo o pensamento de Lewis – uma misericórdia divina que é universal sem ser universalista. Para Lewis há um juízo e um juiz, mas o juiz é mais a alma individual do que o Todo-poderoso.

Em “O Grande Divórcio”, ele afirma claramente: “No final de contas há dois tipos de pessoa: os que dizem a Deus, ‘Seja feita a vossa vontade’ e aquelas a quem Deus acaba por dizer, ‘Seja feita a vossa vontade’. Todos os que estão no Inferno estão lá porque o escolheram. Sem essa escolha não poderia haver Inferno. Nenhuma alma que deseje a alegria de forma séria e constante a poderá perder. Quem procura, encontra. Àqueles que batem, abrir-se-á.”

Como é que este espírito generoso encaixa com as palavras exigentes de Cristo: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim”? A perspectiva de Lewis significa que Emeth chegou de facto ao Reino através de Aslan – pese embora pensasse que vinha através de Tash.

Toda a verdade, beleza  e bondade é uma verdade, beleza e bondade católica. É por isso que apoiamos e acolhemos tudo o que é bom, belo e verdadeiro não só noutras expressões de Cristianismo, mas também noutras religiões mundiais.

Por isso, o Catecismo da Igreja Católica diz: “A Igreja reconhece nas outras religiões a busca, ‘ainda nas sombras e sob imagens’, do Deus desconhecido mas próximo, pois é Ele quem a todos dá vida, respiração e todas as coisas e quer que todos os homens se salvem. Assim, a Igreja considera tudo quanto nas outras religiões pode encontrar-se de bom e verdadeiro, ‘como uma preparação evangélica e um dom d'Aquele que ilumina todo o homem, para que, finalmente, tenha a vida’. [843]

Emeth encontra em Aslan aquele que sempre procurou. Da mesma forma, podemos esperar que os muçulmanos que verdadeiramente procuram o belo, bom e verdadeiro possam um dia ver Cristo e saber que é ele o objecto de todas as suas buscas.

Entretanto, somos chamados a evangelizar incansavelmente para que aqueles que vivem nas sombras possam vir a conhecer a gloriosa luz de Cristo.


O livro mais recente do padre Dwight Longenecker é The Romance of Religion – Fighting for Goodness, Truth and BeautyVisitem o seu blogue, folheiem os seus livros e contactem-no em dwightlongenecker.com

(Publicado pela primeira vez no Domingo, 29 de Junho de 2014 em The Catholic Thing)

© 2014 The Catholic Thing. Direitos reservados. Para os direitos de reprodução contacte:info@frinstitute.org

The Catholic Thing é um fórum de opinião católica inteligente. As opiniões expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Este artigo aparece publicado em Actualidade Religiosa com o consentimento de The Catholic Thing.

Partilhar